Siga-nos

Perfil

Expresso

Sociedade

Foi explorar “uma gruta muito difícil na Arrábida” e não voltou: há 30 anos que ninguém sabe de Tiago

Na semana seguinte ao desaparecimento de Tiago João, foi montada uma das maiores operações de busca até à data

Fernando Ferreira

Não se sabe ao certo o que aconteceu. Dizem que Tiago desapareceu nas grutas da Arrábida, em Setúbal. Mas outras hipóteses foram ponderadas – rapto ou acidente – e depois excluídas. Ao contrário das 12 crianças que esta segunda-feira foram encontradas na Tailândia após nove dias presas numa caverna (e podem ter de ficar lá mais quatro meses), Tiago nunca foi encontrado. Trinta anos depois, permanece o mistério do que lhe terá acontecido

Era meio-dia de sábado e Tiago, 20 anos, saiu de casa. Contam os jornais da época que vestia umas calças de ganga e uma t-shirt branca, levava às costas uma mochila. Antes de sair, disse apenas que ia explorar “uma gruta muito difícil na Arrábida”. À mãe prometeu que ligaria ao final do dia de uma aldeia próxima caso não conseguisse regressar antes de anoitecer. Chegou o final do dia e Tiago não ligou à mãe. Passou a noite e Tiago não apareceu em casa. Nasceu um novo dia e nada de Tiago. Os pais alertaram as autoridades e na Serra da Arrábida, em Setúbal, foi montada uma das maiores operações de busca e salvamento até à data. Era 1988 e durante semanas, meses, anos, Tiago foi procurado. Ainda hoje não se sabe ao certo o que lhe aconteceu.

“A única possibilidade era a Garganta do Cabo, no Cabo Espichel, é a única que conheço onde alguém pode cair e o corpo ser arrastado com a força do mar lá em baixo.” Francisco Rasteiro é presidente Núcleo de Espeleologia da Costa Azul (NECA), lembra-se da história de Tiago João e em 1994 foi ouvido pela Polícia Judiciária, que lhe pediu ajuda para perceber onde podia estar o corpo nas grutas da serra. “Naquela gruta, o mar entra à bruta e destrói tudo. Aliás, é a única em que sei de uma outra história, a de um pescador que morreu lá. Mas a história desse rapaz nunca ficou muito bem contada”, acrescenta o espeleólogo.

Tiago João Alcobia Francisco morava no Monte de Caparica, em Almada. Tinha 1,75 metros de altura, olhos de cor azulada e o cabelos castanhos. Era escuteiro e curioso. “Um explorador”, disseram várias vezes familiares e amigos aos jornais. A 23 de julho de 1988, saiu de casa com a bicicleta nova verde e amarela que recebera uns dias antes de presente por ter terminado o 12º ano.

Tiago João tinha 20 anos quando desapareceu

Tiago João tinha 20 anos quando desapareceu

DR

“Ninguém sabe o que aconteceu. Se caiu nalguma gruta, essa gruta nunca mais foi descida porque já se teria encontrado vestígios. De facto, pode ser uma gruta desconhecida. Há grutas que não foram descobertas”, diz ao Expresso Cristina Lopes, presidente da Sociedade Portuguesa de Espeleologia. “É tudo muito estranho. Ou deambulou para muito longe e caiu numa gruta que hoje pode estar tapada por vegetação… Não sei, é só uma suposição.”

Para procurar Tiago foram chamados bombeiros, militares da GNR, escuteiros, grupos de espeleólogos, guardas do Parque Natural da Serra da Arrábida, Cruz Vermelha Portuguesa, fuzileiros, lanchas da Marinha e helicópteros da Força Aérea. “Vasculharam toda a serra da Arrábida e zonas circundantes sem conseguirem encontrar o mínimo vestígio do jovem do Monte de Caparica”, descrevia o jornal “A Capital” no final de 1993, quando umas ossadas foram encontradas na serra. Por alguns dias ainda se julgou que eram de Tiago. Uma teoria desarmada pelo resultado das análises do Instituto de Medicina Legal: pertenciam afinal a um homem de cerca de 60 anos.

Depois de uma semana de buscas, a investigação foi entregue à Polícia Judiciária, que nos meses e anos seguintes continuou a tentar encontrar Tiago. “Não acredito muito na teoria de que esteja numa gruta. Aliás, ele disse que ia para uma gruta, mas para chegar às grutas é preciso andar pela serra e pelas arribas. E aí também acontecem acidentes”, sublinha Francisco Rasteiro.

Um rapto, um acidente, uma queda?

Tiago foi escuteiro do agrupamento 555 de Almada. Ao Expresso, poucos dias após o desaparecimento, o pai dizia que o filho era “muito experiente na exploração de grutas”, no entanto os especialistas garantiam que este não se tratava de todo de “um caso de espeleologia”.
“O equipamento que levava não lhe permitiria essa exploração. Por outro lado, pertencendo a um grupo de escuteiros, seria natural que tivesse partilhado com alguém a vontade de fazer a tal exploração difícil”, dizia na altura a Sociedade Portuguesa de Espeleologia (SPE), que ainda hoje garante que Tiago João não tinha qualquer ligação à SPE. Além disso, justificavam, um espeleólogo nunca iria explorar uma gruta sozinho. Essa era a primeira regra.

Várias equipas procuraram Tiago durante uma semana, depois a investigação foi entregue à PJ

Várias equipas procuraram Tiago durante uma semana, depois a investigação foi entregue à PJ

Fernando Ferreira

Nas semanas que se seguiram ao desaparecimento, mesmo com a polícia a colocar de parte uma série de cenários, os pais de Tiago insistiam: “Está preso numa gruta qualquer, de onde não se pode mexer”. Era habitual o jovem sair de bicicleta para ir para a serra. Já lá tinha acampado.

Na época foram contadas várias variantes do que realmente teria acontecido. Uma delas era que Tiago tinha fugido de Portugal, que nos dias anteriores pediu documentação para viajar. Um rumor que rapidamente foi desmistificado pelas autoridades, que asseguraram que o único documento levantado nos dias anterior pelo jovem foi uma segunda via comprovativa da sua situação militar. Outra história contada foi que Tiago tinha sido raptado por contrabandistas, que tinha visto o desembarque de algo ilegal nas praias da Arrábida e que tinha sido levado. Uma vez mais, a polícia excluiu a possibilidade e assegurou que naqueles dias não havia conhecimento de qualquer descarregamento na zona.

O caso levou a que muito se dissesse e se escrevesse. Havia quem garantisse que tinha visto o jovem e a polícia chegou a criar uma linha telefónica para receber pistas. “A Capital” noticiou que recebeu telefonemas de gente a dizer que tinha visto Tiago João no fundo de um poço. Não eram especificados locais e as fontes justificavam apenas dizendo que “tinham poderes especiais para ver”.

“Continuamos a viver na angústia, no entanto temos fé que o enigma se desvende. Estamos como no dia do desaparecimento. Não há qualquer indicação sobre o Tiago, mas há algo que nos diz que está vivo”, dizia Joaquim Francisco ao jornal “A Capital”, três meses depois daquele dia em nunca mais viu o filho. “Tenho fé que o enigma se desvende.”

A história de Tiago tem um final bem diferente daquela que nos últimos dias tem chegado aos jornais: a de 12 meninos que desapareceram numa gruta na Tailândia. Eles foram encontrados nove dias depois - mas podem ter de esperar até quatro meses para serem resgatados.