Siga-nos

Perfil

Expresso

Sociedade

Explosão na pedreira. Onde apresentar queixa e o que já sabe enquanto não chega o momento "oportuno"

  • 333

Um veículo da Proteção Civil à saída da pedreira após a explosão que ocorreu quarta-feira à noite na pedreira da Sobrissul, em Sesimbra, e que foi provocada por uma empresa que procedia à destruição programada de resíduos explosivos

FOTO RUI MINDERICO /LUSA

Explicações pormenorizadas sobre o sucedido vão chegar "logo que seja oportuno". Presidente da Câmara de Sesimbra precisa o que devem fazer as pessoas que querem apresentar queixa e avança com uma causa provável para o que correu mal. Explosão foi sentida de Setúbal a Lisboa, passando por Oeiras e Cascais, e causou alarme público.

A administração da Sobrissul remeteu esta quinta-feira explicações sobre a explosão que ocorreu quarta-feira à noite na pedreira em Sesimbra para a empresa que preparou a destruição de explosivos, a Maxampor, de Alcochete.

 

"A Maxampor vai prestar esclarecimentos logo que seja oportuno", disse à Lusa uma funcionária da Sobrissul, que se recusou a adiantar mais informações.

 

O presidente da Câmara de Sesimbra, Augusto Pólvora, afirmou à agência Lusa que as pessoas que tenham sofrido danos provocados pela explosão na pedreira devem apresentar queixa na GNR, de modo a serem indemnizadas. 

 

"Tenho conhecimento de pelo menos duas pessoas com relatos de vidros partidos e o que as autoridades dizem é que devem apresentar queixa na GNR para identificar os prejuízos, de modo a serem efetuados os autos e depois se possa sustentar uma possível indemnização", disse à Lusa Augusto Pólvora.

 

De acordo com Augusto Póvoa, a explosão teve origem na queima de cordão detonante. "A informação que temos do responsável da empresa do material explosivo é que se tratava de material fora de prazo e que foram cumpridas as normas", afirmou.

 

Augusto Pólvora referiu que o previsto era que os cerca de nove quilómetros de cordão detonante ardessem durante um longo período de tempo. "O previsto era que ardesse sem explodir. Alguma coisa correu mal e a única razão invocada é que, devido às temperaturas elevadas que se registaram, possa ter acelerado algum processo que fugiu ao controlo", relata, referindo que um agente da PSP estava no local a acompanhar a operação.

 

Segundo o autarca, a operação foi efetuada no fundo da pedreira e não se registaram vítimas. "Quando houve a explosão, que foi no fundo da pedreira, as pessoas que montaram o processo vieram para a zona da entrada, pois era previsto que demorasse algum tempo", defendeu.

 

O autarca anunciou que não tinha nenhuma informação sobre a operação e que vai analisar o caso.

 

Uma destruição programada de resíduos explosivos, realizada numa pedreira, na aldeia de Pedreiras, em Sesimbra, provocou quarta-feira à noite alarme público nas populações da península de Setúbal e na zona da Grande Lisboa, incluindo Cascais.

 

O acidente que ocorreu na pedreira da empresa Sobrissul, em Sesimbra, não provocou vítimas e os bombeiros foram desmobilizados às 23h35.

A forte explosão foi ouvida em várias localidades das duas margens do Tejo, até mesmo em Cascais.