Siga-nos

Perfil

Expresso

Sociedade

STCP. Do Porto até Lisboa para invadir o ministério e agendar uma reunião

  • 333

Cansados de esperar em vão por uma resposta para os graves problemas da Sociedade de Transportes Coletivos do Porto, duas dezenas de trabalhadores forçaram esta tarde a entrada nas instalações do Ministério da Economia. Braço de ferro levou o secretário de Estado Sérgio Monteiro a agendar uma reunião para o próximo dia 17.

Isabel Paulo

Isabel Paulo

Jornalista

Cerca de 20 trabalhadores da Sociedade de Transportes Coletivos do Porto (STCP) foram, esta terça feira, recebidos pelo chefe de gabinete do secretário de Estado dos Transportes, após terem exigido falar com Sérgio Monteiro.

Pedro Silva, coordenador da Comissão de Trabalhadores da STCP, lamentou que tenha sido preciso recorrer a uma medida de força para reunir com a tutela, depois de dezenas de pedidos, até agora ignorados, para serem recebidos.

Além da sempre contestada subconcessão da STCP a privados, Pedro Silva referiu à Lusa que os trabalhadores querem saber qual o rumo da empresa e qual vai ser a solução para "a falta de efetivos, que faz com que cerca de 200 serviços fiquem por fazer diariamente".

A redução de carreiras e incumprimento de horários por falta de trabalhadores tem provocado esperas nas paragens de 30 a 50 minutos, situação que está na origem do crescendo de agressões verbais e físicas aos motoristas.

"Os utentes veem-se privados de transporte público e os trabalhadores são confrontados diariamente com agerssões verbais e físicas. Os motoristas são os primeiros a serem confrontados com a insatisfação dos utentes", afoirma Pedro Silva,

A derrapagem nos serviços da STCP não é nova. Há mais de um ano, Mário Ramos, motorista e delegado sindical do Sindicato dos Transportes Rodoviários e urbanos do Norte denunciou ao Expresso o aumento de participações devidas a intimidação aos motoristas em serviço, queixas transmitidas sem resposta à administração da STCP.

A deslocação dos trabalhadores esta terça-feira até Lisboa acabou por surtir efeito, tendo ficada marcada para dia 17 uma reunião com Sérgio Monteiro.

No final de março, a Comissão de Trabalhadores e representantes sindicais acusaram o Governo e a administração da STCP de "ignorarem" as queixas de falta de segurança com que vivem dia a dia os funcionários da empresa.