Siga-nos

Perfil

Expresso

Sociedade

Há cada vez mais pais em rutura financeira por ajudarem filhos desempregados

Número de pedidos de apoio por sobreendividamento não cresceu, mas mudaram as razões para as pessoas recorrerem à Deco. Ajudar os filhos que tiveram de regressar a casa ou entrar em dificuldades por causa de penhoras, são duas razões que se evidenciam.

É cada vez maior o número de pessoas mais velhas a entrarem em rutura financeira por ter de apoiar os flhos desempregados, que regressam a casa. A realidade, denunciada pelo Gabinete de Apoio ao Sobreendividado (GAS), da Deco, faz as manchetes das edições desta segunda-feira do "Diário de Notícias" e do "Jornal de Notícias".

De acordo com os números publicados,o GAS recebeu 7354 pedidos de ajuda no primeiro trimestre de 2015. O total é semelhante ao contabilizado no ano passado, mas alteraram-se as razões na sua origem. Além do apoio aos filhos, as dificuldades financeiras decorrentes de penhoras - geralmente pela incapacidade de cumprir com o pagamento de créditos - é outra das causas a ganhar expressão.

Assim, ainda que o desemprego e a deterioração das condições de trabalho continuem a ser os motivos principais para os pedidos de intervenção do GAS, a percentagem dos processos abertos por estas razões baixou, passando para cerca de 30% (em 2013 o desemprego originou 35% de pedidos e a deteriorazção das condições de trabalho, 34%).

Em sentido inverso, escrevem ambos os jornais, as dificuldades financeiras por causa de penhoras representam este ano 12% (contra 6% em 2013), havendo também mais pessoas a somar dívidas por terem aceite ser fiadoras.

A Deco sublinha que continua a receber demasiado tarde muitos dos pedidos, já que nada pode fazer quando as famílias têm já processos a decorrer em tribunal ou estão próximo da insolvência, o que acontece em 26,2% e 25,6% respetivamente.

Quanto ao perfil de quem recorre ao GAS, 41,4% dos pedidos de ajuda foram encaminhados por trabalhadores do setor privado, 25,2% por reformados e 13,1% por desempregados.

Os dados da Deco revelam ainda que em 32,5% dos casos estão pessoas com rendimentos até 505 euros e em 36,6% das situações, até 1010 euros.