Anterior
UEFA instaura processos a Portugal e Alemanha
Seguinte
O nome dele é Luka. E vive num andar bem acima.
Página Inicial   >  Dossiês  >  Dossies Desporto  >  Euro 2012  >   Toureiros espanhóis não conseguem pegar a besta negra

Toureiros espanhóis não conseguem pegar a besta negra

Espanha quer contrariar história e ser a primeira seleção a ganhar três títulos seguidos mas há uma história que não muda - o passado com a Itália. Em 90', não ganharam nenhum dos sete jogos; agora ficou 1-1.
|
Pirlo fez um passe mortífero para o golo de Di Natale
Pirlo fez um passe mortífero para o golo de Di Natale / EPA

Bom. Nota 14 ou 15. O Espanha-Itália foi o melhor jogo do Europeu até agora mas os campeões europeus e mundiais não passaram no teste da estreia contra uma Itália que esteve tão bem a defender como a sair nas transições ofensivas. Di Natale, acabado de entrar, inaugurou o marcador (60'); Fábregas, adaptado a falso ponta-de-lança, empatou após passe de David Silva... que ia sair (64'). E foi do banco também que saiu o jogador que podia ter mudado a história do jogo: Fernando Torres. No entanto, El Niño foi um tornado apenas para a paciência dos espanhóis...  

O MINUTO 64', o golo da Espanha. Até aí, raras tinham sido as oportunidades da Roja para desfeitear Buffon mas houve um misto de sorte e mérito que não deixou a Itália baixar linhas após a vantagem parcial que Di Natale tinha colocado quatro minutos antes. Se os espanhóis não conseguem chegar ao empate de forma tão rápida, o Euro teria muito provavelmente assistido a mais uma surpresa...  

O MOMENTO A entrada de Fernando Torres, aos 74'. Pelas melhores razões - conseguiu logo abrir espaços na defesa transalpina, jogando sempre no limite do fora-de-jogo - e... pelos piores motivos: teve nos pés o 2-1 em duas ocasiões mas falhou de forma flagrante, fazendo lembrar o lado mais negro do avançado tão criticado ao serviço do Chelsea  

O HERÓI Como eles têm mãozinhas para a coisa, o prémio pode ser divido entre dois líderes e quatro braços - Casillas e Buffon, os capitães de equipa. Sem culpas nos golos sofridos, conseguiram ainda evitar males maiores com intervenções reveladoras de qualidade e experiência

A ESTRELA De Rossi. É dos poucos que se mantém na selecção que foi eliminada em 2008 pela Espanha - e o jogador da Roma até falhou um dos penáltis - mas mudou o posicionamento em campo: em vez de atuar à frente da defesa, assegurando também a primeira fase de construção do jogo, funcionou como um falso líbero a varrer todas as bolas perdidas (e achadas) perto da baliza de Buffon. Se Pirlo continua a ser o cérebro da equipa, De Rossi é o coração que irriga alma para todos os outros

EPA Fabregas, o "avançado" espanhol, empatou a partida
O JOKER Jordi Alba. Portugal e Espanha têm pontos em comum além da fronteira e da crise e a escassez de laterais esquerdos é um deles. No entanto, Fábio Coentrão mudou o paradigma nacional - problema é se ele não estiver apto porque, de resto, por ali estamos bem servidos. Jordi Alba, do Valencia, quer fazer de Coentrão em Espanha, ocupando o lugar que a idade e a pouca utilização tiraram a Capdevilla. Com a Itália fez por merecer essa posição

O VILÃO Balotelli. Pareceu outro jogador na conduta, menos refilão, mais sorridente, sem entrar em picardias e conflitos. Mas também pareceu outro jogador no futebol, na capacidade de decidir, mais inconsequente, menos objectivo. E foi por isso que a Itália não marcou mais cedo: isolado na cara de Casillas, demorou tanto tempo (mesmo com companheiros, o banco e a bancada a 'avisarem-no' para que se despachasse) que Sergio Ramos foi a tempo de roubar-lhe a bola. Pouco tempo depois... saiu

O SEGREDO As substituições, de um lado e de outro. A Itália precisava de pragmatismo na frente? Di Natale entra e marca. A Espanha não tinha velocidade na ala direita? Navas entra e acelera. A Itália estava carente de um criador de jogo à frente do meio-campo? Giovinco entra e pensa. A Espanha sentia a falta de uma referência no eixo do ataque? Fernando Torres entra e ameaça. Parecia outro jogo na última meia hora

