Siga-nos

Perfil

Expresso

Sociedade

Jaime Salazar Sampaio (1926-2010)

Poeta e dramaturgo Jaime Salazar Sampaio morreu ontem aos 84 anos. Velório decorre no edifício 2 da SPA e o funeral sai amanhã para o cemitério do Alto de São João, em Lisboa. 

O poeta e dramaturgo Jaime Salazar Sampaio morreu na terça-feira em Lisboa aos 84 anos, informou a Sociedade Portuguesa de Autores (SPA). 

Jaime Salazar Sampaio nasceu em Lisboa a 05 de maio de 1925. Formado em engenharia, foi nas artes de palco que se distinguiu, tanto na criação como na tradução de dramaturgias estrangeiras, de autores como Samuel Beckett e Harold Pinter. 

Dramaturgia foi resistência à ditadura 

De acordo com o Centro de Estudos de Teatro, Jaime Salazar Sampaio estreou-se no Teatro Nacional em 1961 com a peça "Pescador à linha". 

Em 1969 viu encenada a peça "Os Visigodos", também pelo Teatro Nacional, e em 1970 "A batalha naval", pela Casa da Comédia.  

Só com a mudança de regime, em 1974, é que as suas peças regressam aos palcos.

No total, mais de 60 espetáculos foram produzidos a partir de textos seus, como "Fernando talvez Pessoa" (1983), pelo Teatro Nacional D. Maria II, "O pescador à linha (sem deus nem chefe)" (1998), pelos Artistas Unidos, e "Árvores, verdes árvores" (2008), pelo Teatro Independente de Loures.

Num estudo publicado em 2003, a investigadora Maria João Brilhante refere que Jaime Salazar Sampaio foi influenciado pelo teatro do absurdo e que a sua dramaturgia "constituiu um ato de resistência contra a censura, o que justifica em parte a ambiguidade e o hermetismo dos seus textos de antes da revolução". 

Projeto político 

"O seu projeto não era menos político ao denunciar o desconcerto dos valores humanos no seio de uma sociedade burguesa que pactuava com o fascismo, por temer a desordem e a diferença", defendeu a investigadora do Centro de Estudos de Teatro. 

Em 1999 Jaime Salazar Sampaio recebeu o Grande Prémio de Teatro da Associação Portuguesa de Escritores pela obra "Um homem dividido", em 2005 foi distinguido com a medalha de honra da Sociedade Portuguesa de Autores. 

Colaborou durante duas décadas com a SPA, organizando dezenas de sessões do ciclo "Dramaturgia e Prática Teatral".  Além de teatro, publicou poesia como "Poemas Propostos" (1954) e "Silêncio de um Homem" (1960). 

Clique para ler a Nota da Direcção do Expresso sobre o novo Acordo Ortográfico.