Siga-nos

Perfil

Expresso

Sociedade

Rock in Rio. Mais de 600 testes de álcool realizados nos quatro dias de festival

Pedro Gomes

Testes foram feitos no recinto do parque da Bela Vista, em Lisboa, e o espaço foi apoiado por 50 profissionais de saúde, entre os quais assistentes sociais, psicólogos, enfermeiros e médicos

A Administração Regional de Saúde de Lisboa e Vale do Tejo (ARSLVT) realizou um total de 654 testes de álcool e 114 testes de monóxido de carbono na edição deste ano do Rock in Rio. A Divisão de Intervenção nos Consumos Aditivos e Dependências (DICAD) da ARSLVT abordou 5.681 pessoas durante os quatro dias de festival e realizou 654 testes de alcoolemia, além de 114 testes de monóxido de carbono, de acordo com dados enviados à Lusa pelo serviço.

Os testes foram feitos no recinto do parque da Bela Vista, em Lisboa, sob responsabilidade do DICAD. O espaço era apoiado por 50 profissionais de saúde, entre os quais assistentes sociais, psicólogos, enfermeiros e médicos.

Durante o Rock in Rio 2018 foram também distribuídos 982 preservativos masculinos, 203 femininos e 750 pacotes de gel lubrificante, além de 946 chupas, utilizados para repor os níveis de açúcar no sangue de festivaleiros que tivessem ingerido substâncias psicoativas.

A ARSLVT também introduziu uma das novidades da edição deste ano do Rock in Rio: pulseiras identificadoras aos jovens com mais de 18 anos, mas que não aparentem a idade. O objetivo era o de as pessoas estarem identificadas para poderem consumir álcool dentro de recinto. A distribuição ficou a encargo de 78 estudantes universitários que abordavam as pessoas no recinto e a Administração Regional de Saúde entregou 9.538 pulseiras durante o festival -- 6.228 a mulheres e 3.310 a homens.

A ARSLVT contactou ainda 281 bares, nos dois fins de semana, para fazer sensibilização relativamente à venda de bebidas alcoólicas a menores, contactando com 717 funcionários desses estabelecimentos.