Siga-nos

Perfil

Expresso

Sociedade

Canábis baixa QI dos adolescentes

O uso persistente de canábis na adolescência tem efeitos significativos que mantêm na vida adulta mesmo que se pare de utilizar a droga, revela um estudo que observou mil pessoas ao longo de 38 anos. 

Alexandre Costa (www.expresso.pt)

O uso persistente de canábis na adolescência provoca em média uma descida de 8 pontos do QI, o que é suficiente para tornar o QI abaixo da média, releva um estudo de investigadores do King College, de Londres, e a Duke University, do estado norte-americano da Carolina do Norte publicado no Proceedings of the National Academy of Sciences.

Os investigadores recolheram dados de mil pessoas de Dunedin, Nova Zelândia, desde o nascimento até terem aos 38 anos. As conclusões indicam que o uso de canábis numa fase critica de desenvolvimento do cérebro como é a adolescência provoca um significativo declínio neuropsicológico.

Consumo menos lesivo para maiores de 18 anos

Os indivíduos que usaram a droga persistentemente na adolescência tinham em média menos 8 pontos de QI aos 38 anos do que apresentavam aos 8 anos.

Esses indivíduos apresentaram também maiores indicies de problemas de atenção e memória na vida adulta.

A paragem do uso já depois da adolescência não provocou grande diferença, o declínio neuropsicológico manteve-se. Por outro lado, quem começou a consumir canábis já após os 18 anos não mostrou declínios do QI tão significativos.