51
Anterior
ERC vítima de pressões. Inaceitáveis mas legítimas?
Seguinte
A pobreza calada
Página Inicial   >  Blogues  >  Antes pelo contrário  >   TC: os ganhadores e os perdedores do costume

TC: os ganhadores e os perdedores do costume

|

Duas conclusões sobre a decisão do Tribunal Constitucional começam a generalizar-se na comunicação social: foi uma vitória de Cavaco Silva, que tinha avisado para esta inconstitucionalidade, e é um excelente álibi para criar mais um imposto extraordinário para público e privado.

Quanto à primeira, fico, devo dizer, banzado. Escapou-me alguma coisa nesta história e foi o Presidente da República que, no uso das prerrogativas constitucionais, requereu a verificação da constitucionalidade desta decisão? Não. Não o fez porque este saque aos salários dos funcionários públicos não lhe levantasse dúvidas? Levantava. As mesmíssimas dúvidas que levantava a muita gente. Ou seja, o Presidente da República duvidava da constitucionalidade da decisão e decidiu ficar quieto. Mais do que uma vitória ou derrota de Cavaco Silva, a decisão do TC, motivada por um grupo de deputados, prova a sua absoluta inutilidade institucional. Não usou de uma competência sua - definidas na alínea g) do artigo 134º da Constituição da República -, permitindo solidária e conscientemente a violação da lei fundamental do País. E, no fim, recebe os louros por o que não fez.

Quanto à segunda, quem está a dar o álibi não é o TC, que se limita a verificar a inconstitucionalidade da norma, mas quem oferece ao governo esta argumentação. Para repor a igualdade, o governo, que não pode, por não ser o empregador, tirar salários ao privado, só tem de pagar os dois subsídios aos funcionários públicos. Está reposta a constitucionalidade - infelizmente apenas no ano que vem. A decisão de criar mais um imposto não resulta de nenhuma recomendação dos juízes do TC. É a escolha de continuar a loucura de destruir a economia para pagar a dívida, depauperando, por perdas fiscais permanentes que resultam de um ataque ao consumo interno, as contas públicas e pondo em causa o pagamento dessa mesma dívida.

O governo podia renegociar as Parecerias Publico-Privadas, onde desaguam milhões todos os anos. O governo poderia mexer no estatuto fiscal da banca. O governo poderia acalmar-se um bocadinho na inundação do Estado e nas empresas com participações públicas com boys laranjas. O governo poderia fazer outras escolhas. Decide, como tem decidido sempre, ir ao salário dos trabalhadores. Não vale a pena transformar os funcionários públicos e os juízes do TC em culpados por uma escolha que Passos fez há muito: são os que vivem do seu salário que pagarão esta factura, onde se inclui o endividamento do Estado para a recapitalização da banca. Antes da decisão do TC, pagavam muito os trabalhadores do privado e muitíssimo os trabalhadores do Estado. Agora pagam todos por igual. Mas a decisão de pôr o fardo nas costas de uns e de outros é de quem governa, não é de quem julga a constitucionalidade de cada decisão.

O que se percebe nestas "análises" é que uma parte da comunicação social tem um guião escrito que não muda perante nenhum contratempo. Os vencedores e as vítimas, aconteça o que acontecer, serão sempre os mesmos. O vencedor é quem nada fez para fazer cumprir a lei, não quem, no uso das suas obrigações, agiu onde o Presidente ficou parado - 25 deputados. As vítimas só podem ser os trabalhadores, porque qualquer outro destinatário dos sacrifícios contará sempre com a devida proteção mediática. E em nenhum momento o caminho da austeridade pode ser posto em causa. Nem mesmo quando todos os factos nos mostram da sua insustentabilidade económica, financeira e política.

A forma como grande parte da comunicação social lidou com esta decisão demonstra que para nos continuarem a vender o empobrecimento como inevitável são precisas três coisas: que os atores políticos sejam sempre os mesmos, que as vítimas não mudem e que a rivalidade entre trabalhadores do privado e do público continue a ser alimentada.


