Siga-nos

Perfil

Expresso

Sociedade

Arroja queixa-se de pressão de lóbis ligados ao PSD e advogados para o condenar

Economista Pedro Arroja vai recorrer para Tribunal da Relação da condenação por crime de ofensa a pessoa coletiva à Sociedade de Advogados Quatrecasas

Isabel Paulo

Isabel Paulo

Jornalista

Pedro Arroja vai recorrer da sentença do Tribunal de Matosinhos que o condenou ao pagamento de €9000 por crime ofensa a pessoa coletiva ao escritório de advogados Quatrecasas, sociedade com sede em Barcelona e “dirigida, no Porto, em 2015, por Paulo Rangel”. Apesar de ter sido absolvido de crime de difamação ao eurodeputado, dado o tribunal ter entendido que a crítica a Paulo Rangel foram proferidas “ao abrigo do direito de liberdade de expressão em relação a um político”, o economista afirmou ao Expresso que o juiz não teve a mesma interpretação em relação aos comentários por si proferidos num canal televisivo contra a Quatrecasas.

“O juiz considerou que coloquei em causa a relação de lealdade entre advogados e os seus clientes, que é a essência dessa profissão, e deve ser respeitada como um valor absoluto”, diz Pedro Arroja. No Porto Canal, o mentor e presidente da Associação 'Um Lugar para o Joãozinho' desvalorizou o parecer do escritório de advogados solicitado, em 2015, pela Administração do São João sobre o contrato de construção da nova ala pediátrica através de financiamento de mecenato.

Arroja criticou o parecer por, em sua opinião, configurar uma situação de “conflito de interesses de destacados políticos de do PSD e o diretor da Quatrecasas”. Para o economista, a argumentação do juiz do Tribunal de Matosinhos é suscetível de recurso, ao “valorizar a lealdade como um valor absoluta, sem atender a especificidades”. “A ser assim, a relação fornecedor e cliente teria sempre de ser sempre vista de forma absolutista”, diz, mesmo quando o principal acionista da sociedade de advogados, Emili Quatrecasas “foi condenado em Espanha por fuga ao fisco”.

O economista afiança “não ter dúvidas da existência de uma grande pressão para que acabasse por ser condenado no processo”, apontando o dedo ao lóbi dos advogados e de certa ala do PSD.