39
Anterior
Carta a Vasco Graça Moura
Seguinte
Dois Poetas sem Abrigo
Página Inicial   >  Blogues  >  A agenda de Mário Claúdio  >   Uma Cama para um Rei

Uma Cama para um Rei

|

Há noventa e dois anos, Gaby Deslys, cantora e dançarina de variedades, descia à terra no Cemitério de Saint-Pierre em Marselha. Deixava por rasto um aroma de escândalo e patchouli, e a interessante suspeita, mais ou menos infundada, de ter devorado boa parte das jóias da Coroa de Portugal. Era uma rapariga franzina, e talvez formosa, mas não bela, que cumpria a carreira das grandes horizontais, a de entreter com a sua frivolidade os membros da realeza da Europa, afectos à boémia pós-vitoriana, e mais preocupados com o estômago e o falo do que com a responsabilidade a que o poder os chamava.

O nosso D. Manuel II conhecê-la-ia em Dezembro de 1908, e durante uma viagem estatal, quando dois validos seus, incorporando o sobressalto da Casa de Bragança perante os indícios da frouxa virilidade do soberano recém-ungido, decidiram arranjar-lhe a entrevista determinante. Os encantos, e a astúcia, da já por então adestradíssima Gaby haveriam de surtir o efeito desejado, mas também o que não se previra, a fixação do jovem nos braços de quem se lhe propusera como pura receita de ocasião. E mais advertido do que os restantes áulicos, averbava a propósito Thomaz de Mello Breyner, médico da Família Real Portuguesa, a sua apreensão de que acabasse a "mulherzinha" por "estafar o pobre rapaz".

Mas de uma esplêndida cama é que se tratará aqui, simbólica desse amor clássico de príncipe e corista, posto que no caso se reunissem nesta as básicas condições para ascender, do plano da discípula ao da cabeça-de-cartaz. O leito de Gaby Deslys, porventura insuportavelmente kitsch, e mesmo na época em que a cortesã o escolhera, talhava-se na forma de um hierático cisne, semelhante aos que espelhavam as simpatias góticas de Luís II, da Baviera. Feito de molde a que nele se beberricassem tacinhas de champagne entre mordidelas de marrons glacés, mostrava-se suficientemente vasto para receber um colégio de cardeais, e para facultar espaço a inúmeras acrobacias. E guardá-lo-ia Gaby até à morte, espécie de referente da monumentalidade do novo século, equiparável aos Inválidos, e admirado por isso pelo tout Paris.

Com o falecimento da cocotte, e enrolado com outros itens do recheio da sua mansão, legados aos indigentes de Marselha, não se revelaria menos pitoresco o destino do sumptuoso traste. Arrematado em hasta pública por um estúdio de Hollywood, daqueles que ao tempo investiam em opulentas produções históricas, emergiria aos olhos do mundo num dos maiores clássicos de sempre, Sunset Boulevard, de Billy Wilder. E nele se distenderia, crispada em gesticulação hiperbólica, a neurótica Florence Desmond, estrela do mudo que não consegue transitar ao sonoro, representada pela enorme Gloria Swanson. Amante oficial do pai Kennedy nessa altura, e mais tarde proprietária de uma moradia na Praia das Maçãs, de número e endereço registados na lista telefónica, dividia a actriz, encarnando Florence, aquele erótico mamarracho com um macaquinho suspeito de indizíveis perversões.

Onde parará agora a lendária peça, museu ou colecção privada, eis o que se entrega ao exercício da imaginação de cada qual. Não se duvide porém de que se encaixará ela, e até à consumação das eras, no inconsciente colectivo caucasiano a que fatalmente pertencemos.


Opinião


Multimédia

Os assassínios, as execuções, as decapitações são as imagens mais chocantes de uma propaganda cada vez mais sofisticada. É a Jihad, que recruta guerrilheiros no ocidente para matar e morrer na Síria. O Expresso seguiu as pisadas de cinco jiadistas portugueses, mostrando quem são e como foram convertidos e radicalizados. E como lutam, como foram morrer - e como já haverá arrependidos com medo de fugir. Reportagem em Londres, no café onde viam jogos de futebol, na universidade onde estudavam e na mesquita onde rezavam. Autoridades e especialistas em terrorismo estão alerta sobre este pequeno mas perigoso grupo, onde corre sangue português - e de onde escorre sangue por Alá.

Desacelerámos a realidade para observar a euforia da liberdade

Ela, Jacarandá, é algarvia. Ele, Katmandu, é espanhol. São linces e agora experimentam a responsabilidade da liberdade: foram soltos esta terça-feira numa herdade alentejana, próxima de Mértola, eles que saíram de centros de reprodução em cativeiro. Foi inédito: nunca tinha acontecido algo assim em Portugal. Estivemos lá e ensaiámos o slow motion.

