Anterior
UEFA instaura processos a Portugal e Alemanha
Seguinte
O nome dele é Luka. E vive num andar bem acima.
Página Inicial   >  Dossiês  >  Dossies Desporto  >  Euro 2012  >   Toureiros espanhóis não conseguem pegar a besta negra

Toureiros espanhóis não conseguem pegar a besta negra

Espanha quer contrariar história e ser a primeira seleção a ganhar três títulos seguidos mas há uma história que não muda - o passado com a Itália. Em 90', não ganharam nenhum dos sete jogos; agora ficou 1-1.
|
Pirlo fez um passe mortífero para o golo de Di Natale
Pirlo fez um passe mortífero para o golo de Di Natale / EPA

Bom. Nota 14 ou 15. O Espanha-Itália foi o melhor jogo do Europeu até agora mas os campeões europeus e mundiais não passaram no teste da estreia contra uma Itália que esteve tão bem a defender como a sair nas transições ofensivas. Di Natale, acabado de entrar, inaugurou o marcador (60'); Fábregas, adaptado a falso ponta-de-lança, empatou após passe de David Silva... que ia sair (64'). E foi do banco também que saiu o jogador que podia ter mudado a história do jogo: Fernando Torres. No entanto, El Niño foi um tornado apenas para a paciência dos espanhóis...  

O MINUTO 64', o golo da Espanha. Até aí, raras tinham sido as oportunidades da Roja para desfeitear Buffon mas houve um misto de sorte e mérito que não deixou a Itália baixar linhas após a vantagem parcial que Di Natale tinha colocado quatro minutos antes. Se os espanhóis não conseguem chegar ao empate de forma tão rápida, o Euro teria muito provavelmente assistido a mais uma surpresa...  

O MOMENTO A entrada de Fernando Torres, aos 74'. Pelas melhores razões - conseguiu logo abrir espaços na defesa transalpina, jogando sempre no limite do fora-de-jogo - e... pelos piores motivos: teve nos pés o 2-1 em duas ocasiões mas falhou de forma flagrante, fazendo lembrar o lado mais negro do avançado tão criticado ao serviço do Chelsea  

O HERÓI Como eles têm mãozinhas para a coisa, o prémio pode ser divido entre dois líderes e quatro braços - Casillas e Buffon, os capitães de equipa. Sem culpas nos golos sofridos, conseguiram ainda evitar males maiores com intervenções reveladoras de qualidade e experiência

A ESTRELA De Rossi. É dos poucos que se mantém na selecção que foi eliminada em 2008 pela Espanha - e o jogador da Roma até falhou um dos penáltis - mas mudou o posicionamento em campo: em vez de atuar à frente da defesa, assegurando também a primeira fase de construção do jogo, funcionou como um falso líbero a varrer todas as bolas perdidas (e achadas) perto da baliza de Buffon. Se Pirlo continua a ser o cérebro da equipa, De Rossi é o coração que irriga alma para todos os outros

EPA Fabregas, o "avançado" espanhol, empatou a partida
O JOKER Jordi Alba. Portugal e Espanha têm pontos em comum além da fronteira e da crise e a escassez de laterais esquerdos é um deles. No entanto, Fábio Coentrão mudou o paradigma nacional - problema é se ele não estiver apto porque, de resto, por ali estamos bem servidos. Jordi Alba, do Valencia, quer fazer de Coentrão em Espanha, ocupando o lugar que a idade e a pouca utilização tiraram a Capdevilla. Com a Itália fez por merecer essa posição

O VILÃO Balotelli. Pareceu outro jogador na conduta, menos refilão, mais sorridente, sem entrar em picardias e conflitos. Mas também pareceu outro jogador no futebol, na capacidade de decidir, mais inconsequente, menos objectivo. E foi por isso que a Itália não marcou mais cedo: isolado na cara de Casillas, demorou tanto tempo (mesmo com companheiros, o banco e a bancada a 'avisarem-no' para que se despachasse) que Sergio Ramos foi a tempo de roubar-lhe a bola. Pouco tempo depois... saiu

O SEGREDO As substituições, de um lado e de outro. A Itália precisava de pragmatismo na frente? Di Natale entra e marca. A Espanha não tinha velocidade na ala direita? Navas entra e acelera. A Itália estava carente de um criador de jogo à frente do meio-campo? Giovinco entra e pensa. A Espanha sentia a falta de uma referência no eixo do ataque? Fernando Torres entra e ameaça. Parecia outro jogo na última meia hora

O ERRO Os espanhóis sabiam que a Itália ia colocar tração atrás para evitar a marcha espanhola do meio-campo para a frente mas nem assim Vicente del Bosque abdicou da postura cautelosa e entrou... sem avançado. Fábregas andou por esses terrenos, David Silva também, mas até às substituições a parede azul foi conseguindo travar a enxurrada vermelha (à exceção do golo espanhol, claro) 

