2

E vão três. Mais um Bush na fila para a presidência

Anterior
Por um fio
Seguinte
Governação falhada
Página Inicial   >  Opinião  >  Daniel Oliveira  >   Tomara que caia

Tomara que caia

|

O primeiro-ministro Mohammed Mossadegh queria uma coisa simples: nacionalizar os valiosos recursos do Irão. O Ocidente não gostou e, em 1953, entregou o poder absoluto ao Xá Reza Pahlevi, que chegara ao trono por abdicação forçada do pai. O Xá, como a prestimosa ajuda dos serviços secretos americanos e britânicos, começou por esmagar a oposição de esquerda. Depois, tratou de impor bons e maus hábitos ocidentais. À porta ficou a democracia. Não foi preciso esperar muito para a reacção do clero. E, entre todos, sobressaiu Ruhollah Khomeini. Pelo atrevimento, teve guia de marcha para o exílio. Mas ao tocar num dos principais líderes religiosos, o Xá assinava a sua própria sentença.

Depois de décadas de modernização, veio a crise económica e os sonhos do milagre iraniano caíram por terra. O Xá tinha agora contra ele o clero conservador, a classe média que ele próprio criara, os pequenos comerciantes esmagados pela modernização, a esquerda nacionalista e comunista e todos os democratas que tinham sentido a mão pesada da repressão. Quando, há 30 anos, a revolução islâmica derrubou a ditadura, foi recebida de braços abertos. Mas a festa acabou cedo. Os ayatollahs rapidamente provaram ser capazes da mesma brutalidade: à ocidentalização forçada sucedeu a islamização forçada, à brutalidade da polícia política sucedeu a brutalidade da polícia religiosa, ao poder arbitrário do Ocidente sucedeu o poder arbitrário do clero.

Tal como quando caiu a ditadura de Pahlevi, juntam-se, por estes dias, nas ruas de Teerão, descontentamentos contraditórios. Laicos que esperavam o seu momento, religiosos que desconfiam do excessivo poder de Ahmadinejad e simples apoiantes de Moussavi, um homem com impecáveis credenciais no regime. Mas a maioria são jovens urbanos, o que não é pouca gente no Irão. Herdeiros da ocidentalização forçada, não se lembram do Xá. Estão fartos de viver às escondidas nos mais pequenos gestos do seu quotidiano. E é por isso que este movimento, mais recontagem menos recontagem, é imparável. Ele está muito para lá da política.

Quem, no meio deste furacão de liberdade, tenha como primeiro critério o prazer de ver Teerão a afrontar os EUA comete um erro sem perdão. O Ocidente não tem o direito de impor a ninguém a sua suposta superioridade cultural. Mas os iranianos estão a mostrar que dispensam a ajuda de "impérios benignos" para derrubar a teocracia que os oprime. Esperemos que a sua revolta seja apenas o princípio.

Sócrates 2.0


O PS deu Xanax ao primeiro-ministro e lançou um novo modelo para as próximas eleições: o Sócrates 2.0. De esquerda, claro, não fosse para essas bandas que o eleitorado lhe foge. Mas acima de tudo, como se viu na entrevista à SIC, de uma doçura comovente. Todo ele, da voz às palavras, é compreensão, tolerância, modéstia. A começar com um quase pedido de desculpas aos professores. Tudo muito certo, tudo muito plástico. Fica apenas uma dúvida: esquecerão os eleitores o software anterior do nosso primeiro? Se a memória dos seus computadores for muito limitada, pode ser que sim. Isto, claro, partindo do princípio que o PS consegue manter o animal feroz fechado na jaula até Setembro.


Opinião


Multimédia

Geração Z

Mais rápidos, mais capazes, mais solitários, os Z vivem agarrados aos ecrãs, pensam com a ajuda da internet e estão permanentemente preocupados com a bateria do telemóvel. Que geração é esta que nasceu com a viragem do século?

