Siga-nos

Perfil

Expresso

Sociedade

Felicidade? Portugal ocupa o 88º lugar da lista

  • 333

A informação é avançada pelo "World Happiness Report 2015", divulgado esta semana, que mede o Índice de Felicidade de 158 países.  

Portugal é o 88º país com o maior Índice de Felicidade, segundo o "World Happiness Report 2015", que divulga um conjunto de indicadores para medir a felicidade de 158 nações. O estudo de 172 páginas, apresentado pelos economistas Jeffrey Sachs, da Universidade de Columbia, Richard Layard, da London School of Economics, e John Helliwell, da Universidade Columbia britânica, recorre a parâmetros definidos pela Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Económico (OCDE) para definir o "bem-estar subjetivo" de cada pessoa.  

No topo da lista dos países mais felizes está a Suíça, que rouba o lugar à Dinamarca - que passa para terceiro lugar, depois da Islândia. Seguem-se-lhe a Noruega, Canadá, Finlândia, Holanda, Suécia, Nova Zelândia e Austrália. Os países nórdicos ocupam, assim, metade dos lugares da lista dos países com maior Índice de Felicidade. 

2015 não traz, assim, muitas surpresas. Os cinco primeiros países (Suíça, Islândia, Dinamarca, Noruega e Canadá) são também alguns dos mais ricos do mundo, enquanto que os países do fim da lista (Togo, Burundi, Síria, Benim e Ruanda) são conhecidos pela sua instabilidade e pobreza extrema. Descobriu-se ainda que existe uma relação entre recessão e baixo índice de felicidade, ainda que esta não seja clara - uma vez que alguns países, como a Islândia e a Irlanda, não parecem ter sofrido um impacto tão negativo na sua felicidade na sequência da crise económica. Já Portugal viu o seu Índice de Felicidade a diminuir em três posições, passando da posição 85 para a 88.

A ideia de avaliar a população de um país de acordo com o seu nível de contentamento, e não pela riqueza, é promovida pelas Nações Unidas e OCDE. O índice foi elaborado a partir de determinados indicadores, nos quais se incluem a esperança média de vida, apoios sociais, liberdade de escolha, corrupção e PIB per capita. 

"Não existe uma chave única para a felicidade", afirmou Jeffrey Sachs, citado pela CNN. "Todos estes países saem-se bem em diversos domínios. Serem ricos? Isso é bom, mas é apenas uma parte da história. Uma sociedade de confiança, ter um baixo índice de corrupção, uma sociedade onde as pessoas são generosas e voluntariosas - todos estes aspetos são importantes para a felicidade".  

Recorde-se que o Butão, o pequeno país do leste dos Himalaias, foi o responsável pela criação do conceito de Felicidade Interna Bruta (FIB), como alternativa ao Produto Interno Bruto (PIB). 

 

[notícia atualizada às 13h30 de domingo, com a variação da posição de Portugal no ranking]