Expresso

Siga-nos

Perfil

Perfil

Sociedade

Hoje é o dia do iPhone 5

  • 333

O novo modelo do smartphone da maçã deverá ter um ecrã maior, um processador mais potente, suportar 4G e custar, pelo menos nos EUA, o mesmo que o antecessor.

Yerba Buena Center for the Arts, São Francisco, Califónia, 12 de setembro, 10 horas (18 em Lisboa). Está marcado o anúncio para o "espetáculo" de apresentação da nova versão do smartphone da moda, o iPhone da tecnológica norte-americana Apple. Em cima do palco estará o diretor executivo, Tim Cook.

Porque a tradição ainda é o que era, ao longo dos últimos dias foram divulgados nos blogues de tecnologia diversos rumores e fugas de informação.

O site iMore, por exemplo, revelou imagens do novo aparelho. Nas fotos surge um modelo branco de tampa traseira metalizada, com um desenho mais fino e comprido e, ao que tudo indica, com um ecrã de maiores dimensões em formato wide (16:9), havendo quem fale em 4 polegadas com uma resolução de 1.136 x 640 pixels.

Segundo o site 9To5Mac, assim que terminar a apresentação já será possível encomendar o novo iPhone que deverá custar 199 dólares (155 euros) se tiver 16 GB de memória, 600 dólares (467 euros) os de 32 GB e 800 dólares (625 euros) o de 64GB. A confirmar-se, a Apple mantém os preços cobrados pelo iPhone 4S.

A 21 de setembro, nove dias depois do anúncio oficial, a sexta versão do popular smartphone da macã estará nas lojas.

Processador de quatro núcleos

O novo modelo deverá ter instalada a versão 6 do sistema operativo iOS e um processador de quatro núcleos. Noticia o "The Wall Street Journal", que cita fontes ligadas à empresa criada por Steve Jobs, Steve Wozniak e Ronald Wayne, que o novo iPhone irá suportar as redes 4G.

Mais informaram as mesmas fontes que o aparelho será compatível com as redes de diversas operadoras, procurando a Apple, neste momento, adaptar os seus telefones às diferentes frequências usadas a nível mundial.

Se as previsões otimistas da consultora de mercado Piper Jaffray se confirmarem, a Apple poderá vender, logo na primeira semana, dez milhões de unidades, daquele que poderá ser batizado como iPhone 5. Do seu antecessor foram vendidos quatro milhões em apenas três dias.