Siga-nos

Perfil

Expresso

Sociedade

Crimes. Os números mais baixos dos últimos doze anos

  • 333

A criminalidade violenta e grave desceu 5,4% em relação ao ano anterior

FOTO António Pedro Ferreira

GNR, PSP e PJ registaram 343.768 participações em 2014, um decréscimo de 6,7% em relação ao ano anterior. Em 2003, houve cerca de 410 mil. 

Hugo Franco e Raquel Moleiro

Desde 2003, altura em que começou a ser publicado o Relatório Anual de Segurança Interna (RASI) nunca houve tão pouca criminalidade participada à PJ, PSP e GNR. 

Os dados provisórios do RASI revelam que em 2014 as três forças de segurança registaram no seu conjunto 343.768 participações de natureza criminal. Ou seja, uma diminuição de 24.684 em relação a 2013, o que corresponde a um decréscimo de 6,7%.

O valor de 2014 situa-se ainda abaixo da média dos últimos doze anos que foi de de 395 mil participações, 13% superior aos números de 2014.

Os piores anos foram os de 2008 e de 2009, quando as participações ultrapassaram as 415 mil. A partir dessas datas, a criminalidade participada esteve sempre a descer.

Em relação aos dados mais recentes do RASI, que será divulgado em breve pelo Governo, as descidas mais significativas da criminalidade participada foram registadas em Braga (-15,8%), Leiria (-10,2%), Santarém (-8%), Faro e Aveiro (-7%).

Também a criminalidade violenta e grave desceu 5,4% em relação ao ano anterior, com um total de 19 mil participações. 

Estes dados ainda não são definitivos. O relatório final terá de ser enviado à Assembleia da República no último dia de março. No dia anterior, vai ser analisado pelo Conselho Superior de Segurança Interna, presidido pelo primeiro-ministro.

Segundo o "Diário de Notícias", os grandes decréscimos nos roubos a correios (- 60,8%), a ourivesarias (-48,9%), a bancos (-42,7%), a viaturas (-31,1%) e a residências (-13,8%) foram os que mais contribuíram para a diminuição da criminalidade violenta e grave. E na criminalidade geral, os crimes que mais influenciaram a diminuição registada foram a condução sob efeito do álcool (-15,7%), o furto em residência com arrombamento, escalamento ou cgave falsa (- 13%), o furto em veículo (- 6,4%) e as ofensas à integridade física (-3,2%).