Siga-nos

Perfil

Expresso

Sociedade

Fazer xixi no mar é melhor do que se pensa

Série de dados científicos comprova que urinar no mar não corresponde ao estereótipo negativo que a sociedade tem deste ato.

Fim-de-semana de verão. Parece que todo o país foi para a praia. O areal está cheio e nada melhor do que um mergulho no mar para refrescar ideias e impedir o cérebro de derreter. A água entorpece os sentidos e a bexiga 'aperta'. Em princípio, contém-se porque se diz ser errado. Certo? Pense outra vez.

Fazer xixi no mar é um dos estereótipos mais prevalecentes na cultura balnear e algo que se assume como natural acontecer com criancas, por exemplo. Claro que quando se chega a uma certa idade torna-se socialmente feio e visto como nada higiénico e altamente poluente, mas os dados científicos apontam no sentido contrário.

De acordo com dados da NASA, a urina humana é composta por 95% de água e um a dois gramas por litro de sódio e iões de cloreto, o que torna a urina, em teoria, semelhante em composição à água salgada. Algo que acontece com outros elementos que a compõem, como o potássio, por exemplo.

O factor mais divergente na composição dos dois produtos está na presença de creatinina e ureia na urina. Ambos os elementos resultam da necessidade do organismo expelir nitrogénio. Apesar de a creatinina ser só 0,7 gramas por litro, a ureia está muito mais concentrada, com nove gramas por litro. Este último pode ser o principal problema, uma vez que quando entra em contacto com a água forma amónio, o que pode não ser benéfico em grandes quantidades.

"Urina é essencial no meio ambiente"

O site "Central Science" apresenta um cálculo para demonstrar que, visto que uma pessoa habitualmente liberta 0,2 a 0,5 litros de urina de cada vez, isso implica a saída de três gramas de ureia.

Mesmo que os sete mil milhões de pessoas que constituem a população mundial se aliviassem todas ao mesmo tempo no Oceano Atlântico, a concentração não ultrapassaria um picomolar (razão da quantidade de matéria do soluto [mol] pelo volume de solução [em litros], expressa na unidade mol/L [molar]), um valor diminuto.

Pode-se pensar em todos os outros seres vivos que urinam no mar sem consequências de maior, como uma baleia comum, capaz de expelir 970 litros por dia. Por outro lado, retirando da equação quem tem infeções na bexiga, a urina torna-se estéril quando abandona o corpo e as bactérias existentes no mar ocupam-se dela em poucos minutos.

"O ponto chave aqui é que a urina é essencial no meio ambiente", explica Stuart Jones, um bioquímico do do hospotial King George, em Londres. "Sem os efeitos fertilizantes do nitrogénio contido na urina, muitas plantas não sobreviviam. Não é perigoso e, no mar, dilui-se até à insignificância num curto espaço de tempo. Há coisas muito piores a acontecer no oceano. Podem urinar no oceano, sem dúvida!"