Desaparecidos para sempre no Mar do Norte

O dia 15 de novembro já foi feriado, há 90 anos. A razão foi o desaparecimento de Sacadura Cabral algures no Mar do Norte. Depois de fazer mais de oito mil quilómetros de Lisboa ao Rio de Janeiro, o aviador pioneiro não conseguiu completar o voo entre a cidade holandesa de Amesterdão e a capital portuguesa. Ainda hoje, não se sabe o que aconteceu ao companheiro de Gago Coutinho e tio-avô de Paulo Portas, a quem o Expresso pediu um sms.

Os muros do mundo

Novembro relembrou-nos os muros que caem, mas também os que permanecem e os que se expandem. Berlim aproximou-se de si própria há 25 anos, mas há muros que continuam a desaproximar. Esta é a história de sete deles - diferentes, imprevisíveis, estranhos.

Tudo o que precisa de saber sobre o ébola. Em dois minutos

Porque é que este está a ser o pior surto da história? Como é que os primeiros sintomas se confundem com os de outras doenças? É possível viajar depois de ter contraído o vírus, sem transmitir a doença? E estamos ou não perto de ter uma vacina? O Expresso procurou as respostas a estas e outras dúvidas sobre o ébola.

A última viagem do navio indesejado

Construído nos Estaleiros de Viana e pensado para fazer a ligação entre ilhas nos Açores, o Atlântida foi recusado pelo Governo Regional por alegadamente não atingir a velocidade pretendida. Contando com os custos associados à dissolução do contrato, o prejuízo ascendeu a 70 milhões de euros. Foi agora comprado a "preço de saldo", para mudar de nome e ser reconvertido num cruzeiro na Amazónia. Fizemos a última viagem do Atlântida e vamos mostrar-lhe os segredos do navio.

O papa-medalhas que veio do espaço

O atleta português mais medalhado de sempre, Francisco Vicente, regressou dos campeonatos europeus de veteranos, na Turquia, com novas lembranças ao pescoço. Três de ouro e duas de prata para juntar à coleção. Tem 81 medalhas, uma por cada ano de vida.

Terror religioso está a aumentar

Relatório sobre a Liberdade Religiosa é divulgado esta terça-feira em todo o mundo. Dos 196 países analisados, só em 80 não há indícios de perseguições motivadas pela fé.

Vai pagar mais ou menos IRS? Veja as simulações

Reforma do imposto protege quem tem dependentes a cargo, mas pode penalizar os restantes contribuintes. Função pública e pensionistas vão ter mais dinheiro disponível. Veja simulações para vários casos.

Tem três minutinhos? Vamos explicar-lhe o que muda no orçamento de 350 mil portugueses (e no de muitas empresas)

O novo salário mínimo entrou em vigor. São mais €20 brutos para cerca de 350 mil portugueses (números do Ministério da Segurança Social, porque os sindicatos falam em 500 mil trabalhadores). Mudou o valor, mas também os descontos que as empresas fazem para a Segurança Social. Porque se trata de uma medida que afeta a vida de muitos portugueses, queremos explicar o que se perde e o que se ganha, o que se altera e o que se mantém.

Music fighter: temos Marco Paulo e Bruno Nogueira numa batalha épica

Está preparado para um dos encontros mais improváveis na história da música portuguesa? O humorista Bruno Nogueira e a cantora Manuela Azevedo, dos Clã, pegaram em várias músicas consideradas "pimba" - daquelas que ninguém admite ouvir mas que, no fundo, todos vão dançar assim que começam a tocar - e deram-lhe novos arranjos, num projeto que chegou aos coliseus de Lisboa e do Porto.  "Ninguém, ninguém", de Marco Paulo, tem possivelmente a introdução mais acelerada e frenética do panorama musical português. Mas, no frente-a-frente, quem é o mais rápido? Vai um tira-teimas à antiga?