Geração Z

Mais rápidos, mais capazes, mais solitários, os Z vivem agarrados aos ecrãs, pensam com a ajuda da internet e estão permanentemente preocupados com a bateria do telemóvel. Que geração é esta que nasceu com a viragem do século?

Desaparecidos para sempre no Mar do Norte

O dia 15 de novembro já foi feriado, há 90 anos. A razão foi o desaparecimento de Sacadura Cabral algures no Mar do Norte. Depois de fazer mais de oito mil quilómetros de Lisboa ao Rio de Janeiro, o aviador pioneiro não conseguiu completar o voo entre a cidade holandesa de Amesterdão e a capital portuguesa. Ainda hoje, não se sabe o que aconteceu ao companheiro de Gago Coutinho e tio-avô de Paulo Portas, a quem o Expresso pediu um sms.

Os muros do mundo

Novembro relembrou-nos os muros que caem, mas também os que permanecem e os que se expandem. Berlim aproximou-se de si própria há 25 anos, mas há muros que continuam a desaproximar. Esta é a história de sete deles - diferentes, imprevisíveis, estranhos.

Tudo o que precisa de saber sobre o ébola. Em dois minutos

Porque é que este está a ser o pior surto da história? Como é que os primeiros sintomas se confundem com os de outras doenças? É possível viajar depois de ter contraído o vírus, sem transmitir a doença? E estamos ou não perto de ter uma vacina? O Expresso procurou as respostas a estas e outras dúvidas sobre o ébola.

A última viagem do navio indesejado

Construído nos Estaleiros de Viana e pensado para fazer a ligação entre ilhas nos Açores, o Atlântida foi recusado pelo Governo Regional por alegadamente não atingir a velocidade pretendida. Contando com os custos associados à dissolução do contrato, o prejuízo ascendeu a 70 milhões de euros. Foi agora comprado a "preço de saldo", para mudar de nome e ser reconvertido num cruzeiro na Amazónia. Fizemos a última viagem do Atlântida e vamos mostrar-lhe os segredos do navio.

O papa-medalhas que veio do espaço

O atleta português mais medalhado de sempre, Francisco Vicente, regressou dos campeonatos europeus de veteranos, na Turquia, com novas lembranças ao pescoço. Três de ouro e duas de prata para juntar à coleção. Tem 81 medalhas, uma por cada ano de vida.

Terror religioso está a aumentar

Relatório sobre a Liberdade Religiosa é divulgado esta terça-feira em todo o mundo. Dos 196 países analisados, só em 80 não há indícios de perseguições motivadas pela fé.

Vai pagar mais ou menos IRS? Veja as simulações

Reforma do imposto protege quem tem dependentes a cargo, mas pode penalizar os restantes contribuintes. Função pública e pensionistas vão ter mais dinheiro disponível. Veja simulações para vários casos.

Tem três minutinhos? Vamos explicar-lhe o que muda no orçamento de 350 mil portugueses (e no de muitas empresas)

O novo salário mínimo entrou em vigor. São mais €20 brutos para cerca de 350 mil portugueses (números do Ministério da Segurança Social, porque os sindicatos falam em 500 mil trabalhadores). Mudou o valor, mas também os descontos que as empresas fazem para a Segurança Social. Porque se trata de uma medida que afeta a vida de muitos portugueses, queremos explicar o que se perde e o que se ganha, o que se altera e o que se mantém.

Music fighter: temos Marco Paulo e Bruno Nogueira numa batalha épica

Está preparado para um dos encontros mais improváveis na história da música portuguesa? O humorista Bruno Nogueira e a cantora Manuela Azevedo, dos Clã, pegaram em várias músicas consideradas "pimba" - daquelas que ninguém admite ouvir mas que, no fundo, todos vão dançar assim que começam a tocar - e deram-lhe novos arranjos, num projeto que chegou aos coliseus de Lisboa e do Porto.  "Ninguém, ninguém", de Marco Paulo, tem possivelmente a introdução mais acelerada e frenética do panorama musical português. Mas, no frente-a-frente, quem é o mais rápido? Vai um tira-teimas à antiga?

Dez verdades assustadoras sobre filmes de terror

Este vídeo é como o monstro de "Frankenstein": ganhou vida graças à colagem de partes de alguns dos filmes mais aterrorizantes de sempre. Com uma ratazana mutante e os organizadores do festival de cinema de terror MotelX pelo meio. O Expresso foi à procura das razões que explicam o fascínio pelo terror, com muito sangue (feito de corante alimentar) à mistura. 

