Siga-nos

Perfil

Expresso

Sociedade

Fotógrafo premiado com Pulitzer morre na Libéria

O fotógrafo Michel Du Cille premiado com três prémios Pulitzer morreu esta quinta-feira enquanto fotografava vítimas do ébola Libéria

JULIA EWAN/EPA

Michel du Cille, o fotojornalista do "Washington Post" que venceu três vezes o prémio Pulitzer, a maior distinção da imprensa norte-americana, morreu esta quinta-feira de ataque cardíaco, quando fotografava o surto de ébola na Libéria.

Du Cille, de 58 anos, encontrava-se a trabalhar com um repórter numa região remota do país quando caiu inanimado, durante o percurso de regresso à vila, descreve o próprio jornal. Foi transportado durante duas horas até ao hospital mais próximo, mas não resistiu.

Original da Jamaica, foi galardoado duas vezes com o prémio Pulitzer, o título mais importante concedido ao jornalismo norte-americano, quando trabalhava no jornal Miami Herald, na década de oitenta e uma terceira vez já em Washington, em 2008.

O fotojornalista é recordado no "Washington Post" pelas suas "imagens dramáticas da luta e do triunfo humano". O editor executivo do jornal, Martin Baron, descreveu-o como "um dos fotógrafos mais talentosos do mundo". "Era totalmente devoto à história do ébola e estava determinado a segui-la, apesar dos riscos. Este é o tipo de coragem e paixão que demonstrou durante toda a sua carreira", acrescentou.

Apaixonado pela luta contra o ébola

Na Libéria, Du Cille usava equipamentos de proteção no corpo inteiro e agarrava nas suas câmaras com luvas de borracha. Fotografou pacientes contaminados, mas também conseguiu transmitir a carga emocional da doença sobre as famílias das vítimas.

Du Cille escreveu para o "Washington Post" em outubro dizendo que "é profundamente difícil não ter sentimento humano durante a cobertura da crise do ébola". E acrescentou ainda: "Às vezes, a dureza de uma cena horrível simplesmente não pode ser higienizada... Mas eu acredito que o mundo deve ver os efeitos horríveis e desumanos do ébola". Transmitir esta realidade nas suas fotografias era um dos objetivos do fotojornalista.

Michel du Cille era casado com Nikki Kahn, também fotógrafa do "Washington Post" e tinha dois filhos de um casamento anterior.