10
Anterior
Nouvelle Cuisine: Aprenda a decorar um prato
Seguinte
Quer um homem de sucesso? Olhe para os dedos
Página Inicial   >  Blogues  >  Blogues Life & Style  >  A vida de saltos altos  >  Um papão chamado impotência

Um papão chamado impotência

"Encosta-te a mim", disse ele num desabafo. Que a impotência e a raiva estão interligadas, todos sabemos. Mas que o amor é o grande elo entre as duas, eu só descobri agora.
|

Sei que costumo escrever semanalmente aquilo que muitos me dizem ser posts "picantes" ou "bem-dispostos" (gosto particularmente desta segunda descrição). Mas hoje, desenganem-se aqueles que olharam para o título e acharam que iria fazer outra dissertação irónica, com larachas de caráter duvidoso pelo meio.

Hoje sou impotente. E quando digo isto não falo do que se passa à noite debaixo dos lençóis lá de casa. Falo sobre aquela sensação que acredito que todos os que estão a ler isto algum dia sentiram: Queria poder repartir a dor de alguém e simplesmente não o posso fazer. Porque a vida é assim. Porque mesmo que eu quisesse galgar o mundo, esvaziar a conta bancária ou bater em alguém para mudar isso, não seria possível. E eu, que odeio conformismos, desta vez tenho de me conformar.

Na realidade, quantos de nós já quisemos ficar doentes para poupar alguém que amamos de o estar? Quantos já quisemos ser nós a ser despedidos, para minimizar a deceção de alguém que vê deitados por terra os anos de entrega a uma carreira? Quantos já quisemos ter uma poção mágica para curar um coração alheio partido? Quantos quisemos ter sido heróis para impedir uma morte? Quantos de nós já chorámos de raiva por uma dor que, na realidade, não é nossa?

"Encosta-te a mim"


Há alguém (entre muitos outros alguéns) que hoje está sem fazer a mínima ideia de como será o dia de amanhã. Não que algum de nós o saiba, mas quando se está entre hospitais e diagnósticos que ditam um futuro que nunca mais poderá ser igual, acredito que a sensação de indefinição seja aterradora. Alguém que na grandeza da sua coragem é capaz de dizer: "Não te preocupes. Só preciso que, assim que seja possível, te encostes a mim".

É nesses momentos que (re)descobrimos a profundidade dessa coisa tão complexa chamada coração, cujo alcance vai muito além do cliché do romance. E hoje, definitivamente sei que essa raiva que tantas vezes digo abominar, mas simplesmente não consigo deixar de sentir, é claramente uma forma de amor. Tão simples como isso: amor.


A Vida de Saltos Altos no Facebook

A Vida de Saltos Altos também está presente no Facebook. Na página desta popular rede social qualquer um pode ser amigo deste blogue. Clique para visitar.



A Vida de Saltos Altos no Twitter

A Vida de Saltos Altos é presença assídua no Twitter, onde estão todos os posts deste blogue. Junte-se às pessoas que aí nos seguem. Clique para visitar.




Opinião


Multimédia

Temos 16 imagens que não explicam o mundo, mas que ajudam a compreendê-lo

O júri do World Press Photo queria dar o prémio maior da edição deste ano (e talvez das edição todas) a uma fotografia com "potencial para se tornar icónica". A primeira imagem desta fotogaleria, por ser "esteticamente poderosa" e "revelar humanidade", é o que o júri procurava. A fotografia de um casal homossexual russo, a grande vencedora, é a primeira de 16 imagens de uma seleção onde há Messi desolado, migrantes em condições indignas no Mediterrâneo, a aflição do ébola, mistérios afins e etc - são os contrastes do mundo.

Os assassínios, as execuções, as decapitações são as imagens mais chocantes de uma propaganda cada vez mais sofisticada. É a Jihad, que recruta guerrilheiros no ocidente para matar e morrer na Síria. O Expresso seguiu as pisadas de cinco jiadistas portugueses, mostrando quem são e como foram convertidos e radicalizados. E como lutam, como foram morrer - e como já haverá arrependidos com medo de fugir. Reportagem em Londres, no café onde viam jogos de futebol, na universidade onde estudavam e na mesquita onde rezavam. Autoridades e especialistas em terrorismo estão alerta sobre este pequeno mas perigoso grupo, onde corre sangue português - e de onde escorre sangue por Alá.

