Anterior
"Regras de short selling deviam ser mais harmonizadas"
Seguinte
Zona euro: inflação sobe para 1,2%
Página Inicial   >  Economia  >   Teixeira dos Santos defende acção coordenada internacional

Teixeira dos Santos defende acção coordenada internacional

O ministro das Finanças, Teixeira dos Santos apelou à necessidade de uma posição coordenada dos países ibero-americanos para encontrar soluções para a crise financeira mundial.
Lusa |
Teixeira dos Santos admitiu falhas do sistema de supervisão assentes na auto regulação e na disciplina do mercado
Teixeira dos Santos admitiu falhas do sistema de supervisão assentes na auto regulação e na disciplina do mercado / Sérgio Granadeiro/Expresso

O ministro das Finanças alertou hoje para o "perigo de um ciclo vicioso" entre o sistema financeiro e a economia real, destacando a importância de uma acção internacional coordenada que apoie o crescimento, emprego e reforço do sistema financeiro.

Falando na sessão de abertura da reunião extraordinária de ministros ibero-americanos das Finanças, Teixeira dos Santos disse que o objectivo do encontro é reflectir sobre "a melhor forma de combate à crise económico-financeira" e adoptar uma "posição coordenada dos países ibero-americanos" que contribua para que nos trabalhos da próxima reunião dos chefes de Estado e Governo do G-20 em Abril em Londres se encontrem "soluções para o problema global" que o mundo enfrenta.

Na sua intervenção, o ministro português das Finanças admitiu serem hoje reconhecidas "as falhas do sistema de supervisão assentes na auto regulação e na disciplina do mercado", que, disse, "são difíceis de assegurar em momentos de sobreoptimismo como os vividos antes da crise".

Os efeitos desta crise afirmou, "rapidamente se estenderam a todas as economias mesmo as com reduzida exposição aos produtos tóxicos e ao mercado 'subprime' dos Estados Unidos".

Como resultado, as últimas previsões do Fundo Monetário Internacional apontam para uma quebra do crescimento do PIB mundial para 0,5 por cento, contra 5,2 por cento em 2007 e 3,4 por cento em 2008.

A América Latina, menos afectada pelos efeitos da crise, deverá continuar a crescer a uma taxa positiva, embora "mais pequena do que nos últimos anos".

Já a taxa de desemprego global deverá aumentar segundo números da Organização Internacional do Trabalho para 6,1 por cento a 7,1 por cento em 2009, contra 5,7 por cento em 2007.

Numa tentativa de reverter esta situação, Teixeira dos Santos destacou "necessidade de conter tendências proteccionistas" e a "importância da integração de medidas, a nível mundial, que promovam o comércio internacional e o adequado funcionamento do mercado, aumentando os fluxos comerciais e de investimento".

Uma posição partilhada pelo secretário-geral da Conferência Ibero-americana, Enrique Iglesias, que considerou os "avanços do proteccionismo internacional" um "motivo de grande preocupação" e recordou a experiência da década de 1930, em que "prevaleceram soluções de curto prazo que levaram ao proteccionismo".

"É importante olhar a História para evitar que se repita", alertou.

Enrique Iglesias destacou, na sua intervenção na sessão de abertura da conferência, que se vive "uma situação excepcional" no mundo, após a qual "nada será igual".

"Daqui sairá um novo mundo que, esperamos, seja melhor", sustentou, referindo que a própria América latina, para quem esta é uma "crise importada", está a sentir os seus efeitos apesar de "melhor preparada" para a enfrentar.

À entrada para a conferência, o secretário-geral da Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Económico (OCDE), Angel Gurría, referiu a "falha massiva na regulação, supervisão e administração do risco", salientando que "o que se quer é melhorar estes aspectos para que os mercados não andem mais rápido que os reguladores e a inovação e criatividade não sejam sinónimo de abusos e desordem, mas de progresso".

Já o ministro de Economia e Finanças de Espanha, Pedro Solbes, admitiu que 2009 será "um ano muito complicado" e em que "há que trabalhar muito para tentar melhorar a situação de crescimento, financiamento e emprego".


Opinião


Multimédia

Voámos num F-16

Um piloto da Força Aérea voou com uma câmara GoPro do Expresso e temos imagens inéditas e exclusivas para lhe mostrar num trabalho multimédia.

Salada de salmão com sorvete de manga

Especialista em pratos de confeção acessível, com ingredientes ao alcance de qualquer pessoa, Tiger escolheu a gastronomia como forma de estar na vida. Veja, confecione, desfrute e impressione.

Por faróis nunca dantes navegados

São a salvaguarda dos navegantes, a luz que tranquiliza o mar. Há 48 faróis em Portugal continental e nas ilhas. Este é um acontecimento único: todos os faróis e 1830 km de costa disponíveis num mesmo trabalho. Para entendê-los e vê-los, basta navegar neste artigo.

Parecem casulos onde gente hiberna à espera de ver terra

No Porto de Manaus não há barcos, mas autocarros bíblicos que caminham sobre água. Têm vários andares e estão cheios de camas de rede que parecem casulos onde homens, mulheres e crianças aguardam o destino. E há gente a vender o que houver e tiver de ser junto ao Porto. "Como há Copa, tem por aí muito gringo que vem ter com 'nóis'. E então fica mais fácil vender"

O adeus de Lobo Antunes às aulas de medicina

O neurocirurgião deu terça-feira a sua "Última Lição" no auditório do Instituto de Medicina Molecular da Faculdade de Medicina da Universidade de Lisboa, na véspera de deixar o seu trabalho no serviço nacional de saúde.

Jaguar volta a fabricar desportivo dos anos 60

Até ao verão será fabricado um número limitado de desportivos Jaguar E-Type Lightweight, seguindo todas as especificações originais, incluindo a continuação do número de série das unidades produzidas em 1963.

"Naquela altura estavam continuamente a acontecer primeiras coisas"

Mais do que uma manifestação, o 'primeiro' 1º de Maio é recordado como a grande festa da Revolução dos Cravos, quando o povo saiu às ruas em massa e a união das esquerdas era um sonho possível. "O 1º de Maio seria mais uma primeira coisa, porque naquela altura estavam continuamente a acontecer primeiras coisas." Foi há 40 anos.

Este trabalho não foi visado por qualquer comissão de censura

Aquilo que hoje é uma expressão anacrónica estava em relevo na primeira página do "República", a 25 de Abril de 1974: "Este jornal não foi visado por qualquer comissão de censura". Quarenta anos depois da Revolução, veja os jornais, ouça os sons e compreenda como decorreu o "dia inicial inteiro e limpo", como lhe chamou Sophia. O Expresso falou ainda com cinco gerações de 40 anos e percorreu a "geografia" das Ruas 25 de Abril de todo o país, falando com quem lá mora. Veja a reportagem multimédia.


Comentários 2 Comentar
ordenar por:
mais votados
Este só quer o impossivel.
Ele sabe que nunca vai haver qualquer acção concertada para esse desejo.
Sugestão ao Sr. Ministro das Finanças

E que tal, em vez de falar, o Senhor Ministro reduzis se de facto, o peso do estado na economia ?!

Diga lá qui ao JE Sr. Ministro: A crise veio mesmo a calhar não veio ?!

É que se assim não fosse, o Sr. teria negativa sem desculpas.
Comentários 2 Comentar

Últimas


Edição Diária 17.Abr.2014

Leia no seu telemóvel, tablet e computador
PUBLICIDADE

Pub