Siga-nos

Perfil

Expresso

Sociedade

Criminalidade violenta desceu em 2014. Houve menos 1086 casos

  • 333

A criminalidade violenta e grave caiu 5,4% face a 2013. Ainda assim, foram mais de 19 mil casos, segundo o Relatório Anual de Segurança Interna. Em termos gerais, 80% da criminalidade participada incidiu sobre o património e as pessoas. Diminuíram os roubos a correios, ourivesarias, bancos e farmácias. O homicídio teve um decréscimo de 13,8%.

Lusa

A criminalidade violenta e grave desceu 5,4 por cento, em 2014, segundo o Relatório Anual de Segurança Interna (RASI), hoje apresentado em Lisboa.

De acordo com o relatório, que apresenta os principais resultados da criminalidade e atividade das forças e serviços de segurança, em 2014 registaram-se 19.061 casos de criminalidade violenta e grave, menos 1086 em relação a 2013.

Este tipo de criminalidade teve, no entanto, um aumento "residual" nos distritos de Braga, Bragança, Portalegre, Porto, Viana do Castelo e Vila Real.

O documento foi hoje apresentado em conferência de imprensa pela secretária-geral do Sistema de Segurança Interna, Helena Fazenda, que salientou que os números sobre criminalidade violenta têm vindo a baixar, sobretudo nos últimos três anos.

Em termos gerais, disse a responsável, a criminalidade diminuiu 6,7 por cento em 2014 em todos os distritos do país (em relação a 2013), registando-se 343.768 participações, menos 24.684 do que no ano anterior.

A tendência de descida da criminalidade tem acontecido desde 2008 e acentuou-se nos dois últimos, com menos 10 por cento de participações.

Do total da criminalidade participada, destacam-se os crimes contra o património e os crimes contra as pessoas, que constituem 80 por cento da criminalidade e que também diminuíram em todos os distritos.

Lisboa representa um quarto das participações, seguindo-se Porto e Setúbal. Os três distritos representam mais de 50 por cento da criminalidade participada.

De acordo com os dados apresentados por Helena Fazenda, dos tipos de crime que mais desceram contam-se o furto em residência (menos 13 por cento), a condução em estado de embriaguez e sem habilitação e ainda o furto de metais não preciosos.

Ainda em relação à criminalidade violenta e grave, a responsável destacou, pelo maior número de participações, o roubo na via pública, o roubo por esticão e a resistência e coação sobre funcionários (ao todo representam 76 por cento das participações e concentram-se em Lisboa, Porto e Setúbal).

Diminuíram os roubos a correios, ourivesarias, bancos, farmácias, o roubo de viaturas e também o homicídio teve um decréscimo de 13,8 por cento, com 100 participações.

Ainda segundo o documento apresentado por Helena Fazenda, os casos de fogo posto diminuíram quase 50 por cento. E diminuíram também os presos preventivos e condenados (menos dois por cento).