Siga-nos

Perfil

Expresso

Sociedade

Mulher condenada a 20 anos por ter envenenado o filho menor ao longo de 5 anos

  • 333

Será um caso particularmente bizarro e macabro da síndroma de Münchausen, em que alguém finge uma doença para obter a atenção das outras pessoas.

Luís M. Faria

Jornalista

"O meu filho é Tudo!!! Adoro-o tanto :)"; "O meu doce anjo está no hospital pela 23ª vez (Por favor, rezem para ele voltar a casa depressa...)". Eram mensagens destas que Lacey Spears colocava no Twitter. O seu filho menor, Garnett, estava sempre doente e a ter de ir para o hospital. A certa altura, Lacey abriu um blogue, Garnett's Journey, onde punha imagens adoráveis de um menino louro a brincar - acompanhadas de referências aos sofrimentos dele.



O blogue despertou a simpatia de muita gente que acompanhou a curta vida de Garnett. Em 2014, com apenas cinco anos, o miúdo morreu. Só então o hospital descobriu a extraordinária quantidade de sódio que havia no seu corpo.



Ao que parece, a mãe andava a envenená-lo praticamente desde que nasceu. Disse no hospital que ele recusava comer e conseguiu que lhe dessem o necessário para o alimentar através de uma sonda gástrica. Na comida punha sal em quantidade e frequência suficientes para fazer com que o filho andasse sempre doente. Ao mesmo tempo abriu o blogue, onde não demorou a ter seguidores.



O juiz no tribunal de White Plains, no estado de Nova Iorque, condenou-a a 20 anos de prisão por homicídio. Explicou que a pena não era maior porque a mulher tinha claramente uma doença mental - o chamado síndroma de Münchausen, em que alguém finge uma doença para obter a atenção das outras pessoas. No caso, era a versão da doença em que a pessoa não atribui a doença a si própria mas a interposta pessoa, neste caso um filho.



O juiz acrescentou que o crime era "incompreensível na sua crueldade" e que Garnett havia sofrido cinco anos de dor, mas que Lacey ia receber aquilo que não concedera ao filho - misericórdia. Contudo, os advogados de Lacey recusaram a explicação da doença, continuando a negar que ela tivesse feito mal ao filho intencionalmente. Mas os factos tornam difícil encontrar outra explicação.