Siga-nos

Perfil

Expresso

Sociedade

Sindicato do INEM apresenta queixa à Inspeção da Saúde contra desvio de ambulância

  • 333

O sindicato frisa que os técnicos de emergência têm de cumprir regras impostas por lei, que impedem que as substituições de equipa se realizem no decorrer de um serviço

José Ventura

O caso envolveu a viatura médica de emergência e reanimação (VMER) de Gaia, que acompanhava uma ambulância com uma doente para o hospital de Santo António (Porto). Segundo a queixa, quando a ambulância parou numa passagem de nível fechada, a condutora da VMER (enfermeira e mulher do presidente do INEM) decidiu alterar a rota para que a equipa fosse rendida.

Um sindicato do INEM pediu à Inspeção-geral da Saúde para averiguar o desvio de uma ambulância com uma doente prioritária, que terá ocorrido para que a mulher do presidente do Instituto Nacional de Emergência Médica entrasse a horas no hospital onde trabalha.



Na queixa enviada à Inspeção-geral da Saúde (IGAS), a que a agência Lusa teve acesso, o Sindicato dos Técnicos de Ambulância e Emergência (STAE) refere que, "sendo a doente considerada prioritária, nunca poderia existir qualquer desvio do percurso, dado que se corria o risco de a doente sofrer consequências mais graves".



O caso ocorreu na última segunda-feira, pelas 13h, e envolveu a viatura médica de emergência e reanimação (VMER) de Gaia, que acompanhava uma ambulância com a doente para o hospital de Santo António (Porto). Segundo a carta do sindicato, quando a ambulância teve de parar numa passagem de nível fechada, a condutora da VMER (enfermeira e mulher do presidente do INEM) decidiu alterar a rota para que a equipa fosse rendida.



Ainda de acordo com o STAE, foi o próprio presidente do INEM que transportou a equipa que ia substituir a da sua mulher, tendo-a depois levado ao hospital de Gaia, onde iria entrar ao serviço. A queixa refere também que o presidente do INEM, Paulo Campos, entrou na ambulância para cumprimentar toda a equipa e a doente.



"O INEM decidiu desviar uma doente prioritária para a enfermeira, esposa do major Paulo Campos, entrar ao serviço pontualmente, no bloco operatório do hospital onde trabalha", diz a carta.



O sindicato frisa que os técnicos de emergência têm de cumprir regras impostas por lei, que impedem que as substituições de equipa se realizem no decorrer de um serviço: "O INEM (...) violou a legislação vigente, os direitos dos utentes, colocando em causa a saúde e a vida da vítima que era transportada". O STAE pede à IGAS que averigue a situação e que tome medidas para sancionar o ocorrido.



Segundo o gabinete de comunicação do INEM, a doente em causa foi estabilizada e transportada em segurança pelas equipas do INEM. Numa resposta à Lusa, acrescenta ainda que o presidente do Instituto Nacional de Emergência Médica "não telefonou ao meio de emergência", não teve qualquer intervenção neste transporte, nem na rendição da equipa.



O INEM frisa que a gestão das equipas de médicos e enfermeiros que tripulam as VMER cabe aos hospitais aos quais as viaturas se encontram adstritas.