0
Anterior
Moção de censura: Passos anuncia abstenção do PSD
Seguinte
Cavaco Silva recebeu ministro das Finanças
Página Inicial   >  Atualidade / Arquivo   >   Três mulheres contra Berlusconi

Três mulheres contra Berlusconi

Carmen D'Elia, Giulia Turri e Orsola De Cristofaro são as magistradas que vão presidir ao julgamento do primeiro-ministro italiano, Silvio Berlusconi.
Agências |

Carmen D'Elia, Giulia Turri e Orsola De Cristofaro compõem o coletivo de juízas que vai julgar o primeiro-ministro italiano, Silvio Berlusconi, pelos crimes de abuso de poder, relações sexuais com a então menor marroquina Ruby R., e incitação à prostituição. O julgamento começa a 6 de abril, às 9h30 hora local (8h30 em Lisboa), no Tribunal de Milão.

"O fato de três juízas julgarem o primeiro-ministro por prostituição de menores é a justiça divina"", afirma a revista católica "Famiglia Cristiana".

Davide Caforio/EPA Cristina Di Censo, a juíza que mandou Berlusconi para o banco-dos-réus

A essas três mulheres, acrescente-se Cristina Di Censo, a juíza para investigações preliminares do Tribunal de Milão, que acolheu o pedido da Procuradoria para o julgamento imediato do primeiro-ministro italiano. Di Censo considerou haver fortes indícios de que Berlusconi pagou a uma menor para ter sexo com ela, e abusou do cargo, no escândalo agora conhecido como 'Rubygate'. 

Escândalo atrás de escândalo


Duas das três magistradas que julgarão Berlusconi estiveram envolvidas noutros processos relacionados com o primeiro-ministro italiano: Giulia Turri e Carmem D'Elia.

A presidente do tribunal que abrirá o processo a 6 de abril, Giulia Turri, foi a juíza de instrução do processo "Valletopoli", no qual foi condenado - a três anos e oito meses por extorsão e tentativa de extorsão-, o conhecido paparazzi Fabrizio Corona, ex-sócio e amigo de Lele Mora, um dos acusados por proxenitismo no caso Ruby.

Giulia Turri também enviou a julgamento, em novembro de 2008, o advogado de Berlusconi, Massimo Maria Berruti, no âmbito do processo Mediaset contra o magnata italiano, mas que acabou por ser absolvido.

Salvatore Mancuso/EPA Carmen D'Elia, uma das três juízas que vão julgar Belusconi

Carmen D'Elia fez parte, em 2003, do tribunal da I Secção Penal de Milão que condenou outro advogado de Berlusconi, Cesar Previti, a cinco anos de prisão, por corrupção, no complexo caso SME, do qual o primeiro-ministro italiano "escapou" por prescrição do crime. O Supremo acabou por anular o julgamento, por entender que não era da competência do tribunal de Milão, visto que os fatos haviam acontecido em Roma.

Recentemente, D'Elia integrou o coletivo de juízes no julgamento da clínica Santa Rita, conhecida como a "clínica dos horrores" - onde 83 pacientes foram submetidos a cirurgias por alegados problemas de saúde, dos quais não eram portadores, somente para benefício dos cirurgiões-, cujos responsáveis foram condenados.

Das três juízas que irão julgar Berlusconi, a menos conhecida é Orsola De Cristofaro, que já foi fiscal e juíza de instrução.

"Justiça divina"


Para a revista "Famiglia Cristiana", da Sociedade de São Paulo, a notícia não é que Berlusconi vai ser julgado por suposta incitação à prostituição - "isso já era dado como certo"-, mas sim que três mulheres é que o vão julgar a partir do próximo dia 6 de abril. "A sentença estará na mão de três mulheres e vem imediatamente à mente a Némesis (justiça divina). Tu, Berlusconi, tens servido-te das mulheres da pior maneira, e as mulheres agora farão justiça". 

Entretanto, a oposição pede a demissão de Berlusconi. O vice-presidente do Partido Democrático (PD) na Câmara dos Deputados, Alessandro Maran, afirma que Berlusconi deve resignar, e pede-lhe que "livre a Itália do ridículo face ao mundo".

"Il Cavalieri" está em maus-lençóis. O caso Mills, processo no qual o primeiro-ministro italiano é acusado de corrupção em ato judicial, reabrirá no dia 11 de março. O mesmo acontecerá com o julgamento do processo Mediaset, no qual Berlusconi é acusado por suposta fraude fiscal, que será retomado a 28 do mês em curso.




Opinião


Multimédia

Portugal foi herdado, comprado ou conquistado?

Era agosto em Lisboa e, às portas de Alcântara, milhares de homens lutavam por dois reis, participando numa batalha decisiva para os espanhóis e ainda hoje maldita. Aconteceu em agosto de 1580. Mais de 400 anos depois, o Expresso deu-lhe vida, fazendo uma reconstituição do confronto através do recorte e animação digital de uma gravura anónima da época.