Opinião


Multimédia

Lombinho de porco com broa e batata a murro

Especialista em pratos de confeção acessível, com ingredientes ao alcance de qualquer pessoa, Tiger escolheu a gastronomia como forma de estar na vida. Veja, confecione, desfrute e impressione.

Desaparecidos para sempre no Mar do Norte

O dia 15 de novembro já foi feriado, há 90 anos. A razão foi o desaparecimento de Sacadura Cabral algures no Mar do Norte. Depois de fazer mais de oito mil quilómetros de Lisboa ao Rio de Janeiro, o aviador pioneiro não conseguiu completar o voo entre a cidade holandesa de Amesterdão e a capital portuguesa. Ainda hoje, não se sabe o que aconteceu ao companheiro de Gago Coutinho e tio-avô de Paulo Portas, a quem o Expresso pediu um sms.

Os muros do mundo

Novembro relembrou-nos os muros que caem, mas também os que permanecem e os que se expandem. Berlim aproximou-se de si própria há 25 anos, mas há muros que continuam a desaproximar. Esta é a história de sete deles - diferentes, imprevisíveis, estranhos.

Tudo o que precisa de saber sobre o ébola. Em dois minutos

Porque é que este está a ser o pior surto da história? Como é que os primeiros sintomas se confundem com os de outras doenças? É possível viajar depois de ter contraído o vírus, sem transmitir a doença? E estamos ou não perto de ter uma vacina? O Expresso procurou as respostas a estas e outras dúvidas sobre o ébola.

A última viagem do navio indesejado

Construído nos Estaleiros de Viana e pensado para fazer a ligação entre ilhas nos Açores, o Atlântida foi recusado pelo Governo Regional por alegadamente não atingir a velocidade pretendida. Contando com os custos associados à dissolução do contrato, o prejuízo ascendeu a 70 milhões de euros. Foi agora comprado a "preço de saldo", para mudar de nome e ser reconvertido num cruzeiro na Amazónia. Fizemos a última viagem do Atlântida e vamos mostrar-lhe os segredos do navio.

O papa-medalhas que veio do espaço

O atleta português mais medalhado de sempre, Francisco Vicente, regressou dos campeonatos europeus de veteranos, na Turquia, com novas lembranças ao pescoço. Três de ouro e duas de prata para juntar à coleção. Tem 81 medalhas, uma por cada ano de vida.

Terror religioso está a aumentar

Relatório sobre a Liberdade Religiosa é divulgado esta terça-feira em todo o mundo. Dos 196 países analisados, só em 80 não há indícios de perseguições motivadas pela fé.

Vai pagar mais ou menos IRS? Veja as simulações

Reforma do imposto protege quem tem dependentes a cargo, mas pode penalizar os restantes contribuintes. Função pública e pensionistas vão ter mais dinheiro disponível. Veja simulações para vários casos.

Tem três minutinhos? Vamos explicar-lhe o que muda no orçamento de 350 mil portugueses (e no de muitas empresas)

O novo salário mínimo entrou em vigor. São mais €20 brutos para cerca de 350 mil portugueses (números do Ministério da Segurança Social, porque os sindicatos falam em 500 mil trabalhadores). Mudou o valor, mas também os descontos que as empresas fazem para a Segurança Social. Porque se trata de uma medida que afeta a vida de muitos portugueses, queremos explicar o que se perde e o que se ganha, o que se altera e o que se mantém.

Music fighter: temos Marco Paulo e Bruno Nogueira numa batalha épica

Está preparado para um dos encontros mais improváveis na história da música portuguesa? O humorista Bruno Nogueira e a cantora Manuela Azevedo, dos Clã, pegaram em várias músicas consideradas "pimba" - daquelas que ninguém admite ouvir mas que, no fundo, todos vão dançar assim que começam a tocar - e deram-lhe novos arranjos, num projeto que chegou aos coliseus de Lisboa e do Porto.  "Ninguém, ninguém", de Marco Paulo, tem possivelmente a introdução mais acelerada e frenética do panorama musical português. Mas, no frente-a-frente, quem é o mais rápido? Vai um tira-teimas à antiga?

