Siga-nos

Perfil

Expresso

Sociedade

Descoordenação na produção deixa Ramos-Horta fora de programa da RTP

  • 333

Ramos Horta desvaloriza o ocorrido e garante que terá "muito prazer em voltar à RTP quando estiver de novo em Lisboa"

Alberto Frias

Caso insólito aconteceu na passada quinta-feira de manhã: o ex-presidente de Timor e prémio Nobel da Paz teve de esperar alguns minutos para ser encaminhado para o estúdio do programa "Bom dia Portugal" e acabou por decidir abandonar as instalações da RTP. 

O antigo presidente de Timor-Leste José Ramos-Horta foi protagonista de um pequeno incidente diplomático na passada quinta-feira de manhã na RTP. Convidado para participar no "Bom Dia Portugal", o prémio Nobel da Paz apresentou-se nas instalações da estação pública, mas acabou por abandonar o local minutos depois, antes sequer de ser encaminhado para o estúdio do programa em que deveria participar. 

Na base do sucedido esteve, segundo confirmou ao Expresso fonte da RTP, uma descoordenação entre a produção do programa, a área de relações públicas do canal e a segurança da empresa, que levou a que Ramos-Horta, depois de se identificar na portaria, tenha ficado alguns minutos à espera que alguém o viesse receber e encaminhar para o estúdio.

Segundo a mesma fonte, o período de espera - motivado pela falta de informação na portaria sobre qual o estúdio onde Ramos-Horta era esperado - não terá demorado mais de cinco minutos. Mas foi o suficiente para que o ex-presidente timorense tenha decidido não prolongar a espera e sair, por ter outros compromissos assumidos nessa manhã.

Informado sobre o sucedido, o diretor de informação da RTP, José Manuel Portugal, contactou Ramos-Horta cerca de meia hora após o incidente, para apresentar as suas desculpas e tentar agendar uma nova presença do antigo presidente de Timor-Leste no "Bom Dia Portugal". Mas essa recalendarização acabou por não ocorrer por motivos de agenda de Ramos-Horta.

Contactado pelo Expresso, Ramos Horta desvaloriza o ocorrido, reitera o "maior apreço" que sente pela estação pública portuguesa, sublinha o papel da RTP na "divulgação da causa timorense" e garante que terá "muito prazer em voltar à RTP quando estiver de novo em Lisboa".