Dez verdades assustadoras sobre filmes de terror

Este vídeo é como o monstro de "Frankenstein": ganhou vida graças à colagem de partes de alguns dos filmes mais aterrorizantes de sempre. Com uma ratazana mutante e os organizadores do festival de cinema de terror MotelX pelo meio. O Expresso foi à procura das razões que explicam o fascínio pelo terror, com muito sangue (feito de corante alimentar) à mistura. 

A paixão do vinil

Se para muitos o vinil é apenas uma moda que faz parte da cultura do revivalismo vintage, para outros ver o disco girar nunca deixou de ser algo habitual.

Portugal foi herdado, comprado ou conquistado?

Era agosto em Lisboa e, às portas de Alcântara, milhares de homens lutavam por dois reis, participando numa batalha decisiva para os espanhóis e ainda hoje maldita. Aconteceu em agosto de 1580. Mais de 400 anos depois, o Expresso deu-lhe vida, fazendo uma reconstituição do confronto através do recorte e animação digital de uma gravura anónima da época.

O Maradona dos bancos centrais

Dizer que Mario Draghi está a ser uma espécie de Maradona dos bancos centrais pode parecer estranho. Mas não é exagerado. Os jornalistas João Silvestre e Jorge Nascimento Rodrigues explicaram porquê num conjunto de artigos publicado no Expresso em Novembro de 2013 e que venceu em junho deste ano o prémio de jornalismo económico do Santander e da Universidade Nova. O trabalho observa ainda o desempenho de Ben Bernanke no combate à crise, revisita a situação em Portugal e arrisca um ranking dos 25 principais governadores de bancos centrais. Republicamos os artigos num formato especial desenvolvido para a web.

Com Deus na alma e o diabo no corpo

Quem os vê de fora pode pensar que estão possuídos. Eles preferem sublinhar o lado espiritual e terapêutico desta dança - chamam-lhe "krump" e nasceu nos bairros pobres dos Estados Unidos. De Los Angeles para Chelas, em Lisboa, já ajudou a tirar jovens do crime. Ligue o som bem alto e entre com o Expresso no bairro. E faça o teste: veja se consegue ficar quieto.

O Cabo da Roca depois da tragédia que matou casal polaco

Os turistas portugueses e estrangeiros que visitam o Cabo da Roca, em Sintra, continuam a desafiar a vida nas falésias, mesmo depois da tragédia que resultou na morte de um casal polaco, cujos filhos menores estavam também no local. Durante a visita do Expresso, um segurança tentou alertar os turistas para o perigo e refere a morte do casal polaco. O apelo não teve grande efeito. Veja as imagens.


Comentários 2 Comentar
ordenar por:
mais votados
interesses do Ocidente
Tomara que caia…
Qual «derrubar a teocracia que os oprime» qual nada. Só um ocidental poderia falar assim! Ou o Irão é um país muçulmano ou o Irão não é um país muçulmano. Se é um país muçulmano será sempre uma teocracia, uma monarquia islâmica ou uma qualquer estrutura política mista que contemple uma componente do poder religioso muçulmano. O islamismo contém, em si mesmo, uma orientação política. Qualquer forma de governação plenamente laica num país muçulmano abrirá as portas ao conflito.
Os iranianos não põem em questão a teocracia… O único homem capaz de se opor a uma nova tentativa de subjugação do Irão aos interesses do Ocidente é Ahmadinejad. E esta é que a questão. Não há aqui mais questão nenhuma. Ahmadinejad sabe bem por quantas vezes e de quantas maneiras o Ocidente se intrometeu com o Irão. Ele está convicto que só quando tiver demonstrado que pode fabricar a bomba o seu país, tal como a Índia, poderá sonhar com a prosperidade. Ou alguém tem duvidas que o Irão, que já tem tropas ocidentais à porta em mais de 60% das suas fronteiras, é a peça mais importante do puzzle do Médio Oriente?
O resto é conversa de jornais, e de jornalistas a soldo, acossados e medrosos…
não acredito
Comentários 2 Comentar

Últimas


Edição Diária 17.Abr.2014

Leia no seu telemóvel, tablet e computador

PUBLICIDADE

Pub