Dez verdades assustadoras sobre filmes de terror

Este vídeo é como o monstro de "Frankenstein": ganhou vida graças à colagem de partes de alguns dos filmes mais aterrorizantes de sempre. Com uma ratazana mutante e os organizadores do festival de cinema de terror MotelX pelo meio. O Expresso foi à procura das razões que explicam o fascínio pelo terror, com muito sangue (feito de corante alimentar) à mistura. 

A paixão do vinil

Se para muitos o vinil é apenas uma moda que faz parte da cultura do revivalismo vintage, para outros ver o disco girar nunca deixou de ser algo habitual.

Portugal foi herdado, comprado ou conquistado?

Era agosto em Lisboa e, às portas de Alcântara, milhares de homens lutavam por dois reis, participando numa batalha decisiva para os espanhóis e ainda hoje maldita. Aconteceu em agosto de 1580. Mais de 400 anos depois, o Expresso deu-lhe vida, fazendo uma reconstituição do confronto através do recorte e animação digital de uma gravura anónima da época.

O Maradona dos bancos centrais

Dizer que Mario Draghi está a ser uma espécie de Maradona dos bancos centrais pode parecer estranho. Mas não é exagerado. Os jornalistas João Silvestre e Jorge Nascimento Rodrigues explicaram porquê num conjunto de artigos publicado no Expresso em Novembro de 2013 e que venceu em junho deste ano o prémio de jornalismo económico do Santander e da Universidade Nova. O trabalho observa ainda o desempenho de Ben Bernanke no combate à crise, revisita a situação em Portugal e arrisca um ranking dos 25 principais governadores de bancos centrais. Republicamos os artigos num formato especial desenvolvido para a web.

Com Deus na alma e o diabo no corpo

Quem os vê de fora pode pensar que estão possuídos. Eles preferem sublinhar o lado espiritual e terapêutico desta dança - chamam-lhe "krump" e nasceu nos bairros pobres dos Estados Unidos. De Los Angeles para Chelas, em Lisboa, já ajudou a tirar jovens do crime. Ligue o som bem alto e entre com o Expresso no bairro. E faça o teste: veja se consegue ficar quieto.

O Cabo da Roca depois da tragédia que matou casal polaco

Os turistas portugueses e estrangeiros que visitam o Cabo da Roca, em Sintra, continuam a desafiar a vida nas falésias, mesmo depois da tragédia que resultou na morte de um casal polaco, cujos filhos menores estavam também no local. Durante a visita do Expresso, um segurança tentou alertar os turistas para o perigo e refere a morte do casal polaco. O apelo não teve grande efeito. Veja as imagens.

Ó Capitão! meu Capitão! ergue-te e ouve os sinos

Ele foi a nossa ama... desajeitada. Ele foi o professor que nos inspirou no liceu. Ele trouxe alegria, mesmo nas alturas mais difíceis. Ele indicou-nos o caminho na faculdade. Ele ensinou-nos a manter a postura, mas também a quebrar preconceitos. Ele ensinou-nos que a vida é para ser aproveitada a cada instante. Ó capitão, meu capitão, crescemos contigo e vamos ter de envelhecer sem ti. 