O NÚMERO 9. Muito se falou sobre as tensões entre jogadores do Barcelona e do Real Madrid, depois de dois anos com duelos intensos no campeonato, na Taça e na Liga dos Campeões. A verdade é que, gostem ou não uns dos outros, estão condenados a darem-se bem, pelo menos em campo. E até aí as tropas estão 'divididas': à excepção do central Piqué, a defesa é merengue (Casillas, Arbeloa, Sergio Ramos e Xabi Alonso) e do meio-campo para a frente brilham os blaugrana (Busquets, Xavi, Iniesta e Fábregas)

O ACONTECIMENTO A Itália nunca tinha perdido com a Espanha a não ser nos penáltis, tal como aconteceu no Euro-2008 (nos 'quartos'). E assim continua, somando três vitórias e quatro empates frente à Roja. Em terra de toureiros, os transalpinos ainda continuam a ser uma autêntica besta negra mas também têm os seus problemas: Di Natale quebrou o jejum de golos mas a squadra azzurra não ganha desde 11 de Novembro...

O AMANHÃ O resultado acaba por ser bom para os dois favoritos no grupo C. A Espanha joga agora com a Rep. Irlanda e uma vitória quase garante a passagem à fase seguinte - com a desvantagem de poder ter levantado algumas críticas após a estreia. A Itália encontra a Croácia e, desde que não perca, tem igualmente a qualificação ao alcance - com a vantagem de, por momentos, ter acalmado as críticas 

FICHA DE JOGO Estádio Arena Gdansk (Polónia). Árbitro: Viktor Kassai (Hungria). Espanha: Casillas; Arbeloa, Sergio Ramos, Piqué, Jordi Alba; Busquets, Xabi Alonso, Xavi; David Silva (Jesus Navas, 65'), Iniesta e Fábregas (Fernando Torres, 74'). Treinador: Vicente del Bosque. Itália: Buffon; Bonucci, De Rossi, Chiellini; Maggio, Marchisio, Pirlo, Thiago Motta (Nocerino, 90'), Giaccherini; Cassano (Giovinco, 65') e Balotelli (Di Natale, 56'). Treinador: Cesare Prandelli. Golos: 0-1, Di Natale (60'); 1-1, Fábregas (64'). Cartões amarelos: Balotelli (37'), Bonucci (67'), Jordi Alba (68'), Chiellini (79'), Arbeloa (84'), Fernando Torres (85') e Maggio (89')


Opinião


Multimédia

O papa-medalhas que veio do espaço

O atleta português mais medalhado de sempre, Francisco Vicente, regressou dos campeonatos europeus de veteranos, na Turquia, com novas lembranças ao pescoço. Três de ouro e duas de prata para juntar à coleção. Tem 81 medalhas, uma por cada ano de vida.

Tudo o que precisa de saber sobre o ébola, em dois minutos

Porque é que este está a ser o pior surto da história? Como é que os primeiros sintomas se confundem com os de outras doenças? É possível viajar depois de ter contraído o vírus, sem transmitir a doença? E estamos ou não perto de ter uma vacina? O Expresso procurou as respostas a estas e outras dúvidas sobre o ébola.

United Colors of Gnocchi

Especialista em pratos de confeção acessível, com ingredientes ao alcance de qualquer pessoa, Tiger escolheu a gastronomia como forma de estar na vida. Veja, confecione, desfrute e impressione.

Vai pagar mais ou menos IRS? Veja as simulações

Reforma do imposto protege quem tem dependentes a cargo, mas pode penalizar os restantes contribuintes. Função pública e pensionistas vão ter mais dinheiro disponível. Veja simulações para vários casos.

A última viagem do navio indesejado

Construído nos Estaleiros de Viana e pensado para fazer a ligação entre ilhas nos Açores, o Atlântida foi recusado pelo Governo Regional por alegadamente não atingir a velocidade pretendida. Contando com os custos associados à dissolução do contrato, o prejuízo ascendeu a 70 milhões de euros. Foi agora comprado a "preço de saldo", para mudar de nome e ser reconvertido num cruzeiro na Amazónia. Fizemos a última viagem do Atlântida e vamos mostrar-lhe os segredos do navio.

Strogonoff de peixe espada preto

Faz agora cinco anos que o Chefe Tiger, especialista em pratos de confeção acessível e com ingredientes ao alcance de qualquer pessoa, começou esta aventura gastronómica. Veja, confecione, desfrute e impressione.

Caril de banana

Faz agora cinco anos que o Chefe Tiger, especialista em pratos de confeção acessível e com ingredientes ao alcance de qualquer pessoa, começou esta aventura gastronómica. Veja, confecione, desfrute e impressione.

