Siga-nos

Perfil

Expresso

Sociedade

Ex-ministros do PSD e PS defendem mudanças nos ciclos de ensino. "Agora há uma espécie de bolo de noiva, feito às camadas"

  • 333

FOTO FABRICE COFFRINI / AFP / GETTY IMAGES

Há atualmente quatro ciclos: 1º ciclo, que é a antiga escola primária; 2º ciclo (antigo ciclo preparatório); 3º ciclo, do 7º ao 9º anos; secundário, do 10º ao 12º.

David Justino e Maria de Lurdes Rodrigues, ex-ministros da Educação de governos social-democrata e socialista, defenderam esta segunda-feira a necessidade de reorganizar os ciclos de ensino, que atualmente se dividem em quatro fases.

 

O alargamento do ensino obrigatório foi o tema do seminário do Conselho Nacional de Educação (CNE), em Lisboa, que levou a ex-ministra Maria de Lurdes Rodrigues e o atual presidente do CNE, David Justino, a debater a situação atual e os desafios do ensino.

 

Ambos saudaram a escolaridade obrigatória até ao 12.º ano, as melhorias registadas nas taxas de escolarização, abandono e insucesso, mas reconheceram que ainda existem problemas para resolver: "Ainda estamos muito longe de uma escola de sucesso", defendeu o ex-ministro David Justino.

 

"Durante muito tempo, a preocupação era a igualdade de oportunidades no acesso à escola, mas agora é a equidade no sucesso", disse por seu turno Maria de Lurdes Rodrigues.

 

As elevadas taxas de insucesso escolar, em especial quando os alunos mudam de ciclo de ensino, foi apontado como um dos problemas a resolver. Para os ex-ministros, é preciso discutir uma nova fórmula de ciclos de ensino, que atualmente se dividem em quatro fases: 1º ciclo, que é a antiga escola primária, que vai do 1º ao 4ºano; 2º ciclo (o antigo ciclo preparatório); 3º ciclo, que vai do 7º ao 9º anos; e o secundário, do 10º ao 12º.

 

"Fomos construindo o ensino por camadas", corroborou Maria de Lurdes Rodrigues, sublinhando que "este é o momento de debater qual o melhor modelo" de organização de ciclos. "Muitos pedagogos identificaram um bloqueio na forma de organização que faz com que as crianças com dez anos passem de um único professor para 14. É muito desestabilizador para o desenvolvimento da criança", disse Maria de Lurdes Rodrigues, lembrando ainda que com a mudança de ciclo, as crianças tinham problemas de concentração e capacidade de relacionamento de matérias.

 

"É uma oportunidade de discutir isso e de propor para as legislativas seguintes um novo quadro de organização que ajude a combater o insucesso escolar", defendeu Maria de Lurdes Rodrigues, em declarações aos jornalistas à margem do seminário, que decorreu esta segunda-feira na sede do CNE, em Lisboa.

 

Também David Justino entende que este é um dos temas onde será possível conseguir um acordo partidário, uma vez que está provado que existe um elevado insucesso no 2º ciclo devido "à falta de articulação entre o 1º e o 3º ciclo".

 

"É preciso eliminar obstáculos", disse David Justino, classificando o atual modelo como "uma espécie de bolo de noiva, que é feito às camadas".