Comentários 51 Comentar
ordenar por:
mais votados
Sócrates trouxe a troika
Não foi Passos Coelho que levou Portugal á beira da bancarrota e à chegada inevitável da troika.É bom não esquecer isso porque há uma série de meninos que todos os dias tentam esconder a verdade dos factos,atirando para este Governo os problemas e a crise nacional.
Importa,para sermos séros politicamente,que ninguém se esqueça das politicas e dos politicos que conduziram Portugal ao estado em que se encontra.
E aí,meus senhores,está bem á frente Sócrates e os seus 6 anos de governação!
Re: Sócrates trouxe a troika
Sócrates trouxe a troika, e o resto dos politicos?
Re: Sócrates trouxe a troika
Re: Sócrates trouxe a troika
Re: Sócrates trouxe a troika
Re: Sócrates trouxe a troika
Re: Sócrates trouxe a troika
Re: Sócrates trouxe a troika
Sócrates trouxe a troika, e o resto dos politicos
Re: Sócrates trouxe a troika, e o resto dos politi
Re: Sócrates trouxe a troika
Re: Sócrates trouxe a troika
Re: Sócrates trouxe a troika
Re: Sócrates trouxe a troika
Re: Sócrates trouxe a troika
Re: Sócrates trouxe a troika
águia mude o disco, pf
Re: águia mude o disco, pf
Quem ganhou e quem perdeu?
Re: Quem ganhou e quem perdeu?
Re: Quem ganhou e quem perdeu?
Re: Quem ganhou e quem perdeu?
Re: Quem ganhou e quem perdeu?
Re: Quem ganhou e quem perdeu?
Humores
Só por humor negro se pode querer vender uma vitória do PR, neste episódio. De facto, provocou-o.Nunca devia ter permitido o avanço de algo com que discordava e de cuja constitucionalidade duvidava.Nem a desculpa do orçamento chega.

Quanto ao álibi governamental, já terei mais dúvidas.O dinheiro já não chega para 2012 pode aproveitar a boleia para rapar, já este ano, o Natal aos privados.

Quanto às tais gorduras e ninhos para boys, tudo leva a crer que ficarão imunes. .Faz parte da natureza dos nossos partidos de governo, existem para satisfazer clientelas, a governação é uma função secundária.Ausência absoluta de noção de serviço público.
A chegada ao topo dos originários das juventudes partidárias não augura nada de bom.......
Re: Humores
Re: Humores
Quem ganhou e quem perdeu?
Re: Quem ganhou e quem perdeu?
Re: Quem ganhou e quem perdeu?
Re: Quem ganhou e quem perdeu?
Re: Quem ganhou e quem perdeu?
Re: Quem ganhou e quem perdeu?
'TC: os ganhadores e os perdedores do costume
Também eu fiquei banzado. Mais, a "vitória" anunciada de cavaco Silva virou a minha opinião contra este, numa situação onde estava preparado para compreender a sua atuação (honra seja feita ao meu colega comentador moncaracho que nesse aspeto sempre foi virulentamente crítico dele): se o orçamento era assim tão obviamente constitucional, então devia ter sido mandado para o TC, óbvio... o Presidente só se sairia bem deste episódio se sustentasse a par das suas dúvidas sobre a constitucionalidade do orçamento, dúvidas sobre o caso contrário também, nem que fosse só para consumo público. Este "Eu bem vos disse" é praticamente uma confissão de "crime": o presidente permitiu a violação da constituição com consciência... e se isto aconteceu hoje, o que pode acontecer amanhã?

Mas Daniel, o senhor está numa posição privilegiada para saber de onde vêm este guião. É que da minha parte, a comunicação social que me pintou o caso como uma vitória do presidente, foi o... Expresso... onde colabora/trabalha, tanto na edição impressa como na SIC do mesmo grupo.

Porque entre várias matérias de interesse público a saber, eu elegeria este também: Seria legítimo apresentar o caso como justificando os comentários do presidente na altura, mas nunca como uma vitória do mesmo. É que até referências aos limites dos sacrifícios houve mas que me lembre, isso ocorreu perto da posse dele, não na discussão do orçamento.

Logo, porque é que o Expresso o fez?
MAIS UMA VEZ
A CONSTITUIÇÃO NÃO PODE TER APLICAÇÕES OU INTERPRETAÇÕES CONJUNTURAIS!!!