A paixão do vinil

Se para muitos o vinil é apenas uma moda que faz parte da cultura do revivalismo vintage, para outros ver o disco girar nunca deixou de ser algo habitual.

Portugal foi herdado, comprado ou conquistado?

Era agosto em Lisboa e, às portas de Alcântara, milhares de homens lutavam por dois reis, participando numa batalha decisiva para os espanhóis e ainda hoje maldita. Aconteceu em agosto de 1580. Mais de 400 anos depois, o Expresso deu-lhe vida, fazendo uma reconstituição do confronto através do recorte e animação digital de uma gravura anónima da época.

O Maradona dos bancos centrais

Dizer que Mario Draghi está a ser uma espécie de Maradona dos bancos centrais pode parecer estranho. Mas não é exagerado. Os jornalistas João Silvestre e Jorge Nascimento Rodrigues explicaram porquê num conjunto de artigos publicado no Expresso em Novembro de 2013 e que venceu em junho deste ano o prémio de jornalismo económico do Santander e da Universidade Nova. O trabalho observa ainda o desempenho de Ben Bernanke no combate à crise, revisita a situação em Portugal e arrisca um ranking dos 25 principais governadores de bancos centrais. Republicamos os artigos num formato especial desenvolvido para a web.


Comentários 39 Comentar
ordenar por:
mais votados
Florence?!?
É "Norma" Desmond!!! Com a idade também já começo a ter falhas de memória, mas essa é de palmatória...

Re: Uma Cama para um Rei
Quer isto dizer que há Reis devassos? Claro, são apenas homens, mas os sacrifícios e os riscos (de morte!) que fizeram por Portugal cobrem os deslizes em que a natureza os fez cair.

E os republicanos são menos devassos?

A questão é simples:
O povo não deixa de comer porque o Rei é devasso,

Mas os filhos da república passam FOME, por a república ser corrupta!!

"Did I make my self clear?".
Re: Uma Cama para um Rei
Re: Uma Cama para um Rei
Re: Uma Cama para um Rei
Re: Uma Cama para um Rei
Re: Uma Cama para um Rei
Re: Uma Cama para um Rei
Re: Uma Cama para um Rei
Re: Uma Cama para um Rei
Re: Uma Cama para um Rei
Re: Uma Cama para um Rei
Re: Uma Cama para um Rei
Re: Uma Cama para um Rei
Re: Uma Cama para um Rei
Re: Uma Cama para um Rei
Re: Uma Cama para um Rei
Re: Uma Cama para um Rei
Re: Uma Cama para um Rei
Re: Uma Cama para um Rei
Re: Uma Cama para um Rei
Re: Uma Cama para um Rei
Re: Uma Cama para um Rei
Re: Uma Cama para um Rei
Re: Uma Cama para um Rei
Re: Uma Cama para um Rei
Re: Uma Cama para um Rei
Re: Uma Cama para um Rei
Re: Uma Cama para um Rei
Re: Uma Cama para um Rei
Re: Uma Cama para um Rei
Re: Uma Cama para um Rei
Re: Uma Cama para um Rei
Re: Uma Cama para um Rei
Re: Uma Cama para um Rei
Re: Uma Cama para um Rei
Re: Uma Cama para um Rei
Interessante crónica
Retrata bem a decadência moral, embora luxuosa, em que viviam as classes dirigentes de então (e onde vivem as classes dirigentes actuais), quer sejam da monarquia ou da república. As Idades de Ouro são raríssimas e, quando ocorrem, é porque a decadência dos costumes é diminuta ou quase residual, O desregramento dos costumes, a perversão sexual autorizada e aceite como normal, o burlesco e o grotesco (restaurantes a exibir famintos fechados em caixas de vidro enquanto os clientes refastelavam-se com os seus banquetes) caracterizaram a Berlim dos anos 20 e 30, em plena crise económica. Esse "Berliner Luft" pestilento levou à ascensão do nazismo. O pintor alemão George Grosz retratou bem essa época e essas gentes doentes e perversas. Um dia perguntaram-lhe por que razão retratava essas pessoas como gordas, feias e com feições animalescas, quando, em geral, os cidadãos de Berlim não assim tão feios. O pintor respondeu que ele as via como eram por dentro, e por isso retratava-as com rostos de porcos.

A perversão e a decadência moral das "elites" são o primeiro passo para os regimes totalitaristas. Pode levar décadas, mas essa "gente" tem muita paciência ...
Re: Interessante crónica
Comentários 39 Comentar

Últimas


Edição Diária 17.Abr.2014

Leia no seu telemóvel, tablet e computador

PUBLICIDADE

Pub