Siga-nos

Perfil

Expresso

Sociedade

"A minha geração está a apanhar o fim dos tabus no sexo"

  • 333

Afonso Martins, 21 anos, é estudante de comunicação e serve bebidas num bar da moda do Cais do Sodré. Certas noites sai acompanhado por "amigas especiais". Também lhes chama de 'amigas coloridas' ou 'fuck buddies'. Apenas para sexo, portanto. "É bom porque não há preocupações". E conta que, não raras vezes, é seduzido por mulheres mais velhas com bilhetinhos e piropos. Neste quinto episódio de uma série de sete semanas, quatro jovens entrevistados falam abertamente sobre as primeiras experiências, um projeto do Expresso e da SIC.

Reportagem de Bernardo Mendonça e Maria João Ruela (Texto), Hugo Neves (Imagem), João Lemos (Fotografias), Ricardo Sant´Ana (Edição de Imagem), Paulo Alves (Grafismo)

Desde que Afonso perdeu a virgindade aos 15, 'às três pancadas', afirma já ter experimentado um pouco de tudo com as parceiras. Este barman morador no bairro da Lapa é um rapaz tão descontraído quanto comunicativo e não vacilou na hora de dar este testemunho sobre a sua sexualidade. É um tema que discute com os amigos e amigas de forma natural. "A minha geração está a apanhar o fim dos tabus no sexo".

Também Teófila Cristóvão, 19 anos, uma bela rapariga de Vila Nova de Gaia, vive atualmente uma relação descomprometida com um 'amigo colorido'. "É mais à base da atividade sexual. Não há compromisso, nem mãos dadas". Foi aos 13 a sua primeira vez com um rapaz, mas quando o fez acabou num pranto a achar que tinha feito um 'mal horroroso". Agora, bem mais mulher, assume que gosta que os homens olhem para ela, mas prefere ser ela a seduzi-los e a abordá-los.

Conheça ainda a história de Débora Araújo, 22 anos, fotógrafa, lésbica assumida, que se diz atraída por raparigas louras, mas até agora só se apaixonou por morenas. Quando passeia na rua com a atual 'amiga especial'  procura ser discreta. Evito a exposição. Há pessoas que não vêem com bons olhos uma troca de carinho. Chegaram a dizer-me 'Deviam ter vergonha! Não têm uma casa para fazer isso?' - E claro que esses comentários magoam".

João Araújo, 20 anos, estudante de desporto, está a refazer-se de uma traição de uma ex-namorada e, de momento, diz-se solteiro e sem parceira. Sexualmente quer poder fazer tudo o que se pode fazer com uma mulher. E adianta que a sua posição preferida na cama é a 'conchincha'.

Ainda neste episódio a diretora  da Sociedade Portuguesa de Sexologia Clínica, Gabriela Moita, identifica algumas mudanças na forma como as gerações mais novas vivem a sexualidade. "Há uma assunção das diferentes orientações sexuais. Já não é preciso máscaras. Falam com mais naturalidade e aceitam a individualidade. E assumem a sexualidade como algo que dá prazer. O que em relação ao nosso país é um passo muito grande".

O Expresso falou com 33 portugueses que deram a cara e o testemunho de como são na cama. Revelamos mais quatro histórias.