Tem três minutinhos? Vamos explicar-lhe o que muda no orçamento de 350 mil portugueses (e no de muitas empresas)

O novo salário mínimo entrou em vigor. São mais €20 brutos para cerca de 350 mil portugueses (números do Ministério da Segurança Social, porque os sindicatos falam em 500 mil trabalhadores). Mudou o valor, mas também os descontos que as empresas fazem para a Segurança Social. Porque se trata de uma medida que afeta a vida de muitos portugueses, queremos explicar o que se perde e o que se ganha, o que se altera e o que se mantém.

Cantaril com risotto de espargos

Faz agora cinco anos que o Chefe Tiger, especialista em pratos de confeção acessível e com ingredientes ao alcance de qualquer pessoa, começou esta aventura gastronómica. Veja, confecione, desfrute e impressione.

Music fighter: temos Marco Paulo e Bruno Nogueira numa batalha épica

Está preparado para um dos encontros mais improváveis na história da música portuguesa? O humorista Bruno Nogueira e a cantora Manuela Azevedo, dos Clã, pegaram em várias músicas consideradas "pimba" - daquelas que ninguém admite ouvir mas que, no fundo, todos vão dançar assim que começam a tocar - e deram-lhe novos arranjos, num projeto que chegou aos coliseus de Lisboa e do Porto.  "Ninguém, ninguém", de Marco Paulo, tem possivelmente a introdução mais acelerada e frenética do panorama musical português. Mas, no frente-a-frente, quem é o mais rápido? Vai um tira-teimas à antiga?

Dez verdades assustadoras sobre filmes de terror

Este vídeo é como o monstro de "Frankenstein": ganhou vida graças à colagem de partes de alguns dos filmes mais aterrorizantes de sempre. Com uma ratazana mutante e os organizadores do festival de cinema de terror MotelX pelo meio. O Expresso foi à procura das razões que explicam o fascínio pelo terror, com muito sangue (feito de corante alimentar) à mistura. 

A paixão do vinil

Se para muitos o vinil é apenas uma moda que faz parte da cultura do revivalismo vintage, para outros ver o disco girar nunca deixou de ser algo habitual.

Portugal foi herdado, comprado ou conquistado?

Era agosto em Lisboa e, às portas de Alcântara, milhares de homens lutavam por dois reis, participando numa batalha decisiva para os espanhóis e ainda hoje maldita. Aconteceu em agosto de 1580. Mais de 400 anos depois, o Expresso deu-lhe vida, fazendo uma reconstituição do confronto através do recorte e animação digital de uma gravura anónima da época.

O Maradona dos bancos centrais

Dizer que Mario Draghi está a ser uma espécie de Maradona dos bancos centrais pode parecer estranho. Mas não é exagerado. Os jornalistas João Silvestre e Jorge Nascimento Rodrigues explicaram porquê num conjunto de artigos publicado no Expresso em Novembro de 2013 e que venceu em junho deste ano o prémio de jornalismo económico do Santander e da Universidade Nova. O trabalho observa ainda o desempenho de Ben Bernanke no combate à crise, revisita a situação em Portugal e arrisca um ranking dos 25 principais governadores de bancos centrais. Republicamos os artigos num formato especial desenvolvido para a web.

Com Deus na alma e o diabo no corpo

Quem os vê de fora pode pensar que estão possuídos. Eles preferem sublinhar o lado espiritual e terapêutico desta dança - chamam-lhe "krump" e nasceu nos bairros pobres dos Estados Unidos. De Los Angeles para Chelas, em Lisboa, já ajudou a tirar jovens do crime. Ligue o som bem alto e entre com o Expresso no bairro. E faça o teste: veja se consegue ficar quieto.


Comentários 1 Comentar
ordenar por:
mais votados
O tique y taca está-se a esgotar
A selecção italiana, usando quase sempre uma forte pressão sobre os jogadores espanhois, conseguiu contrariar o famoso "tique y taca" espanhol, ou melhor dito, "culé" (do FC Barcelona). A realidade mostra que cada vez há mais equipas capazes de contrariar o estilo de jogo de Xavi, Iniesta e companhia, mesmo quando estes jogam com (e para) Messi. Del Bosque tentou substituir Messi pela dupla Silva/Fabregas (jogando sem ponta de lança) mas a verdade é que "dois frangos não fazem um galo" apesar de terem feito um golo que evitou a derrota. Afinal o empate convêm às duas seleções teóricamente mais fortes do grupo que não deveriam ter dificuldades de maior em se classificarem para os quartos de final.
Estou de acordo em comparar Jordi Alba com Fabio Coentrão embora tenha gostado mais da exibição de Coentrão ontem que da de Alba hoje.
   
Comentários 1 Comentar

Últimas


Edição Diária 17.Abr.2014

Leia no seu telemóvel, tablet e computador
PUBLICIDADE

Pub