Siga-nos

Perfil

Expresso

Sociedade

José Quitério dedica Prémio Universidade de Coimbra ao seu pai

  • 333

Tiago Miranda

"Dedico este prémio à memória do meu pai, António Quitério, que quase há um século andou por esta sua querida Coimbra."

O jornalista e gastrónomo José Quitério, distinguido hoje com o Prémio Universidade de Coimbra (UC), dedicou o galardão ao seu pai, António Quitério, que há meio século obteve duas licenciaturas na instituição.

"Que as paredes desta instituição não se revolvam de vergonha" perante este "facto singular", disse José Quitério, ao receber o prémio das mãos do reitor João Gabriel Silva, que hoje tomou posse para um segundo mandato de quatro anos.

Ao agradecer a distinção, o galardoado definiu-se como "um pobre rapaz" oriundo de Tomar que não chegou a licenciar-se, apesar de ter frequentado a universidade, tendo enveredado pela carreira de jornalista e optado depois pela especialização em gastronomia portuguesa, especialmente enquanto cronista do semanário Expresso.

"Uma coisa tão comezinha como discretear por temas como cozinha, vinhos e correlativos", ironizou. O homenageado agradeceu o empenho das pessoas envolvidas na candidatura da sua obra (jornalismo, gastronomia e literatura) ao Prémio Universidade de Coimbra, com destaque para o jornalista Fortunato da Câmara, que fez questão de mencionar como camarada, e o embaixador Francisco Seixas da Costa.

"Dedico este prémio à memória do meu pai, António Quitério, que quase há um século andou por esta sua querida Coimbra", onde concluiu as licenciaturas de Direito e Matemáticas, afirmou.

Sem formalidades, falando de pé, encostado à mesa da presidência da sessão, José Quitério simulou um diálogo com o seu pai, como se ele estivesse a censurá-lo - e simultaneamente a saudá-lo - por não ter terminado o curso superior, mas ainda assim ter obtido décadas mais tarde o prémio da UC, patrocinado pelo banco Santander Totta, no valor de 25 mil euros ."Aguenta-te, Zé!", terá exigido de longe António Quitério, ao que o filho respondeu com firmeza "Tentarei aguentar-me, pai", suscitando uma ovação do público.

Na cerimónia, no auditório da Reitoria da Universidade, o presidente do conselho geral da UC, Emílio Rui Vilar, defendeu que a proposta da instituição de assumir-se como "Universidade Global", assente em "novos critérios" de qualidade, "implica maior aprofundamento no respetivo conteúdo e modo de realização, tal como tem de ganhar uma gradual adesão no interior da instituição, sem o que dificilmente logrará êxito".

José Quitério foi apresentado pelo engenheiro José Bento dos Santos. "A grande lição do José Quitério foi ensinar-nos a discutir o gosto", disse.Para José Bento dos Santos, o homenageado, com "o conhecimento que lhe permite ser uma autoridade" na matéria, "ajudou a criar entre nós uma consciência e um orgulho por essa mesma arte" gastronómica. Quitério tem "a sabedoria e a erudição para saber distinguir o bom do melhor", tendo alcançado uma autoridade "que lhe advém da sua coerência".

A sua obra "deu um contributo e inestimável à nossa cultura gastronómica" e à cultura em geral, acrescentou. Fundada em 1290, pelo rei D. Dinis, como Estudo Geral, a Universidade de Coimbra celebrou hoje o seu dia oficial, tendo o reitor tomado posse de manhã, na Sala dos Capelos.