2
Anterior
Por um fio
Seguinte
Governação falhada
Página Inicial   >  Opinião  >  Daniel Oliveira  >  Tomara que caia

Tomara que caia

|

O primeiro-ministro Mohammed Mossadegh queria uma coisa simples: nacionalizar os valiosos recursos do Irão. O Ocidente não gostou e, em 1953, entregou o poder absoluto ao Xá Reza Pahlevi, que chegara ao trono por abdicação forçada do pai. O Xá, como a prestimosa ajuda dos serviços secretos americanos e britânicos, começou por esmagar a oposição de esquerda. Depois, tratou de impor bons e maus hábitos ocidentais. À porta ficou a democracia. Não foi preciso esperar muito para a reacção do clero. E, entre todos, sobressaiu Ruhollah Khomeini. Pelo atrevimento, teve guia de marcha para o exílio. Mas ao tocar num dos principais líderes religiosos, o Xá assinava a sua própria sentença.

Depois de décadas de modernização, veio a crise económica e os sonhos do milagre iraniano caíram por terra. O Xá tinha agora contra ele o clero conservador, a classe média que ele próprio criara, os pequenos comerciantes esmagados pela modernização, a esquerda nacionalista e comunista e todos os democratas que tinham sentido a mão pesada da repressão. Quando, há 30 anos, a revolução islâmica derrubou a ditadura, foi recebida de braços abertos. Mas a festa acabou cedo. Os ayatollahs rapidamente provaram ser capazes da mesma brutalidade: à ocidentalização forçada sucedeu a islamização forçada, à brutalidade da polícia política sucedeu a brutalidade da polícia religiosa, ao poder arbitrário do Ocidente sucedeu o poder arbitrário do clero.

Tal como quando caiu a ditadura de Pahlevi, juntam-se, por estes dias, nas ruas de Teerão, descontentamentos contraditórios. Laicos que esperavam o seu momento, religiosos que desconfiam do excessivo poder de Ahmadinejad e simples apoiantes de Moussavi, um homem com impecáveis credenciais no regime. Mas a maioria são jovens urbanos, o que não é pouca gente no Irão. Herdeiros da ocidentalização forçada, não se lembram do Xá. Estão fartos de viver às escondidas nos mais pequenos gestos do seu quotidiano. E é por isso que este movimento, mais recontagem menos recontagem, é imparável. Ele está muito para lá da política.

Quem, no meio deste furacão de liberdade, tenha como primeiro critério o prazer de ver Teerão a afrontar os EUA comete um erro sem perdão. O Ocidente não tem o direito de impor a ninguém a sua suposta superioridade cultural. Mas os iranianos estão a mostrar que dispensam a ajuda de "impérios benignos" para derrubar a teocracia que os oprime. Esperemos que a sua revolta seja apenas o princípio.

Sócrates 2.0


O PS deu Xanax ao primeiro-ministro e lançou um novo modelo para as próximas eleições: o Sócrates 2.0. De esquerda, claro, não fosse para essas bandas que o eleitorado lhe foge. Mas acima de tudo, como se viu na entrevista à SIC, de uma doçura comovente. Todo ele, da voz às palavras, é compreensão, tolerância, modéstia. A começar com um quase pedido de desculpas aos professores. Tudo muito certo, tudo muito plástico. Fica apenas uma dúvida: esquecerão os eleitores o software anterior do nosso primeiro? Se a memória dos seus computadores for muito limitada, pode ser que sim. Isto, claro, partindo do princípio que o PS consegue manter o animal feroz fechado na jaula até Setembro.


Opinião


Multimédia

Temos 16 imagens que não explicam o mundo, mas que ajudam a compreendê-lo

O júri do World Press Photo queria dar o prémio maior da edição deste ano (e talvez das edição todas) a uma fotografia com "potencial para se tornar icónica". A primeira imagem desta fotogaleria, por ser "esteticamente poderosa" e "revelar humanidade", é o que o júri procurava. A fotografia de um casal homossexual russo, a grande vencedora, é a primeira de 16 imagens de uma seleção onde há Messi desolado, migrantes em condições indignas no Mediterrâneo, a aflição do ébola, mistérios afins e etc - são os contrastes do mundo.

Os assassínios, as execuções, as decapitações são as imagens mais chocantes de uma propaganda cada vez mais sofisticada. É a Jihad, que recruta guerrilheiros no ocidente para matar e morrer na Síria. O Expresso seguiu as pisadas de cinco jiadistas portugueses, mostrando quem são e como foram convertidos e radicalizados. E como lutam, como foram morrer - e como já haverá arrependidos com medo de fugir. Reportagem em Londres, no café onde viam jogos de futebol, na universidade onde estudavam e na mesquita onde rezavam. Autoridades e especialistas em terrorismo estão alerta sobre este pequeno mas perigoso grupo, onde corre sangue português - e de onde escorre sangue por Alá.

Hoje é dia de cozido serrano... light

O Talasnal é talvez a mais famosa das aldeias de Xisto da Lousã, cheia de carisma e de pormenores que fazem esquecer o tempo a passar. Veja, confecione, desfrute e impressione com esta receita.

Vamos falar de sexo. Seis portugueses revelam tudo o que lhes dá prazer na cama

Neste primeiro episódio de uma série que vai durar sete semanas, seis entrevistados falam abertamente sobre aquilo que lhes dá mais satisfação na intimidade. Sexo em grupo, sexo na gravidez, prazer sem orgasmo e melhor sexo após a menopausa são alguns dos temas referidos nos testemunhos desta semana. O psiquiatra Francisco Allen Gomes explica ainda a razão de muitas mulheres fingirem o orgasmo. O Expresso e a SIC falaram com 33 portugueses que deram a cara e o testemunho de como são na cama. Ao longo das próximas sete semanas, contamos-lhe tudo.

