Siga-nos

Perfil

Expresso

Sociedade

Ex-vice-presidente do Sporting é suspeito de associação criminosa, roubo e sequestro

  • 333

Paulo Pereira Cristóvão foi vice-presidente do Sporting na direção de Godinho Lopes

Nuno Fox

Paulo Pereira Cristóvão foi detido esta manhã por suspeita de "fornecer informações úteis aos autores materiais" de crimes de roubo e sequestro na zona de Lisboa e Setúbal. Dois seus comparsas, um deles dirigente da Juventude Leonina, também vão ser presentes a um juiz esta quarta-feira.

Expresso, com Lusa

Paulo Pereira Cristóvão encontra-se detido pela Polícia Judiciária e vai ser ouvido quarta-feira por um juiz de instrução, perante o qual será apresentado sob a acusação de envolvimento em assaltos à mão armada. A notícia foi confirmada pelo Expresso junto de fonte da PJ.

Além de Paulo Pereira Cristóvão, antigo investigador da PJ e vice-presidente do Soporting, outras duas pessoas, uma delas ligadas à claque leonina Juve Leo, foram detidas na mesma operação. Segundo uma fonte policial contactada pela Lusa, é suspeito de associação criminosa, roubo e sequestro. Ele e os restantes arguidos serão na quarta-feira inquiridos em primeiro interrogatório judicial, no Tribunal Central de Instrução Criminal, para aplicação das medidas de coação.



Com estas três detenções, a fonte admite que as investigações que levaram ao desmantelamento do grupo criminoso, e que começaram em 2014, entraram na "reta final". O elemento da claque leonina detido é conhecido por "Mustafá" e pertence à direção da Juve leo.



Pereira Cristóvão fornecia "informação útil sobre as vítimas" à associação criminosa a que pertencia, sendo um dos "mentores" dos roubos e sequestros perpetrados pelo grupo. Cristovão, de 45 anos, que iniciou a carreira na PJ como segurança antes de ingressar na carreira de inspetor, é suspeito de "fornecer informações úteis aos autores materiais" de crimes de roubo e sequestro na zona de Lisboa e Setúbal.



Em novembro de 1990 entrou para os quadros da Judiciária, de onde saiu no início de 2007 para fundar uma empresa de consultoria e investigação. Na PJ foram-lhe atribuídos alguns processos mediáticos, nomeadamente o "caso Joana", sobre o desaparecimento de uma menor no Algarve que levou à detenção da mãe.



Em comunicado, a Polícia Judiciária precisa que os três homens detidos, com idades entre os 37 e os 49 anos, são suspeitos de associação criminosa, sequestro, roubo qualificado, usurpação de funções, abuso de poderes e detenção de armas proibidas.



Os detidos, juntamente com outros doze suspeitos detidos desde meados de 2014, integravam uma organização criminosa dedicada ao roubo no interior de residências, que simulavam tratar-se de verdadeiras ações policiais para cumprimento de buscas domiciliárias judicialmente ordenadas, tendo mesmo, nalguns casos, utilizado as suas próprias fardas para assim melhor credibilizarem as suas ações.



Os crimes ocorreram nos distritos de Lisboa e Setúbal, cabendo aos detidos a sinalização de potenciais vítimas dos roubos a cometer.



No decurso da operação policial foram cumpridas oito buscas domiciliárias e não domiciliárias, tendo sido apreendidos relevantes elementos de prova.



No âmbito da mesma investigação, em 2014 foram detidas 12 pessoas, 11 homens e uma mulher, incluindo três polícias, que ficaram em prisão preventiva.



Paulo Pereira Cristovão foi vice-presidente do Sporting durante o mandato de Godinho Lopes (2011 a 2013), depois de ter sido candidato à presidência do clube, tendo perdido as eleições para José Eduardo Bettencourt.

Neste âmbito desportivo esteve envolvido num outro processo muito polémico, quando tentou culpabilizar um árbitro assistente, José Cardinal, por corrupção. No desfecho desse caso, o antigo investigador da Polícia Judiciária acabou punido pelo Conselho de Disciplina da Federação Portuguesa de Futebol, com 15 meses de suspensão e o pagamento de uma multa de 3000 euros. O Sporting também acabou condenado com uma multa de 2000 euros.



O caso foi desencadeado com uma carta anónima recebida em Alvalade, que denunciava um alegado suborno ao árbitro assistente, nomeado para o jogo Sporting-Marítimo, em abril de 2012. Godinho Lopes entregou a carta ao presidente da FPF, que por sua vez a encaminhou para a PJ. A investigação desencadeada pela Judiciária concluiu que tudo fora congeminado por Paulo Pereira Cristóvão, que ordenou a um seu ex-funcionário, Rui Martins, para viajar para o Funchal e fazer um depósito de 2000 euros na conta bancária de Cardinal.

 

[Notícia atualizada às 16h42]