Siga-nos

Perfil

Expresso

Sociedade

Patrões ameaçam despedir CGTP

Tiago Miranda

Inter recusa presidência rotativa de Centro para Relações Laborais. Confederações patronais pedem expulsão

A CGTP comunicou, oficialmente, a sua recusa em assumir a presidência do Centro para as Relações Laborais, um órgão tripartido criado em 2014 entre Governo, patrões e sindicatos. A presidência é rotativa e cabe agora a vez à CGTP. Mas a central não quer. “Temos mais que fazer”, afirma ao Expresso João Torres, dirigente da Intersindical que lembra as críticas feitas àquele organismo e justifica: “Não podemos presidir a um órgão com o qual não concordamos”. Os patrões exigem a saída da CGTP: “Quem não quer ter deveres também não pode ter direitos”, diz António Saraiva, da CIP ao Expresso.

A tensão entre os parceiros sociais está a crescer e o último episódio não podia ser mais elucidativo: envolve precisamente um órgão criado para promover e dinamizar o diálogo social e que dá pelo nome de Centro para as Relações Laborais. Já foi presidido pela UGT, pela CIP e, atualmente, tem à cabeça um representante da tutela, o presidente do Instituto do Emprego e da Formação Profissional, Carlos Valadas. O mandato termina em novembro e, de acordo com o regulamento, caberia agora à CGTP assumir a responsabilidade em nome das organizações dos trabalhadores. A comissão executiva do CRL enviou a convocatória à central sindical e, na volta do correio, foi informada oficialmente da recusa.

“Desde a sua criação que consideramos que a atividade do centro podia ser perfeitamente resolvida por organismos já existentes, como o Instituto do Emprego, a Autoridade para as Condições do Trabalho ou a direção-geral para as Relações do Trabalho”, explica João Torres ao Expresso. A CGTP considera que, tal como a Concertação Social, o CRL “é um fato feito à medida de outros interesses” e, por isso, defende que “não faz sentido” assumir a sua presidência.

“Agimos em coerência e assumimos as críticas que sempre fizemos”, acrescenta o membro da Executiva da CGTP. “Por isso, não faz sentido presidirmos a um órgão com o qual discordamos. Além disso, temos outras prioridades e mais que fazer”, conclui.

A atitude da central sindical caiu mal junto das confederações patronais que condenam a postura da central sindical por estar, deste o início, no CRL e só agora contestar as regras. Esta semana, os representantes de várias confederações patronais estiveram reunidos e ponderam apresentar à tutela de Vieira da Silva um pedido de expulsão da CGTP daquele órgão. António Saraiva, patrão da Indústria, confirmou essa intenção com base no já referido raciocínio dos direitos e deveres: “Aguardamos a confirmação oficial desta recusa para depois agir”.