Elvis. Gostamos ou não gostamos?

Ele não é consensual, mas é incontornável. Dispunha de penteado majestoso e patilha marota, aparentava olhar matador e pose atrevida. E deixou canções: umas fáceis e outras nem tanto, por vezes previsíveis e às vezes inesperadas, ora gentis ora aceleradas. E ele, Elvis, nasceu em janeiro de 1934 - há precisamente 40 anos, ao oitavo dia. Temos quatro textos sobre o artista: Nicolau Santos, Rui Gustavo, Nicolau Pais e João Cândido da Silva explicam o que apreciam, o que toleram e o que não suportam.

A última viagem do navio indesejado

Construído nos Estaleiros de Viana e pensado para fazer a ligação entre ilhas nos Açores, o Atlântida foi recusado pelo Governo Regional por alegadamente não atingir a velocidade pretendida. Contando com os custos associados à dissolução do contrato, o prejuízo ascendeu a 70 milhões de euros. Foi agora comprado a "preço de saldo", para mudar de nome e ser reconvertido num cruzeiro na Amazónia. Fizemos a última viagem do Atlântida e vamos mostrar-lhe os segredos do navio.

Desfile de vedetas

Saiba tudo sobre os modelos concorrentes ao Carro do Ano 2015/Troféu Essilor Volante de Cristal. Conheça o essencial sobre os 20 automóveis participantes nesta iniciativa, da estética, às características técnicas, do preço ao consumo. A apresentação ficará completa no dia 3 de janeiro.

Tudo o que precisa de saber sobre o ébola. Em dois minutos

Porque é que este está a ser o pior surto da história? Como é que os primeiros sintomas se confundem com os de outras doenças? É possível viajar depois de ter contraído o vírus, sem transmitir a doença? E estamos ou não perto de ter uma vacina? O Expresso procurou as respostas a estas e outras dúvidas sobre o ébola.

Desacelerámos a realidade para observar a euforia da liberdade

Ela, Jacarandá, é algarvia. Ele, Katmandu, é espanhol. São linces e agora experimentam a responsabilidade da liberdade: foram soltos esta terça-feira numa herdade alentejana, próxima de Mértola, eles que saíram de centros de reprodução em cativeiro. Foi inédito: nunca tinha acontecido algo assim em Portugal. Estivemos lá e ensaiámos o slow motion.

Desaparecidos para sempre no Mar do Norte

O dia 15 de novembro já foi feriado, há 90 anos. A razão foi o desaparecimento de Sacadura Cabral algures no Mar do Norte. Depois de fazer mais de oito mil quilómetros de Lisboa ao Rio de Janeiro, o aviador pioneiro não conseguiu completar o voo entre a cidade holandesa de Amesterdão e a capital portuguesa. Ainda hoje, não se sabe o que aconteceu ao companheiro de Gago Coutinho e tio-avô de Paulo Portas, a quem o Expresso pediu um sms.

Os muros do mundo

Novembro relembrou-nos os muros que caem, mas também os que permanecem e os que se expandem. Berlim aproximou-se de si própria há 25 anos, mas há muros que continuam a desaproximar. Esta é a história de sete deles - diferentes, imprevisíveis, estranhos.

O papa-medalhas que veio do espaço

O atleta português mais medalhado de sempre, Francisco Vicente, regressou dos campeonatos europeus de veteranos, na Turquia, com novas lembranças ao pescoço. Três de ouro e duas de prata para juntar à coleção. Tem 81 medalhas, uma por cada ano de vida.

Terror religioso está a aumentar

Relatório sobre a Liberdade Religiosa é divulgado esta terça-feira em todo o mundo. Dos 196 países analisados, só em 80 não há indícios de perseguições motivadas pela fé.

Vai pagar mais ou menos IRS? Veja as simulações

Reforma do imposto protege quem tem dependentes a cargo, mas pode penalizar os restantes contribuintes. Função pública e pensionistas vão ter mais dinheiro disponível. Veja simulações para vários casos.


Comentários 2 Comentar
ordenar por:
mais votados
interesses do Ocidente
Tomara que caia…
Qual «derrubar a teocracia que os oprime» qual nada. Só um ocidental poderia falar assim! Ou o Irão é um país muçulmano ou o Irão não é um país muçulmano. Se é um país muçulmano será sempre uma teocracia, uma monarquia islâmica ou uma qualquer estrutura política mista que contemple uma componente do poder religioso muçulmano. O islamismo contém, em si mesmo, uma orientação política. Qualquer forma de governação plenamente laica num país muçulmano abrirá as portas ao conflito.
Os iranianos não põem em questão a teocracia… O único homem capaz de se opor a uma nova tentativa de subjugação do Irão aos interesses do Ocidente é Ahmadinejad. E esta é que a questão. Não há aqui mais questão nenhuma. Ahmadinejad sabe bem por quantas vezes e de quantas maneiras o Ocidente se intrometeu com o Irão. Ele está convicto que só quando tiver demonstrado que pode fabricar a bomba o seu país, tal como a Índia, poderá sonhar com a prosperidade. Ou alguém tem duvidas que o Irão, que já tem tropas ocidentais à porta em mais de 60% das suas fronteiras, é a peça mais importante do puzzle do Médio Oriente?
O resto é conversa de jornais, e de jornalistas a soldo, acossados e medrosos…
não acredito
Comentários 2 Comentar

Últimas

Receba a nova Newsletter
Ver Exemplo

Edição Diária 17.Abr.2014

Leia no seu telemóvel, tablet e computador
PUBLICIDADE

Pub