23 de abril de 2014 às 15:41
Página Inicial  ⁄  Sociedade  ⁄  Um milhar de manifestantes exigem Metro do Mondego

Um milhar de manifestantes exigem Metro do Mondego

Vindos de Coimbra, Lousã, Góis e Miranda do Corvo, manifestantes reivindicam conclusão do Metro adiado após investimento de cerca de 150 milhões de euros.

Isabel Paulo
Imagem do projeto disponível no site do Metro do Mondego DR Imagem do projeto disponível no site do Metro do Mondego

Prometido há quase 20 anos, o adiado Metro do Mondego mobiliza, hoje, junto à residência oficial de Pedro Passos Coelho, cerca de um milhar de pessoas vindas de Coimbra, Lousã, Miranda de Corvo e Góis.

O transporte dos manifestantes será assegurado pelas câmaras locais, que, tal como o Movimento Cívico da Lousã e Miranda do Corvo, reivindicam o reinício das obras de construção do Metro e o compromisso do Governo que o projeto será candidatável aos fundos do próximo Quadro Comunitário de Apoio 2014-2020.

Segundo Jaime Ramos, líder deste movimento, a chegada a Lisboa está prevista para as 10h, tendo já recebido a garantia que os responsáveis pelo protesto serão recebidos pelo chefe de gabinete do primeiro-ministro, que "justificou a ausência com outro compromisso".

Interrompidas há mais de dois anos,  após o Governo de José Sócrates ter desativado em 2010 a linha do Ramal da Lousã, as obras do Metro que esventraram Coimbra "já absorveram um investimento  de quase 150 milhões de euros", refere Pedro Coimbra.


Causa une partidos 


O líder do PS Coimbra, que mesmo não estando presente apoia os protestos em Lisboa, sustenta que esta é uma causa transversal suprapartidária na região, afirmando que "só por falta de vontade política" não se resolve.

Tal como Jaime Ramos e Pedro Coimbra, também Paulo Leitão está solidário com os manifestantes pela  retoma do projeto do Metro, que "trará enormes benefícios para a região, com um mínimo de custos para o país".

De acordo com Jaime Ramos, a comparticipação europeia pode chegar aos 95%, recordando que Passos Coelho e todos os partidos com assento na Assembleia da República já se comprometeram publicamente a concluir o projeto.

"Não se trata de uma obra nova, são milhões de euros que irão para o lixo se o metro do Montego não tiver prioridade a financiamento europeu", diz Jaime Ramos, que lembrando que um milhão de passageiros foram afetados com o corte da linha da Lousã.

"Uma questão de ética e confiança"


João Paulo, da JSD de Coimbra, estrutura que estará representada, em Lisboa, por alguns dos seus membros, frisa que a região de Coimbra não pode ser de novo prejudicada pelo poder central, depois de Passos Coelho ter prometido à população que o Metro seria candidato a financiamento europeu.

"É uma questão de ética e de confiança entre eleitores e eleitos", acrescenta o líder da JSD.     

Comentários 17 Comentar
ordenar por:
mais votados ▼
Meus senhores voltem para casa! Esses marajás!!

Parece-me que estão a defender sinecuras...

Em 2012, o ministério liderado por António Mendonça dizia:

"não faz sentido, no quadro atual, manter a Metro do Mondego, SA". Segundo os cálculos efetuados, o Metro do Mondego tal como está planeado apresentará um défice anual de 38 milhões de euros. Para demonstrar a sua posição, o ministério refere que o ramal da Lousã, em 2009, transportou apenas 1,1 milhões de passageiros, quando deveria transportar 16 milhões de passageiros para ser sustentável.

Meus senhores, voltem para casa e acabem de vez com essa sinecura.

O que é o Metro do Mondego?

Uma empresa constituída, em 1996 e até 2011, o único trabalho que realizou foi desmantelar a linha ferroviária que existia. Os prejuízos não param de aumentarem, assim como os seus 7 administradores, para gerirem 5 funcionários !. Em 2010, mais de 60% do orçamento desta empresa pública foi para pagar aos administradores (ordenados, mordomias, automóveis topo de gama, etc, etc). Uma das razões desta aberrante organização, está no facto das câmaras municipais locais ter exigido ao governo o direito de nomearem os seus marajás. Todos pretendiam participar no roubo do erário público.

Pois é ... Agora ... Querem voltar!!!
ponto Ver comentário
Obrigado... Ver comentário
Nenhum metro é rentável, nem o de Lisboa e Porto Ver comentário
Corrupção no metro Mondego:Machado sabe disso!
Machado, o ex autarca do PS e agora de novo no poleiro da Câmara de Copimbra.
Mas cuidado com ele,já está rico,lá para os lados de Sever do Vouga,mas quer sacar mais algum!
Metro
Falem com o Sócrates ou com o Seguro. Forem os socialistas que em 2007 destruiram a linha existente, abandonando posteriormente as obras!
Ainda existe 1 milhar de coimbricenses burros?...
Portugal " esta de tanga ", por causa das megalomanias de alguns e das " des-administrações de certos mamões ".
Esta gente tera algo em estado de funcionamento dentro das cabeças?!?
Qualquer " Metro " mundial é uma atual ruina economica.
As principais cidades europeias optaram pelo transporte publico mais agradavel e menos dispendioso: o electrico ( tramway ).
Enfim, desde ha muito que Coimbra é a universidade da burrice portuguêsa!...
TramwayXMetro Ver comentário
Burrice por burrice... Ver comentário
Actualize-se! Ver comentário
... Ver comentário
Exclarecimentos aos interlocutores: Ver comentário
. Ver comentário
Antes de falar.... Ver comentário
Co-Tribuno " LLOPES25 ", Ver comentário
promessas de autárquicas
Lá se vai torrar o dinheiro todo do QREN....
Manifes para quê?
Ninguém chega a lado nenhum num país onde os governantes fazem o que querem e enchem a boca com a palavra //democracia// para enganar o povo lorpa que ignora completamente que para que exista uma sombra de democracia o povo tem que ser soberano, poder controlar os políticos e estes prestarem-lhe conta.
É esta a fonte de todos os problemas nacionais sem excepção. Se não querem democracia, calem as choradeiras e as reclamações e aguentem-se com o que escolhem.
PUBLICIDADE
Expresso nas Redes
Pub