Siga-nos

Perfil

Expresso

Sociedade

João Morais (1935-2010)

João Morais, à esquerda, com Carlos Gomes e Hilário

DR

João Morais, autor do golo eternizado como "cantinho do Morais" que deu a Taça das Taças ao Sporting em 1964, morreu terça feira, vítima de cancro. (Veja o vídeo com a reportagem da final da Taça das Taças e o golo de canto directo no fim da notícia).

O antigo futebolista João Morais, autor do golo que deu a Taça das Taças ao Sporting em 1964, morreu terça feira, no Porto. Nascido em Cascais, a 6 de março de 1935, João Morais, 75 anos, que estava internado no Instituto Português de Oncologia do Porto há mais de uma semana, morreu cerca das 22h de terça feira, não estando ainda marcado o funeral. 

O antigo internacional português deu ao Sporting o seu único título continental, ao apontar de canto direto o golo da vitória sobre o MTK de Budapeste, na finalíssima da Taça das Taças de 1963/64, a 15 de maio, em Antuérpia. Dois dias antes daquele que ficaria para a história como o "cantinho do Morais", Sporting e MTK empataram 3-3 na final, em Bruxelas. Pelo caminho, o Sporting deixou o Manchester United e o Lyon. 

O "cantinho de Morais" imortalizou numa só expressão a única conquista no futebol europeu do Sporting, a Taça das Taças de 1964, ganha com um golo de canto direto batido pelo pé direito de João Morais. A fratura de uma perna de Hilário, três dias antes da final, empurrou Morais para a titularidade e o canto catapultou-o para a glória. 

"Magriço" que lesionou Pelé em 1966

Além da única Taça das Taças conquistada por clubes portugueses, João Morais sagrou-se duas vezes campeão nacional pelos "leões", em 1961/62 e 1965/66, e venceu uma Taça de Portugal, na época de 1962/63. Durante as 11 épocas de "verde e branco", entre 1958 e 1969, o "todo-o-terreno" João Morais, que jogava em ambas as alas, tanto ao ataque como na defesa, acabou a carreira, disputou 255 jogos e marcou 66 golos. 

Antes de chegar aos "leões", jogou no Sporting de Alcabideche, Estoril-Praia e Torreense e, já no final da carreira, no Rio Ave, que também treinou.

Envergou a camisola das seleção nacional de futebol em dez ocasiões e fez parte dos "Magriços" que concluíram o Mundial de 1966 na 3ª posição, tendo sido responsabilizado pela lesão de Pelé, no jogo que Portugal venceu por 3-1.

*** Este texto foi escrito ao abrigo do Novo Acordo Ortográfico ***