Anterior
Aprenda a comer flores e a decorar pratos irresistíveis
Seguinte
Dinheiro, Sexo e Crianças: Pare de Lutar Sobre as Três Coisas que ...
Página Inicial   >  Blogues  >  Blogues Life & Style  >  A vida de saltos altos  >   Um recado lisboeta: "Amai-vos, porra!" (fotogaleria)

Um recado lisboeta: "Amai-vos, porra!" (fotogaleria)

|

Escrito a letras garrafais vermelhas, na parede branca de uma igreja, a frase "Amo-te Teresa" ficou para história. Acredito que muitos dos que estão a ler este texto se lembram do mítico telefilme que deixou muitos portugueses de olhos pregados à televisão, há doze anos. Hoje, não é preciso  ligá-la para ver mensagens semelhantes um pouco por todo o lado: basta sair à rua.

Frase de Pablo Neruda em Alfama

Lembro-me de ter sorrido (o que ainda hoje me acontece, confesso) ao passar por uma parede de Alfama onde Neruda é citado: "Quero fazer contigo o que a primavera faz com as cerejeiras". Quantos emails e sms de amor terão sido enviados à conta da pessoa que ousou (e ainda bem!) "estragar" uma parede do bairro com esta frase? Acredito que muitos. A frase "Amai-vos porra!", também outro clássico. De Saramago a Pessoa e Eugénio de Andrade, passando por poetas anónimos e almas apaixonadas ("Amo-te! Queres namorar cmg?", deixado numa parede da Estefânia), por Lisboa há inúmeras frases de amor, inspiração, indignação, frustração, amizade, ingenuidade, deixadas em paredes numa tentativa de dar voz ao que vai dentro da alma e coração de quem as escreveu. Diria eu, igual a tanto do que vai dentro de muitos de nós.

"Amo-te pequenita!", escrito em parte incerta...


No meio de uma era de tanta indiferença e alienação, são urgentes as palavras. Mesmo que gritadas em paredes. Em muitas pode mesmo até haver um destinatário final mas, agora que fazem parte da decoração das nossas ruas, todos os olhos que nelas pousam ganham esse estatuto. A mim sempre me fizeram sorrir ou parar para pensar. Muitas vezes agarrei no telemóvel e fotografei-as para enviar aos que me rodeiam. Muitas vezes acabei mesmo a pensar que devia haver um álbum fotográfico com todas elas. E não é que afinal alguém já tinha tido pensado no mesmo?

Ana Luísa Nogueira é o salto alto responsável por tal ideia. Há uns tempos tropecei no seu projeto "Fotos de Rua", onde via Facebook reúne as imagens que capta, mais as que recebe dos seus mais de 1800 seguidores. Ao que parece tem mais de 800 imagens tiradas nos últimos quatro anos, que já deram azo a exposições e, até mesmo, a uma sequência de postais vendida pela Lisbon Lovers, intitulada "De Lisboa Com Amor". Em projecto está um livro com postais da cidade, com o mesmo nome da sua página no Facebook.

Não conheço a Ana Luisa, mas a ela só posso dedicar uma das frases de Saramago, captada numa das suas muitas fotos: "Se puderes olhar, vê. Se podes ver, repara". Obrigada Ana por ter reparado.E espero que não se importe que partilhe por aqui algumas das imagens.

Se quiserem dar uma vista de olhos ao projeto "Fotos de Rua", basta clicar aqui . Desfrutem!

 



A Vida de Saltos Altos em livro


Autoras: Ana Areal, Liliana Coelho, Paula Cosme Pinto, Sofia Rijo, Solange Cosme

Editora: Plátano (coleção Livros de Seda)

Preço: 11,80€ em loja, 10,62€ se for adquirido via site da Editora Plátano

Páginas: 158

ISBN: 9789727708598


Saiba mais sobre o livro:

Um livro lançado... em Saltos Altos (vídeo e fotogaleria)
Blogue mais feminino do Expresso chega às livrarias (vídeo)



A Vida de Saltos Altos no Facebook

A Vida de Saltos Altos também está presente no Facebook. Na página desta popular rede social qualquer um pode ser fã deste blogue. Clique para visitar.



