Anterior
Rendeiro junta-se a Fezas Vital e Guichard como arguido
Seguinte
Administração do BPP reconhece pré-insolvência
Página Inicial   >  Dossiês  >  Dossies Economia  >  Caso BPP  >   Ulrich acusa Governo de transformar BPP num problema sistémico

Ulrich acusa Governo de transformar BPP num problema sistémico

O presidente do BPI, Fernando Ulrich, considera que o decreto-lei que interpreta a lei do sistema de protecção dos investidores passa os riscos do BPP - uma "ovelha negra" do sector - para a restante banca, transformando este caso num problema sistémico.
|
Ulrich diz que a banca nunca teve qualquer informação efectiva sobre a situação do BPP
Ulrich diz que a banca nunca teve qualquer informação efectiva sobre a situação do BPP / Tiago Miranda

O novo decreto-lei que foi criado para interpretar a lei que enquadra o sistema de protecção dos investidores "acrescentou novas regras - que não existiam na lei -, alterando as regras do jogo", o que "transformou o caso do BPP num problema sistémico", considera o presidente da Comissão Executiva do BPI.

Fernando Ulrich, à margem da apresentação dos resultados do BPI relativos ao primeiro semestre de 2009, diz que o novo decreto-lei "acrescentou normas que não existiam e que não permitiam ir pelo caminho que se está a seguir".

"Lamento que este decreto-lei tenha sido publicado, porque esta não é uma maneira de se trabalhar", refere Ulrich, apelando a que o Governo e o primeiro-ministro, José Socrates, "pensem no assunto com cabeça fria".

Para o presidente do BPI, a banca não teve qualquer informação sobre a situação efectiva do BPP, o sector financeiro nunca teve qualquer indicação da parte das autoridades competentes sobre as operações em que o banco entrou e os seus problemas não poderiam constituir riscos sistémicos. "Mas o novo decreto-lei transforma o caso do BPP num problema sistémico e configura uma situação em que os restantes bancos que lhe são concorrentes terão de pagar parte dos prejuízos do BPP, o que não se pode aceitar", diz Ulrich.

"O caminho que se está a seguir não contribui para criar a confiança necessária ao funcionamento do sistema financeiro", considera Ulrich. "E estas regras criam o precedente da banca ter de pagar os erros cometidos por uma ovelha negra", diz.

O BPI está a avaliar juridicamente o novo decreto-lei e tomará posteriormente uma posição mais fundamentada sobre o assunto.


Opinião


Multimédia

Voámos num F-16

Um piloto da Força Aérea voou com uma câmara GoPro do Expresso e temos imagens inéditas e exclusivas para lhe mostrar num trabalho multimédia.

Salada de salmão com sorvete de manga

Especialista em pratos de confeção acessível, com ingredientes ao alcance de qualquer pessoa, Tiger escolheu a gastronomia como forma de estar na vida. Veja, confecione, desfrute e impressione.

Por faróis nunca dantes navegados

São a salvaguarda dos navegantes, a luz que tranquiliza o mar. Há 48 faróis em Portugal continental e nas ilhas. Este é um acontecimento único: todos os faróis e 1830 km de costa disponíveis num mesmo trabalho. Para entendê-los e vê-los, basta navegar neste artigo.

Parecem casulos onde gente hiberna à espera de ver terra

No Porto de Manaus não há barcos, mas autocarros bíblicos que caminham sobre água. Têm vários andares e estão cheios de camas de rede que parecem casulos onde homens, mulheres e crianças aguardam o destino. E há gente a vender o que houver e tiver de ser junto ao Porto. "Como há Copa, tem por aí muito gringo que vem ter com 'nóis'. E então fica mais fácil vender"

O adeus de Lobo Antunes às aulas de medicina

O neurocirurgião deu terça-feira a sua "Última Lição" no auditório do Instituto de Medicina Molecular da Faculdade de Medicina da Universidade de Lisboa, na véspera de deixar o seu trabalho no serviço nacional de saúde.

Jaguar volta a fabricar desportivo dos anos 60

Até ao verão será fabricado um número limitado de desportivos Jaguar E-Type Lightweight, seguindo todas as especificações originais, incluindo a continuação do número de série das unidades produzidas em 1963.

"Naquela altura estavam continuamente a acontecer primeiras coisas"

Mais do que uma manifestação, o 'primeiro' 1º de Maio é recordado como a grande festa da Revolução dos Cravos, quando o povo saiu às ruas em massa e a união das esquerdas era um sonho possível. "O 1º de Maio seria mais uma primeira coisa, porque naquela altura estavam continuamente a acontecer primeiras coisas." Foi há 40 anos.

Este trabalho não foi visado por qualquer comissão de censura

Aquilo que hoje é uma expressão anacrónica estava em relevo na primeira página do "República", a 25 de Abril de 1974: "Este jornal não foi visado por qualquer comissão de censura". Quarenta anos depois da Revolução, veja os jornais, ouça os sons e compreenda como decorreu o "dia inicial inteiro e limpo", como lhe chamou Sophia. O Expresso falou ainda com cinco gerações de 40 anos e percorreu a "geografia" das Ruas 25 de Abril de todo o país, falando com quem lá mora. Veja a reportagem multimédia.


Comentários 2 Comentar
ordenar por:
mais votados
Uns verdadeiros cata-vento
Recuaram no TGV, no aeroporto*, na avaliação dos professores, etc., etc., etc..

O peso do estado na economia volta a estar perto dos 50%, o rendimento nacional é negativo, as previsões da OCDE para 2011 - 2017 colocam Portugal com um crescimento de 1,5% contra 2,3% da média da UE, etc., etc.,

Senhores governantes, ide SFF apanhar no olho do cu.

* O que sucedeu com o "novo" aeroporto, é não só vergonhoso como digno do Burkina Fasso.

Ainda os Bancos.....
Os Bancos como outras empresas, se não tiverem condições não devem estar no mercado, desde que se acautelem os depósitos dos clientes "normais", fecham, assim como tem acontecido a centenas de empresas por este país fora. É dificil perceber a lógica da intervenção do governo, ao dizer que se não interviesse era mau para o sistema bancário, o que será péssimo é "pagar o justo pelo pecador".Até seria melhor "limpar o sistema" de uma vez por todas destes "toxicos"para quê mantê-los?
Comentários 2 Comentar

Últimas

Ver mais

Edição Diária 17.Abr.2014

Leia no seu telemóvel, tablet e computador
PUBLICIDADE

Pub