Siga-nos

Perfil

Expresso

Sociedade

Cavaco não desiste do processo contra Miguel Sousa Tavares

O Ministério Público perguntou ao Presidente se pretendia desistir da queixa, mas a resposta foi negativa. Escritor diz ter a certeza de que será absolvido.

Luisa Meireles e Rui Gustavo

É um formalismo legal que podia acabar já com o processo de ofensa à honra do Presidente da República: o Ministério Público perguntou ao chefe de Estado se pretendia desistir da queixa contra Miguel Sousa Tavares, que numa entrevista ao "Jornal de Negócios" lhe chamou "palhaço".

Segundo uma fonte judicial, Cavaco Silva não desistiu do processo e o procurador do caso terá agora de decidir se avança ou não com uma acusação contra Miguel Sousa Tavares. A lei prevê que o procedimento criminal cessa se o Presidente declarar "expressamente" que desiste.

Contactado pelo Expresso, o também comentador da SIC diz estar à espera "tranquilamente" por uma notificação do Ministério Público e garante estar "convicto" de que será "absolvido, nem que seja no Tribunal Europeu dos Direitos do Homem".

Para Sousa Tavares, o crime de que está indiciado (ofensas ao Presidente da República) "contraria o príncipio constitucional de que somos todos iguais perante a lei".

Apesar de já ter admitido que se excedeu, Sousa Tavares diz agora que "há jurisprudência no sentido de considerar que no contexto do debate político expressões como palhaço não podem ser consideradas ofensivas".

Contactada a Presidência da República esta não quis fazer quaisquer comentários, limitando-se a afirmar que "o assunto é do exclusivo foro judicial".

O crime de ofensa à honra do Presidente da República é punível com multa ou pena de prisão até três anos.