Hoje é dia de cozido serrano... light

O Talasnal é talvez a mais famosa das aldeias de Xisto da Lousã, cheia de carisma e de pormenores que fazem esquecer o tempo a passar. Veja, confecione, desfrute e impressione com esta receita.

Vamos falar de sexo. Seis portugueses revelam tudo o que lhes dá prazer na cama

Neste primeiro episódio de uma série que vai durar sete semanas, seis entrevistados falam abertamente sobre aquilo que lhes dá mais satisfação na intimidade. Sexo em grupo, sexo na gravidez, prazer sem orgasmo e melhor sexo após a menopausa são alguns dos temas referidos nos testemunhos desta semana. O psiquiatra Francisco Allen Gomes explica ainda a razão de muitas mulheres fingirem o orgasmo. O Expresso e a SIC falaram com 33 portugueses que deram a cara e o testemunho de como são na cama. Ao longo das próximas sete semanas, contamos-lhe tudo.

Elvis. Gostamos ou não gostamos?

Ele não é consensual, mas é incontornável. Dispunha de penteado majestoso e patilha marota, aparentava olhar matador e pose atrevida. E deixou canções: umas fáceis e outras nem tanto, por vezes previsíveis e às vezes inesperadas, ora gentis ora aceleradas. E ele, Elvis, nasceu em janeiro de 1934 - há precisamente 40 anos, ao oitavo dia. Temos quatro textos sobre o artista: Nicolau Santos, Rui Gustavo, Nicolau Pais e João Cândido da Silva explicam o que apreciam, o que toleram e o que não suportam.

A última viagem do navio indesejado

Construído nos Estaleiros de Viana e pensado para fazer a ligação entre ilhas nos Açores, o Atlântida foi recusado pelo Governo Regional por alegadamente não atingir a velocidade pretendida. Contando com os custos associados à dissolução do contrato, o prejuízo ascendeu a 70 milhões de euros. Foi agora comprado a "preço de saldo", para mudar de nome e ser reconvertido num cruzeiro na Amazónia. Fizemos a última viagem do Atlântida e vamos mostrar-lhe os segredos do navio.

Desfile de vedetas

Saiba tudo sobre os modelos concorrentes ao Carro do Ano 2015/Troféu Essilor Volante de Cristal. Conheça o essencial sobre os 20 automóveis participantes nesta iniciativa, da estética, às características técnicas, do preço ao consumo. A apresentação ficará completa no dia 3 de janeiro.

Tudo o que precisa de saber sobre o ébola. Em dois minutos

Porque é que este está a ser o pior surto da história? Como é que os primeiros sintomas se confundem com os de outras doenças? É possível viajar depois de ter contraído o vírus, sem transmitir a doença? E estamos ou não perto de ter uma vacina? O Expresso procurou as respostas a estas e outras dúvidas sobre o ébola.

Desacelerámos a realidade para observar a euforia da liberdade

Ela, Jacarandá, é algarvia. Ele, Katmandu, é espanhol. São linces e agora experimentam a responsabilidade da liberdade: foram soltos esta terça-feira numa herdade alentejana, próxima de Mértola, eles que saíram de centros de reprodução em cativeiro. Foi inédito: nunca tinha acontecido algo assim em Portugal. Estivemos lá e ensaiámos o slow motion.

Desaparecidos para sempre no Mar do Norte

O dia 15 de novembro já foi feriado, há 90 anos. A razão foi o desaparecimento de Sacadura Cabral algures no Mar do Norte. Depois de fazer mais de oito mil quilómetros de Lisboa ao Rio de Janeiro, o aviador pioneiro não conseguiu completar o voo entre a cidade holandesa de Amesterdão e a capital portuguesa. Ainda hoje, não se sabe o que aconteceu ao companheiro de Gago Coutinho e tio-avô de Paulo Portas, a quem o Expresso pediu um sms.

Os muros do mundo

Novembro relembrou-nos os muros que caem, mas também os que permanecem e os que se expandem. Berlim aproximou-se de si própria há 25 anos, mas há muros que continuam a desaproximar. Esta é a história de sete deles - diferentes, imprevisíveis, estranhos.

