Siga-nos

Perfil

Expresso

Sociedade

Tribunal de Contas deixa descolar 10 helicópteros de combate a incêndios

Luís Barra

O visto ao contrato de aluguer de uma dezena de helis ligeiros, que estava a aguardar a luz verde do Tribunal de Contas, foi dado nesta quinta-feira. Ficam agora disponíveis 13 meios aéreos (dos 20 que deveriam estar operacionais desta data)

Um alívio na dor de cabeça do Governo devida à escassez de meios aéreos operacionais para o combate a incêndios: o Tribunal de Contas (TC) deu nesta quinta-feira o visto ao contrato de aluguer de 10 helicópteros (para o período de 1 de maio de 2018 a 31 de dezembro de 2019), permitindo assim à Autoridade Nacional de Proteção Civil (ANPC) juntar uma dezena de aeronaves às únicas três que tinha disponíveis e em condições de voar a qualquer momento.

Os 10 helicópteros ligeiros agora “libertados” pelo TC estavam já posicionados no terreno, mas impedidos de ser utilizados por falta do visto à sua contratação. No entanto, o Governo garantia que eles seriam mobilizados por ajuste direto caso surgisse uma situação de emergência.

As 10 aeronaves ficam sediadas centros de meios aéreos de Vale de Cambra, Fafe, Macedo de Cavaleiros, Castelo Branco, Lousã, Monchique, Guarda, Baltar, Sardoal e Arcos de Valdevez.

O parque de meios aéreos para usar no combate aos fogos fica agora mais composto, mas ainda longe de estar completo. Com efeito, a Diretiva Operacional Nacional prevê para esta época do ano a afetação de 20 aeronaves (estando, assim, por assegurar a efetividade de sete meios aéreos).

Antes deste visto do TC, apenas se encontravam disponíveis os três helicópteros ligeiros que fazem parte da frota do Estado. Estes encontram em Loulé, Viseu e Vila Real.

Os helicópteros pesados Kamov, as outras três aeronaves daquela frota, estão inoperacionais, devido a um diferendo entre a ANPC e a empresa de manutenção, a Everjets.

O dispositivo de combate a incêndios rurais estabelece para este ano um total de 55 aeronaves (deverão estar todas a funcionar em simultâneo no período mais crítico, de 1 de julho a 30 de setembro).