Anterior
Alga tóxica interdita praias no Algarve
Seguinte
Ponte Vasco da Gama: trânsito condicionado no fim-de-semana
Página Inicial   >  Atualidade / Arquivo   >   Totobola: há 50 anos a tentar acertar no "treze"

Totobola: há 50 anos a tentar acertar no "treze"

Tentar a sorte no Totobola e apostar nos resultados do futebol é um ritual que já dura há cinco décadas. Exposição da Santa Casa da Misericórdia recorda aquele que já foi um dos jogos de apostas favoritos dos portugueses.
Lusa |
A 24 de setembro de 1961, os portugueses começaram a preencher o boletim para tentar acertar no "treze do Totobola"

Com concorrência de outros que hoje oferecem milhões de euros várias vezes por semana, um "treze no Totobola" já não é o máximo, como cantava Sérgio Godinho, mas o jogo resiste e faz 50 anos no sábado, 24.

"És um 'number one'/ dou-te vinte valores/ és um treze no Totobola" eram os elogios do cantor à pessoa amada na música "Com um brilhozinho nos olhos", na altura em que o Totobola ainda era, a seguir à Lotaria, o jogo de apostas mútuas mais popular em Portugal.

No dia 24 de setembro de 1961 começou o ritual de preencher o boletim e tentar acertar nos resultados dos jogos era mais do que ter bons palpites, era mostrar que se percebia de "bola". Como se veio a ver, não era tarefa fácil, uma vez que o primeiro totalista só surgiu em abril do ano seguinte.

O Totobola ocupou muita conversa de café e muita discussão de adeptos de futebol empenhados em adivinhar qual o desfecho dos jogos do campeonato nacional ou das competições europeias e mundiais.

O jogo perdeu expressão especialmente a partir de 2004, quando surgiu o Euromilhões

Euromilhões roubou o negócio aos clássicos jogos de apostas


A partir de 1985, o Totoloto surgiu com prémios maiores e o Totobola começou a perder influência e popularidade, uma tendência que se acentuou para ambos os jogos quando se começou a jogar o Euromilhões em 2004.

Os números dos últimos concursos espelham bem esta hierarquia: em Portugal foram entregues mais de 1,6 milhões de boletins do Euromilhões, 566 mil do Totoloto e 45 mil do Totobola.

Em 2003, a Santa Casa da Misericórdia de Lisboa, titular dos jogos sociais, ponderou acabar com o Totobola, constatando que as gerações mais jovens não tinham interesse em jogar.

Ao longo dos anos, o jogo foi mantendo a fórmula de tentar adivinhar se ganha a equipa da casa ou o visitante ("1" ou "2") ou se a partida termina em empate ("X"). No entanto, acrescentaram-se as opções do Joker (que premeia um número de bilhete) e o "Super 14", em que se procura adivinhar o resultado de um jogo do boletim.

50 anos de Totobola recordados em exposição


No sábado, a Santa Casa inaugura no seu espaço na Rua do Carmo uma exposição com material relativo à história do Totobola.

Entre as curiosidades que a exposição se propõe desvendar está o facto de a Coroa de Inglaterra ter dado uma menção honrosa ao jogo e os cartazes de publicidade pintados por artistas como a pintora Maluda.

Em exposição estarão também artigos dos bastidores do jogo, como uma carrinha da frota que recolhia os boletins ou máquinas de registo de várias épocas.

Tente adivinhar os antigos resultados dos jogos


Na Internet , a Santa Casa promove um jogo de Totobola diferente do habitual, em que o desafio não é adivinhar os resultados da jornada que ainda não se jogou, mas acertar nos resultados de partidas disputadas nas últimas cinco décadas.

Mesmo se já não mobiliza apostadores como há 50 anos, o jogo faz parte do imaginário coletivo de gerações de portugueses: durante os anos 80 e 90, a RTP transmitiu "Vamos jogar no Totobola", um espaço documental sobre todo o tipo de assuntos que terminava sempre com um palpite para o preenchimento do boletim, e em 1964 estreava o filme "Pão, Amor e Totobola", com Florbela Queiroz a dançar o twist.


Opinião


Multimédia

Cheesecake com manjericão e doce de tomate

Especialista em pratos de confeção acessível, com ingredientes ao alcance de qualquer pessoa, Tiger escolheu a gastronomia como forma de estar na vida. Veja, confecione, desfrute e impressione.

Voámos num F-16

Um piloto da Força Aérea voou com uma câmara GoPro do Expresso e temos imagens inéditas e exclusivas para lhe mostrar num trabalho multimédia.

Salada de salmão com sorvete de manga

Especialista em pratos de confeção acessível, com ingredientes ao alcance de qualquer pessoa, Tiger escolheu a gastronomia como forma de estar na vida. Veja, confecione, desfrute e impressione.

Por faróis nunca dantes navegados

São a salvaguarda dos navegantes, a luz que tranquiliza o mar. Há 48 faróis em Portugal continental e nas ilhas. Este é um acontecimento único: todos os faróis e 1830 km de costa disponíveis num mesmo trabalho. Para entendê-los e vê-los, basta navegar neste artigo.

Parecem casulos onde gente hiberna à espera de ver terra

No Porto de Manaus não há barcos, mas autocarros bíblicos que caminham sobre água. Têm vários andares e estão cheios de camas de rede que parecem casulos onde homens, mulheres e crianças aguardam o destino. E há gente a vender o que houver e tiver de ser junto ao Porto. "Como há Copa, tem por aí muito gringo que vem ter com 'nóis'. E então fica mais fácil vender"

O adeus de Lobo Antunes às aulas de medicina

O neurocirurgião deu terça-feira a sua "Última Lição" no auditório do Instituto de Medicina Molecular da Faculdade de Medicina da Universidade de Lisboa, na véspera de deixar o seu trabalho no serviço nacional de saúde.

Jaguar volta a fabricar desportivo dos anos 60

Até ao verão será fabricado um número limitado de desportivos Jaguar E-Type Lightweight, seguindo todas as especificações originais, incluindo a continuação do número de série das unidades produzidas em 1963.

"Naquela altura estavam continuamente a acontecer primeiras coisas"

Mais do que uma manifestação, o 'primeiro' 1º de Maio é recordado como a grande festa da Revolução dos Cravos, quando o povo saiu às ruas em massa e a união das esquerdas era um sonho possível. "O 1º de Maio seria mais uma primeira coisa, porque naquela altura estavam continuamente a acontecer primeiras coisas." Foi há 40 anos.

Este trabalho não foi visado por qualquer comissão de censura

Aquilo que hoje é uma expressão anacrónica estava em relevo na primeira página do "República", a 25 de Abril de 1974: "Este jornal não foi visado por qualquer comissão de censura". Quarenta anos depois da Revolução, veja os jornais, ouça os sons e compreenda como decorreu o "dia inicial inteiro e limpo", como lhe chamou Sophia. O Expresso falou ainda com cinco gerações de 40 anos e percorreu a "geografia" das Ruas 25 de Abril de todo o país, falando com quem lá mora. Veja a reportagem multimédia.


Comentários 0 Comentar

Últimas

BES quer vender ativos

Está em curso avaliação exaustiva dos ativos. Saída de alguns mercados internacionais está em ...

Ver mais

Edição Diária 17.Abr.2014

Leia no seu telemóvel, tablet e computador
PUBLICIDADE

Pub