O papa-medalhas que veio do espaço

O atleta português mais medalhado de sempre, Francisco Vicente, regressou dos campeonatos europeus de veteranos, na Turquia, com novas lembranças ao pescoço. Três de ouro e duas de prata para juntar à coleção. Tem 81 medalhas, uma por cada ano de vida.

Terror religioso está a aumentar

Relatório sobre a Liberdade Religiosa é divulgado esta terça-feira em todo o mundo. Dos 196 países analisados, só em 80 não há indícios de perseguições motivadas pela fé.

Vai pagar mais ou menos IRS? Veja as simulações

Reforma do imposto protege quem tem dependentes a cargo, mas pode penalizar os restantes contribuintes. Função pública e pensionistas vão ter mais dinheiro disponível. Veja simulações para vários casos.


Comentários 10 Comentar
ordenar por:
mais votados
Impotente, eu? Tá bem. Mas a causa é exógena...
De início deu-me vontade de lhe” bater” (na rua para não ser considerado violência doméstica). Até você, já não bastavam os conflitos existenciais de algumas e a Medina Carreira da “paparoca” que nos enche de gráficos e equações alimentares.

Bolas, até você… mas depois pensei melhor e talvez seja de ignorar os problemas do “pirilau” e passar ao real-que-interessa.

Encontramo-nos numa situação de impotência popular e generalizada (tipo “chavão” revolucionário), cuja resolução se encontra em nós próprios. Necessitamos de ajuda para o tratamento “psicológico/físico”, mas de nós depende o sucesso da cura. Para justificar a disfunção eréctil, a culpa nunca é do próprio: “é aquele pinga-pinga da torneira”; o “pum” que ela deu; o jantar “pesado”; a mãe está doente; etc. – Nunca assumimos que o problema está em nós.

Tenho alguns ódios de “estimação”, até neste jornal; são os que me explicam que a culpa de tudo é “exógena”. Os “mercados” ; o grande capital; a Merkel; o BCE; o cinismo da Alemanha; a Oposição; a ganância dos Bancos; do árbitro; e por aí fora.

Os contratos fraudulentos; os “boys” incompetentes e/ou corruptos; as decisões megalómanas; as benesses imorais; a não-justiça; e mais não digo. Mas isto e muito mais originou a maior dívida da história – Desculpável porque outros também devem – É exclusivamente culpa dos outros.

Apetece-me dar um tiro a cada responsável, mas não tenho coragem, nem munições, nem arma sequer. Sou impotente. Exógeno, obviamente.
Re: Impotente, eu? Tá bem. Mas a causa é exógena..
Re: Impotente, eu? Tá bem. Mas a causa é exógena..
Re: Impotente, eu? Tá bem. Mas a causa é exógena..
PCP
Minha cara mais do que nunca a mulher terá de ter uma maior compreensão nestes actuais dias, pois ao que vamos estar sujeitos em passar fome nem nisso vamos pensar.
Mas lanço um desafio, dêem cabo de Sócrates e do seu desgoverno pois eles são os culpados.
Há comentários...
que só vêm política pela frente mesmo em artigos de opinião completamente distantes disso. Chega a ser impressionante tal compulsão para a vulgar conversa de café.
A frigidez é muito mais vulgar do que a impotência
A frigidez feminina é muito mais vulgar do que a impotência masculina,só que é muito fácil de disfarçar.
A impotência masculina,segundo o que dizem "os antigos de experiência feita", provém sobretudo da incapacidade ou falta de atrativo e jeito feminino para despertar o sexo oposto.
Desculpas e justificações tolas pseudo científicas é o que há mais hoje.
Re: A frigidez é muito mais vulgar do que a impotê
Re: A frigidez é muito mais vulgar do que a impotê
Insensatez...
Pensei que fosse somente eu a amar na solidão! Concordo piamente: “E hoje, definitivamente sei que essa raiva que tantas vezes digo abominar, mas simplesmente não consigo deixar de sentir, é claramente uma forma de amor. Tão simples como isso: amor.”
http://www.youtube.com/wa...
Comentários 10 Comentar

Últimas

Receba a nova Newsletter
Ver Exemplo

Edição Diária 17.Abr.2014

Leia no seu telemóvel, tablet e computador
PUBLICIDADE

Pub