Siga-nos

Perfil

Expresso

Sociedade

Fim da brincadeira. IKEA proíbe clientes de jogarem às escondidas dentro das lojas

  • 333

Roupeiros, frigoríficos, gavetas por baixo de camas e até cestos de brinquedos à venda no IKEA, tudo valia para os visitantes se esconderem

YURI KOCHETKOV/EPA

O fenómeno cresceu tanto em tão pouco tempo nas redes sociais que os riscos se começavam a tornar imprevisíveis para a multinacional sueca.

Luís M. Faria

Jornalista

É uma razão a menos para ir ao IKEA. O vendedor mundial de mobiliário sueco anunciou que vai deixar de permitir aos visitantes... jogarem às escondidas dentro das suas lojas. A notícia é mesmo verdadeira, caro leitor, não estamos a alinhar na brincadeira.



De há uns meses para cá, em países como a Bélgica e a Holanda, formou-se um verdadeiro culto em torno desse tipo de eventos no interior das lojas IKEA. Dois que estavam planeados para maio, em Breda e Eindhoven, tinham já confirmada a presença de dezenas de milhares de pessoas, que se inscreveram em páginas de Facebook estabelecidas para o efeito.



A IKEA adota uma política geralmente liberal em relação ao comportamento dos clientes, e a disposição das lojas, com as suas características labirínticas, presta-se a jogos coletivos. A quantidade de objetos grandes que se veem por todo o lado também estimula a criatividade. Roupeiros, frigoríficos, gavetas por baixo de camas e até cestos de brinquedos eram usados para as pessoas se esconderem. Justamente por isso, punham-se problemas de segurança, que a empresa agora invoca para explicar a proibição.



"Precisamos de ter a certeza de que as pessoas estão seguras nas nossas lojas", explica a porta-voz do gigante sueco, Martina Smedberg. "E isso é difícil de executar se nem sequer sabemos onde elas se encontram", argumenta.



Mas nem toda a gente vai aceitar bem a proibição. "Às vezes apetece fazer coisas infantis", diz o organizador de um dos eventos cancelados. "O IKEA é como uma sala de estar extremamente grande". [E pelos vistos apelativa a outros propósitos, acrescentamos nós...] Conclusão: mesmo na sala de estar pode haver acidentes.