A Vida de Saltos Altos no Twitter

A Vida de Saltos Altos é presença assídua no Twitter, onde estão todos os posts deste blogue. Junte-se às pessoas que aí nos seguem. Clique para visitar.



Opinião


Multimédia

Cheesecake com manjericão e doce de tomate

Especialista em pratos de confeção acessível, com ingredientes ao alcance de qualquer pessoa, Tiger escolheu a gastronomia como forma de estar na vida. Veja, confecione, desfrute e impressione.

Voámos num F-16

Um piloto da Força Aérea voou com uma câmara GoPro do Expresso e temos imagens inéditas e exclusivas para lhe mostrar num trabalho multimédia.

Salada de salmão com sorvete de manga

Especialista em pratos de confeção acessível, com ingredientes ao alcance de qualquer pessoa, Tiger escolheu a gastronomia como forma de estar na vida. Veja, confecione, desfrute e impressione.

Por faróis nunca dantes navegados

São a salvaguarda dos navegantes, a luz que tranquiliza o mar. Há 48 faróis em Portugal continental e nas ilhas. Este é um acontecimento único: todos os faróis e 1830 km de costa disponíveis num mesmo trabalho. Para entendê-los e vê-los, basta navegar neste artigo.

Parecem casulos onde gente hiberna à espera de ver terra

No Porto de Manaus não há barcos, mas autocarros bíblicos que caminham sobre água. Têm vários andares e estão cheios de camas de rede que parecem casulos onde homens, mulheres e crianças aguardam o destino. E há gente a vender o que houver e tiver de ser junto ao Porto. "Como há Copa, tem por aí muito gringo que vem ter com 'nóis'. E então fica mais fácil vender"

O adeus de Lobo Antunes às aulas de medicina

O neurocirurgião deu terça-feira a sua "Última Lição" no auditório do Instituto de Medicina Molecular da Faculdade de Medicina da Universidade de Lisboa, na véspera de deixar o seu trabalho no serviço nacional de saúde.

Jaguar volta a fabricar desportivo dos anos 60

Até ao verão será fabricado um número limitado de desportivos Jaguar E-Type Lightweight, seguindo todas as especificações originais, incluindo a continuação do número de série das unidades produzidas em 1963.

"Naquela altura estavam continuamente a acontecer primeiras coisas"

Mais do que uma manifestação, o 'primeiro' 1º de Maio é recordado como a grande festa da Revolução dos Cravos, quando o povo saiu às ruas em massa e a união das esquerdas era um sonho possível. "O 1º de Maio seria mais uma primeira coisa, porque naquela altura estavam continuamente a acontecer primeiras coisas." Foi há 40 anos.

Este trabalho não foi visado por qualquer comissão de censura

Aquilo que hoje é uma expressão anacrónica estava em relevo na primeira página do "República", a 25 de Abril de 1974: "Este jornal não foi visado por qualquer comissão de censura". Quarenta anos depois da Revolução, veja os jornais, ouça os sons e compreenda como decorreu o "dia inicial inteiro e limpo", como lhe chamou Sophia. O Expresso falou ainda com cinco gerações de 40 anos e percorreu a "geografia" das Ruas 25 de Abril de todo o país, falando com quem lá mora. Veja a reportagem multimédia.


Comentários 9 Comentar
ordenar por:
mais votados
Bem...
Se o amor não conseguisse estimular a criatividade, o que conseguiria?
...
A originalidade desse recado não é lisboeta. Trata-se da adaptação de uma frase, que se tornou bastante mediática ao aparecer em diversos pontos da cidade de São Paulo. Ali lia-se: "O amor é importante, porra!" Qualquer semelhança não será pura coincidência...
Re: ...e se deixarmos de ser palhaços
Re: ...e se deixarmos de ser palhaços
Re: ...e se deixarmos de ser palhaços
Re: ...e se deixarmos de ser palhaços
Re: ...e se deixarmos de ser palhaços
Re: ...e se deixarmos de ser palhaços
Re: ...e se deixarmos de ser palhaços
Comentários 9 Comentar

Últimas

Ver mais

Edição Diária 17.Abr.2014

Leia no seu telemóvel, tablet e computador
PUBLICIDADE

Pub