Siga-nos

Perfil

Expresso

Sociedade

Rui Moura ( 1930-2010)

Climatologista Rui Moura, opositor das teorias do aquecimento global por ação humana, morreu no domingo, aos 80 anos, no Hospital de Santa Maria, em Lisboa, onde se encontrava internado.

Engenheiro eletrotécnico de formação, especializou-se mais tarde em Energia e depois em Climatologia. Rui Moura foi professor no Instituto Superior Técnico e destacou-se nos últimos anos pelo combate às teorias de Al Gore, ex-vice-Presidente norte-americano, sobre o aquecimento global que considerava alarmistas.

"Chegou à conclusão que essas teses alarmistas não tinham bases científicas", disse à agência Lusa Jorge Pacheco Oliveira, o amigo, também engenheiro eletrotécnico, com quem criou o blogue "Mitos Climáticos" e traduziu o livro "A Ficção Científica de Al Gore". 

"Manteve-se na área dos críticos que não acreditavam naquilo e a ciência nisso deu-lhe inteira razão", referiu Jorge Oliveira. 

Alterações fazem parte da natureza 

Rui Moura defendia que as alterações climáticas fazem parte do ciclo natural da Terra. O planeta, frisou Jorge Oliveira, sofreu alterações climáticas ao longo de milhões de anos que "nada tiveram a ver com a ação do homem". 

"Havia meia dúzia de homens ao cimo da planeta e as variações climáticas eram extremas", exemplificou. Esta é "de facto uma razão para acreditar que as alterações climáticas têm outra razão que não a ação do homem", sustentou. 

Para Jorge Oliveira, há climatologistas a ganhar dinheiro com estudos sem fundamento: "A quantidade de dióxido de carbono que existe na atmosfera é de tal forma colossal que a quantidade lançada pelo homem é uma gota de água relativamente ao que já lá está" e que dificilmente poderia ter essa influência, afirmou.