A QUEM COMPETE TRATAR DA CONJUNTURA É AO GOVERNO, E QUEM TEM PODERES PARA ALTERAR A CONSTITUIÇÃO É O PARLAMENTO, E É ASSIM NUM ESTADO DE DIREITO.

O TC TEM APENAS COMO FUNÇÃO ASSEGURAR O CUMPRIMENTO RIGOROSO DA CONSTITUIÇÃO, TAL COMO O PRESIDENTE DA REPÚBLICA, QUE DEVE SER O "GUARDA-NOCTURNO" COM O APITO PARA CHAMAR A POLÍCIA QUE É O TC!!!

A CONSTITUIÇÃO PODE E DEVE EVOLUIR, MAS QUANDO TAL FOR DECIDIDO DE FORMA DEMOCRÁTICA. ENQUANTO NÃO FOR ALTERADA DEVE PERMANECER IMUTÁVEL E NÃO PODE SER INTERPRETADA EM FUNÇÃO DAS CIRCUNSTÂNCIAS, MAS APENAS DOS FACTOS E DOS ACTOS LEGISLATIVOS QUE A POSSAM CONTRARIAR, E SÃO ESTES QUE DEVEM SER ALTERADOS, SE FOR CASO DISSO!!!
SÓ PASSOU 1 ANO E JÁ NINGUEM SE LEMBRA DELE
É bom NÃO esquecer QUEM conduziu PORTUGAL ao mais miserável dos DESCALABROS. Uma QUESTÃO q ALGUNS EVITAM A TODO O CUSTO FALAR É POR QUE RAZÃO SOCRATES NÃO ESTÁ EM PORTUGAL? Eu sei! Peçam ao fugitivo d Paris os 90,000 milhões d euros q aumentou na dívida pública entre 2005 e 2010.Peçam ao fugitivo d Paris, q decidiu nacionalizar o BPN, colocando-o às costas do contribuinte, aumentando o seu buraco em 4300milhões em 2 anos, e fornecendo ainda mais 4000 milhões em avales da CGD q irão provavelmente aumentar a conta final para perto d 8000 milhões, depois d ter garantido q não nos ia custar um euro. Peçam ao fugitivo d Paris os 695 milhões d derrapagens nas PPPs só em 2011. Peçam ao fugitivo d Paris, q graças às suas brilhantes PPPs fez aumentar o custo do Campus da Justiça d 52 para 235 milhões. Peçam ao fugitivo d Paris os 1300 milhões q um banco público emprestou a uns amigos do partido p comprarem acções d um banco privado rival, q agora valem pouco mais q zero. Quem paga? O contribuinte. É DINHEIRO Q AGORA FAZIA FALTA! Peçam ao fugitivo d Paris os 450 milhões injectados no BPP p pagar os salários dos administradores nomeados p “acautelar” os interesses do Estado. Peçam ao fugitivo d Paris os 587 milhões q gastou no OE de 2011 em atrasos e erros de projecto nas SCUTs Norte. Peçam ao fugitivo d Paris os 200 milhões d euros que ?desapareceram? entre a proposta e o contrato da Auto-estrada do Douro Interior. Peçam ao fugitivo d Paris os 5800 milhões em impostos q anulou
R:SÓ PASSOU 1 ANO E JÁ NINGUEM SE LEMBRA DELE 2
Re: R:SÓ PASSOU 1 ANO E JÁ NINGUEM SE LEMBRA DELE
Re: R:Sei... estao em Portugal
Re: R:SÓ PASSOU 1 ANO E JÁ NINGUEM SE LEMBRA DELE
Re: R:SÓ PASSOU 1 ANO E JÁ NINGUEM SE LEMBRA DELE
DO
Estamos no bom caminho, veja que antigamente era com manteiga agora já estamos melhores é com vaselina?
jogada politica
isto foi uma jogada politica para ir ao bolso a todos. duvido que cavaco e passos nao soubessem que nao ia passar no TC e tenho quase a certeza de que essa era a sua intençao. agr a opiniao publica é q tem de abrir os olhos e nao deixar os culpados passar impunes. e isto serve de liçao ao sector privado que enquanto iam ao bolso dos funcionarios publicos estava tudo bem, mas agora o bolso deles tb começa a esvaziar...
Os treinadores de bancada
Segundo DO, o governo poderia fazer outras escolhas, isto é, ele sabe o que não sabem os ministros das finanças e os técnicos que todos os dias lidam com estas situações e que têm formação adequada na matéria. Ou seja se eles fizessem as escolhas que DO aconselha, os problemas desapareciam como que por magia.
Re: Os treinadores de bancada
Quem ganhou e quem perdeu?
. Ganharam os Funcinários Públicos e Pensionistas que em princípio ficrão com a carga mais aliviada;

