Siga-nos

Perfil

Expresso

Sociedade

Como uma família finlandesa acabou resgatada do mar em Cascais: a história de um naufrágio

Dez pessoas ficaram feridas, oito finlandeses e dois portugueses, com escoriações e sinais de hipotermia

Liliana Coelho (texto) SIC Notícias (vídeo)

Aproveitando o clima primaveril, uma família de finlandeses que está a passar férias em Portugal decidiu realizar um passeio de barco na tarde desta quinta-feira ao longo da costa de Cascais. Alugou uma embarcação semirrígida de turismo com dois tripulantes portugueses e começou o trajeto que tinha tudo para ser agradável. Contudo, por volta das 13h, o barco ter-se-á aproximado demasiado da costa, ao largo da Parede, virando-se na zona da rebentação das ondas. “A embarcação navegava a menos de 100 metros de distância da costa e quando se virou chocou com uma zona de pedras, acabando os ocupantes por serem envolvidos na rebentação”, diz ao Expresso Fernando José Pereira da Fonseca, porta-voz da Marinha e Autoridade Marítima Nacional.

No total, dez pessoas ficaram feridas, oito finlandeses e dois portugueses, com escoriações e sinais de hipotermia. O Centro de Operações Marítimas recebeu um alerta às 13h15 através da linha 112. “As autoridades deslocaram-se depressa ao local e por volta das 14h todos os ocupantes já tinham sido resgatados”, explica o porta-voz da Autoridade Marítima Nacional.

Segundo o responsável, os turistas e tripulantes tinham coletes salva-vidas, cumprindo as normas de segurança, o que terá evitado maiores consequências. Oito vítimas foram assistidas no local, enquanto as outras duas foram imobilizadas por questões de precaução, face ao receio de fraturas. A embarcação só foi retirada mais tarde da água, devido à forte agitação marítima.

Terminado o resgate, a Autoridade Marítima Nacional irá abrir um inquérito para apurar as causas do acidente. A próxima fase passará, em primeiro lugar, pelo interrogatório aos dois tripulantes, de forma a ser elaborado um relatório sobre o acidente. “A embarcação poderia estar com problemas ou os tripulantes não avaliaram bem a distância. Mas ainda é prematuro avançar com hipóteses”, acrescenta a mesma fonte.

No local estiveram elementos da Polícia Marítima de Cascais, com um semirrígido e uma mota de água, o INEM, os Bombeiros Voluntários da Parede, a PSP e a Polícia Municipal de Cascais.