O ERRO Os espanhóis sabiam que a Itália ia colocar tração atrás para evitar a marcha espanhola do meio-campo para a frente mas nem assim Vicente del Bosque abdicou da postura cautelosa e entrou... sem avançado. Fábregas andou por esses terrenos, David Silva também, mas até às substituições a parede azul foi conseguindo travar a enxurrada vermelha (à exceção do golo espanhol, claro) 

O NÚMERO 9. Muito se falou sobre as tensões entre jogadores do Barcelona e do Real Madrid, depois de dois anos com duelos intensos no campeonato, na Taça e na Liga dos Campeões. A verdade é que, gostem ou não uns dos outros, estão condenados a darem-se bem, pelo menos em campo. E até aí as tropas estão 'divididas': à excepção do central Piqué, a defesa é merengue (Casillas, Arbeloa, Sergio Ramos e Xabi Alonso) e do meio-campo para a frente brilham os blaugrana (Busquets, Xavi, Iniesta e Fábregas)

O ACONTECIMENTO A Itália nunca tinha perdido com a Espanha a não ser nos penáltis, tal como aconteceu no Euro-2008 (nos 'quartos'). E assim continua, somando três vitórias e quatro empates frente à Roja. Em terra de toureiros, os transalpinos ainda continuam a ser uma autêntica besta negra mas também têm os seus problemas: Di Natale quebrou o jejum de golos mas a squadra azzurra não ganha desde 11 de Novembro...

O AMANHÃ O resultado acaba por ser bom para os dois favoritos no grupo C. A Espanha joga agora com a Rep. Irlanda e uma vitória quase garante a passagem à fase seguinte - com a desvantagem de poder ter levantado algumas críticas após a estreia. A Itália encontra a Croácia e, desde que não perca, tem igualmente a qualificação ao alcance - com a vantagem de, por momentos, ter acalmado as críticas 

FICHA DE JOGO Estádio Arena Gdansk (Polónia). Árbitro: Viktor Kassai (Hungria). Espanha: Casillas; Arbeloa, Sergio Ramos, Piqué, Jordi Alba; Busquets, Xabi Alonso, Xavi; David Silva (Jesus Navas, 65'), Iniesta e Fábregas (Fernando Torres, 74'). Treinador: Vicente del Bosque. Itália: Buffon; Bonucci, De Rossi, Chiellini; Maggio, Marchisio, Pirlo, Thiago Motta (Nocerino, 90'), Giaccherini; Cassano (Giovinco, 65') e Balotelli (Di Natale, 56'). Treinador: Cesare Prandelli. Golos: 0-1, Di Natale (60'); 1-1, Fábregas (64'). Cartões amarelos: Balotelli (37'), Bonucci (67'), Jordi Alba (68'), Chiellini (79'), Arbeloa (84'), Fernando Torres (85') e Maggio (89')


Opinião


Multimédia

Portugal foi herdado, comprado ou conquistado?

Era agosto em Lisboa e, às portas de Alcântara, milhares de homens lutavam por dois reis, participando numa batalha decisiva para os espanhóis e ainda hoje maldita. Aconteceu em agosto de 1580. Mais de 400 anos depois, o Expresso deu-lhe vida, fazendo uma reconstituição do confronto através do recorte e animação digital de uma gravura anónima da época.

A paixão do vinil

Se para muitos o vinil é apenas uma moda que faz parte da cultura do revivalismo vintage, para outros ver o disco girar nunca deixou de ser algo habitual.

Com Deus na alma e o diabo no corpo

Quem os vê de fora pode pensar que estão possuídos. Eles preferem sublinhar o lado espiritual e terapêutico desta dança - chamam-lhe "krump" e nasceu nos bairros pobres dos Estados Unidos. De Los Angeles para Chelas, em Lisboa, já ajudou a tirar jovens do crime. Ligue o som bem alto e entre com o Expresso no bairro. E faça o teste: veja se consegue ficar quieto.

O Cabo da Roca depois da tragédia que matou casal polaco

Os turistas portugueses e estrangeiros que visitam o Cabo da Roca, em Sintra, continuam a desafiar a vida nas falésias, mesmo depois da tragédia que resultou na morte de um casal polaco, cujos filhos menores estavam também no local. Durante a visita do Expresso, um segurança tentou alertar os turistas para o perigo e refere a morte do casal polaco. O apelo não teve grande efeito. Veja as imagens.

