Siga-nos

Perfil

Expresso

Sociedade

Trabalho do Expresso sobre a formação militar nos comandos vence Prémio Gazeta de Multimédia

Reportagem de João Santos Duarte e Tiago Miranda exigiu oito meses de trabalho para ser concretizada, e oferece um olhar único e exclusivo sobre o polémico curso 127 dos Comandos, que ficou marcado pela morte de dois militares

"Estamos aqui para formar animais de combate", um trabalho da autoria do jornalista do Expresso João Santos Duarte e do fotojornalista Tiago Miranda, venceu o Prémio Gazeta de Multimédia 2017.

A reportagem incide sobre a formação militar nos “Comandos” e foi divulgada um ano após a morte de dois jovens militares, na chamada “Prova Zero”. No comunicado oficial sobre os Prémios Gazeta 2017, o Clube dos Jornalistas sublinha que se trata de uma "longa viagem ao interior do curso 127", numa reportagem que "demorou oito meses a concretizar".

O projeto teve início a 4 de abril de 2016. Naquele dia a equipa do Expresso entrevistou e tirou o retrato a perto de 70 jovens que deram entrada no Regimento de Comandos, na Carregueira. Todos eles tinham como objetivo cumprir a instrução básica no Exército para depois dar entrada no curso de Comandos, que iria ter início 5 meses mais tarde. Apenas 18 jovens do grupo inicialmente entrevistado iriam efectivamente chegar ao curso.

A reportagem já estava em curso há meses quando, a 4 de setembro de 2016, o 2º furriel Hugo Abreu, de apenas 20 anos, morreu vítima de um golpe de calor no primeiro dia da "Prova Zero". Trata-se de um momento inaugural de todos os cursos de Comandos, marcado por intensos exercícios fisicos e uma enorme pressão pricológica. A prova decorreu no campo de Tiro de Alcochete, e, naquele domingo, as temperaturas chegaram aos 42 graus. Outros 20 instruendos foram parar à enfermaria. Seis dias depois, o soldado Dylan da Silva, igualmente de 20 anos, viria a morrer no hospital de Curry Cabral, em Lisboa. Na sequência das duas mortes, 19 militares do Regimento de Comandos foram acusados de abuso de autoridade e ofensa à integridade física. O início do julgamento está marcado para 27 de setembro.

O regimento de Comandos não tinha permitido a presença dos jornalistas do Expresso na "Prova Zero", mas autorizou a continuação do trabalho dentro do curso, que terminou a 25 de novembro. O projecto pemitiu não só acompanhar a evolução de um grupo de jovens durante oito meses - desde o primeiro dia em que entraram para a recruta até ao dia em que receberam a boina de Comando - como também ter um olhar único dentro do polémico curso 127, com o relato exclusivo dos militares que estiveram presentes na fatídica "Prova Zero". Para a elaboração deste trabalho o fotojornalista Tiago Miranda tirou o retrato a cada um dos militares em diferentes momentos durante os oito meses, e a equipa fez ainda dezenas de entrevistas que permitiram ter uma melhor percepção das evolução destes jovens.

Os prémios Gazeta são atribuídos anualmente pelo Clube de Jornalistas. Veja aqui a lista completa dos trabalhos premiados na edição de 2017.

  • “Estamos aqui para formar animais de combate”: oito meses dentro dos Comandos

    Aprendem a sobreviver e a matar silenciosamente, a superar os limites da força humana e da dor, mas também a lidar com as situações mais violentas e incontroláveis. Um ano depois da morte de dois militares na “prova zero” dos Comandos, o Expresso mostra-lhe um olhar inédito e exclusivo do curso 127. São oito meses de reportagem, desde o primeiro dia de recruta até à boina vermelha. Esta é a história impressionante e nunca contada sobre o curso dos Comandos