Siga-nos

Perfil

Expresso

Sociedade

Japonesa mata seis homens que conheceu pela Internet

Kamae Kijima aproximava-se das vítimas através de páginas de relacionamento e matava-as de forma requintada depois de obter avultadas somas de dinheiro.

Maria Luiza Rolim(www.expresso.pt)

A cidade japonesa de Tottori está em estado de choque. A polícia local prendeu uma mulher suspeita de ter assassinado pelo menos seis homens que teria conhecido pela Internet. Até então, Kamae Kijima, 35 anos, era uma mulher pacata que tinha um blogue sobre culinária e trabalhava num bar.

Segundo a notícia divulgada pela imprensa japonesa, Kamae Kijima apoximava-se de homens solitários atarvés da web, atraía-os para encontros na vida real e depois de obter benefícios em dinheiro livrava-se deles. De acordo com a polícia, os crimes foram cometidos com doses de requinte, de modo que as mortes parecessem ter ocorrido por acidente ou suicídio.  

Golpes bem arquitectados

A vítima mais recente foi um empresário de 41 anos, encontrado morto por asfixia com monóxido de carbono no banco traseiro de um carro. Embora aparentemente se pudesse tratar de suicídio, outros pormenores chamaram a atenção. A chave do carro não estava na ignição, a vítima não deixou nenhuma mensagem e a polícia veio a descobrir que, na véspera, o homem havia transferido 5 milhões de ienes para Kijima. 

Além disso, os resultados de uma autópsia revelaram que o sangue da vítima continha vestígios dos mesmos tranquilizantes que haviam sido prescritos para a mulher, e que foram encontrados na casa dela.

O caso foi a ponta do iceberg. A partir daí a polícia conseguiu relacionar o nome de Kijima ao de outros homens que haviam aparecido mortos em circunstâncias no mínimo estranhas.

Um desses homens tinha 80 anos. Kenzo Ando morreu num incêndio na sua casa, onde Kijima havia estado nesse mesmo dia. A autópsia também revelou vestígios dos mesmos tranquilizantes que ela tomava.

Desde que a mulher japonesa foi presa, a lista de vítimas não tem parado de aumentar. Incluindo um jornalista que foi atropelado por um comboio, um polícia encontrado enforcado e um outro homem que morreu por afogamento.

A todos, Kijima contava a mesma história: que casaria com eles após concluir os estudos e que precisava de dinheiro para pagar as propinas da faculdade.