Ó Capitão! meu Capitão! ergue-te e ouve os sinos

Ele foi a nossa ama... desajeitada. Ele foi o professor que nos inspirou no liceu. Ele trouxe alegria, mesmo nas alturas mais difíceis. Ele indicou-nos o caminho na faculdade. Ele ensinou-nos a manter a postura, mas também a quebrar preconceitos. Ele ensinou-nos que a vida é para ser aproveitada a cada instante. Ó capitão, meu capitão, crescemos contigo e vamos ter de envelhecer sem ti. 

Crumble. A sobremesa mais fácil do mundo

Tiger escolheu a gastronomia como forma de estar na vida, especialista em pratos de confeção acessível, com ingredientes ao alcance de qualquer pessoa. Veja, confecione, desfrute e impressione.

Voámos num F-16

Um piloto da Força Aérea voou com uma câmara GoPro do Expresso e temos imagens inéditas e exclusivas para lhe mostrar num trabalho multimédia.

Salada de salmão com sorvete de manga

Especialista em pratos de confeção acessível, com ingredientes ao alcance de qualquer pessoa, Tiger escolheu a gastronomia como forma de estar na vida. Veja, confecione, desfrute e impressione.

Por faróis nunca dantes navegados

São a salvaguarda dos navegantes, a luz que tranquiliza o mar. Há 48 faróis em Portugal continental e nas ilhas. Este é um acontecimento único: todos os faróis e 1830 km de costa disponíveis num mesmo trabalho. Para entendê-los e vê-los, basta navegar neste artigo.

Parecem casulos onde gente hiberna à espera de ver terra

No Porto de Manaus não há barcos, mas autocarros bíblicos que caminham sobre água. Têm vários andares e estão cheios de camas de rede que parecem casulos onde homens, mulheres e crianças aguardam o destino. E há gente a vender o que houver e tiver de ser junto ao Porto. "Como há Copa, tem por aí muito gringo que vem ter com 'nóis'. E então fica mais fácil vender"

O adeus de Lobo Antunes às aulas de medicina

O neurocirurgião deu terça-feira a sua "Última Lição" no auditório do Instituto de Medicina Molecular da Faculdade de Medicina da Universidade de Lisboa, na véspera de deixar o seu trabalho no serviço nacional de saúde.

Jaguar volta a fabricar desportivo dos anos 60

Até ao verão será fabricado um número limitado de desportivos Jaguar E-Type Lightweight, seguindo todas as especificações originais, incluindo a continuação do número de série das unidades produzidas em 1963.

"Naquela altura estavam continuamente a acontecer primeiras coisas"

Mais do que uma manifestação, o 'primeiro' 1º de Maio é recordado como a grande festa da Revolução dos Cravos, quando o povo saiu às ruas em massa e a união das esquerdas era um sonho possível. "O 1º de Maio seria mais uma primeira coisa, porque naquela altura estavam continuamente a acontecer primeiras coisas." Foi há 40 anos.

Este trabalho não foi visado por qualquer comissão de censura

Aquilo que hoje é uma expressão anacrónica estava em relevo na primeira página do "República", a 25 de Abril de 1974: "Este jornal não foi visado por qualquer comissão de censura". Quarenta anos depois da Revolução, veja os jornais, ouça os sons e compreenda como decorreu o "dia inicial inteiro e limpo", como lhe chamou Sophia. O Expresso falou ainda com cinco gerações de 40 anos e percorreu a "geografia" das Ruas 25 de Abril de todo o país, falando com quem lá mora. Veja a reportagem multimédia.


Comentários 1 Comentar
ordenar por:
mais votados
O tique y taca está-se a esgotar
A selecção italiana, usando quase sempre uma forte pressão sobre os jogadores espanhois, conseguiu contrariar o famoso "tique y taca" espanhol, ou melhor dito, "culé" (do FC Barcelona). A realidade mostra que cada vez há mais equipas capazes de contrariar o estilo de jogo de Xavi, Iniesta e companhia, mesmo quando estes jogam com (e para) Messi. Del Bosque tentou substituir Messi pela dupla Silva/Fabregas (jogando sem ponta de lança) mas a verdade é que "dois frangos não fazem um galo" apesar de terem feito um golo que evitou a derrota. Afinal o empate convêm às duas seleções teóricamente mais fortes do grupo que não deveriam ter dificuldades de maior em se classificarem para os quartos de final.
Estou de acordo em comparar Jordi Alba com Fabio Coentrão embora tenha gostado mais da exibição de Coentrão ontem que da de Alba hoje.
   
Comentários 1 Comentar

Últimas

Ver mais

Edição Diária 17.Abr.2014

Leia no seu telemóvel, tablet e computador
PUBLICIDADE

Pub