. Ganhou o Governo porque fica com alibi para aumentar impostos;

. Perderam os trabalhadores do Privado porque vão ver a sua carga fiscal ainda mais aumentada. E porconseguinte os seus rendimentos ainda mais reduzidos;

. Perde a economia Nacional que vai sofrer uma recessão ainda mais agravada;

. Perdem os trabalhadores do Privado por que muitos verão aumentada a probabilidade de serem despedidos ( mais recessão, logo ...)

. Perde o Estado porque com mais recessão vai ter menos receitas.

Ou seja perde-se mais do que se ganha. Viva a constuição!

O que há a dizer sobre o asunto é isto. É muito simples. O resto é conversa de encher chouriços para a rapaziada "chipada" dos partidos. Que não têm mais nada dentro da cabeça que não seja a convera pró ou contra que previamente lhes carregaram no chip!
Vitória ou confissão pública
...
Num país a sério, O sr. presidente arriscava uma impugnação!

Num misto de ingenuidade, arrogância, oportunismo e tantas outras facetas menos recomendáveis ... apressou-se a vir a público dizer que sabia e estava convencido da inconstitucionalidade - tinha CONSCIÊNCIA da inconstitucionalidade. Tentou salvar um Orçamento inconstitucional.

Nada fez para defender a constituição.

Como oportunamente lembrou Gerónimo de Sousa, o presidente JUROU defender, cumprir e fazer cumprir a CONSTITUIÇÃO!

Nada fez - faltou ao juramento!

A confissão pública é sua!

Re: Vitória ou confissão pública - errata
Liberalismo? Onde?
Não sei se a receita sugerida pelo Daniel Oliveira chega para compensar a reposição dos subsídios de férias e Natal aos funcionários públicos. Mas sim, concordo que teria de ser por aí que se teria de começar.

A parte mais interessante do post é aquela em que Daniel Oliveira declara ter consciência de que o jornalismo que temos hoje é uma mera correia de transmissão das agências de comunicação, pagas a peso de ouro por tudo o que é beneficiário da economia rentista em que Portugal.

Só é pena é ele achar que isto tem alguma coisa a ver com liberalismo.
Internamento dos loucos.

Daniele,

Concordo consigo em tudo. Pecado que hajam pessoas que não compreendem a realidade ou estão fora da realidade quase como se fossem desprovidas de inteligência e intelecto.
Suas palavras abaixo são tão claras e concisas que todos deveriam estar cientes do valor delas.
"A decisão de criar mais um imposto não resulta de nenhuma recomendação dos juízes do TC. É a escolha de continuar a loucura de destruir a economia para pagar a dívida, depauperando, por perdas fiscais permanentes que resultam de um ataque ao consumo interno, as contas públicas e pondo em causa o pagamento dessa mesma dívida".

De facto continuar a seguir este caminho é deveras uma MERA LOUCURA.

Comentários 51 Comentar

Últimas


Edição Diária 17.Abr.2014

Leia no seu telemóvel, tablet e computador
PUBLICIDADE

Pub