A paixão do vinil

Se para muitos o vinil é apenas uma moda que faz parte da cultura do revivalismo vintage, para outros ver o disco girar nunca deixou de ser algo habitual.

Com Deus na alma e o diabo no corpo

Quem os vê de fora pode pensar que estão possuídos. Eles preferem sublinhar o lado espiritual e terapêutico desta dança - chamam-lhe "krump" e nasceu nos bairros pobres dos Estados Unidos. De Los Angeles para Chelas, em Lisboa, já ajudou a tirar jovens do crime. Ligue o som bem alto e entre com o Expresso no bairro. E faça o teste: veja se consegue ficar quieto.

O Cabo da Roca depois da tragédia que matou casal polaco

Os turistas portugueses e estrangeiros que visitam o Cabo da Roca, em Sintra, continuam a desafiar a vida nas falésias, mesmo depois da tragédia que resultou na morte de um casal polaco, cujos filhos menores estavam também no local. Durante a visita do Expresso, um segurança tentou alertar os turistas para o perigo e refere a morte do casal polaco. O apelo não teve grande efeito. Veja as imagens.

Ó Capitão! meu Capitão! ergue-te e ouve os sinos

Ele foi a nossa ama... desajeitada. Ele foi o professor que nos inspirou no liceu. Ele trouxe alegria, mesmo nas alturas mais difíceis. Ele indicou-nos o caminho na faculdade. Ele ensinou-nos a manter a postura, mas também a quebrar preconceitos. Ele ensinou-nos que a vida é para ser aproveitada a cada instante. Ó capitão, meu capitão, crescemos contigo e vamos ter de envelhecer sem ti. 

Crumble. A sobremesa mais fácil do mundo

Tiger escolheu a gastronomia como forma de estar na vida, especialista em pratos de confeção acessível, com ingredientes ao alcance de qualquer pessoa. Veja, confecione, desfrute e impressione.

Voámos num F-16

Um piloto da Força Aérea voou com uma câmara GoPro do Expresso e temos imagens inéditas e exclusivas para lhe mostrar num trabalho multimédia.

Salada de salmão com sorvete de manga

Especialista em pratos de confeção acessível, com ingredientes ao alcance de qualquer pessoa, Tiger escolheu a gastronomia como forma de estar na vida. Veja, confecione, desfrute e impressione.

Por faróis nunca dantes navegados

São a salvaguarda dos navegantes, a luz que tranquiliza o mar. Há 48 faróis em Portugal continental e nas ilhas. Este é um acontecimento único: todos os faróis e 1830 km de costa disponíveis num mesmo trabalho. Para entendê-los e vê-los, basta navegar neste artigo.

Parecem casulos onde gente hiberna à espera de ver terra

No Porto de Manaus não há barcos, mas autocarros bíblicos que caminham sobre água. Têm vários andares e estão cheios de camas de rede que parecem casulos onde homens, mulheres e crianças aguardam o destino. E há gente a vender o que houver e tiver de ser junto ao Porto. "Como há Copa, tem por aí muito gringo que vem ter com 'nóis'. E então fica mais fácil vender"

O adeus de Lobo Antunes às aulas de medicina

O neurocirurgião deu terça-feira a sua "Última Lição" no auditório do Instituto de Medicina Molecular da Faculdade de Medicina da Universidade de Lisboa, na véspera de deixar o seu trabalho no serviço nacional de saúde.

Jaguar volta a fabricar desportivo dos anos 60

Até ao verão será fabricado um número limitado de desportivos Jaguar E-Type Lightweight, seguindo todas as especificações originais, incluindo a continuação do número de série das unidades produzidas em 1963.

"Naquela altura estavam continuamente a acontecer primeiras coisas"

Mais do que uma manifestação, o 'primeiro' 1º de Maio é recordado como a grande festa da Revolução dos Cravos, quando o povo saiu às ruas em massa e a união das esquerdas era um sonho possível. "O 1º de Maio seria mais uma primeira coisa, porque naquela altura estavam continuamente a acontecer primeiras coisas." Foi há 40 anos.

Este trabalho não foi visado por qualquer comissão de censura

Aquilo que hoje é uma expressão anacrónica estava em relevo na primeira página do "República", a 25 de Abril de 1974: "Este jornal não foi visado por qualquer comissão de censura". Quarenta anos depois da Revolução, veja os jornais, ouça os sons e compreenda como decorreu o "dia inicial inteiro e limpo", como lhe chamou Sophia. O Expresso falou ainda com cinco gerações de 40 anos e percorreu a "geografia" das Ruas 25 de Abril de todo o país, falando com quem lá mora. Veja a reportagem multimédia.


Comentários 0 Comentar

Últimas


Edição Diária 17.Abr.2014

Leia no seu telemóvel, tablet e computador
PUBLICIDADE

Pub