Siga-nos

Perfil

Expresso

Sociedade

Lula? “Está tudo no Google”

José Relvas/Lusa

O que se diz quando se sai à rua para defender um homem preso? Pode dizer-se isto: “Uma pessoa que fala em nome do povo e dos trabalhadores e faz tudo em nome deles é um anti-herói”. Ou isto: “Só um psicopata pode dizer que ele é culpado de alguma coisa”. E ainda: “Ele não é um santo como ninguém é um santo”. Ou por exemplo: “Às vezes, uma foto que a gente publique aqui em Lisboa com 10 manifestantes circula no Brasil e tem um milhão de visualizações”. Afinal, o que aconteceu esta quarta-feira junto à embaixada do Brasil em Portugal?

Helena Bento

Helena Bento

Jornalista

Manuel Albuquerque, 62 anos, é professor em Pernambuco mas está de baixa médica porque quase perdeu a voz de tanto gritar por Lula da Silva. Aproveitou essa pausa no trabalho para visitar a filha e a neta que vivem em Lisboa e para participar no protesto realizado esta quarta-feira junto à embaixada do Brasil, organizado pelo Conselho Português para a Paz e Cooperação (CPPC) e apoiado por dezenas de organizações políticas e da sociedade civil, incluindo representantes da comunidade brasileira. Deixou por alguns minutos o lugar que ocupava entre as dezenas de pessoas reunidas de frente para o palco destinado a receber alguns intervenientes e começa a explicar ao Expresso o que o traz aqui. E o que traz aqui é a certeza de que o ex-presidente brasileiro Lula da Silva, detido desde sábado na sede da Polícia Federal de Curitiba, “está a ser alvo de uma perseguição política” que tem como objetivo impedir a sua “vitória certa” nas eleições presidenciais previstas para outubro. “Aqueles que estão agora no poder não aguentavam perder uma quinta eleição e não é à toa que este golpe está a acontecer. Ele já vinha sendo preparado devagarinho. Eles têm vindo a forçar a barra para tomar poder e, como não conseguiram tomar com votos, tomaram a pulso.”

Manuel Albuquerque tem estado com um cartaz branco na mão onde se lê as palavras “Lula Livre” escritas a tinta vermelha e é precisamente isso que defende, recorrendo aos mesmos argumentos que têm sido usados pela defesa do antigo presidente brasileiro: considera que a condenação de Lula da Silva a 12 anos e um mês de prisão por corrupção passiva e branqueamento de capitais não tem base legal e que a prisão vai contra a presunção de inocência garantida na Constituição, havendo ainda recursos a apresentar junto da Justiça. “Temos de esgotar todas as instâncias”, diz o professor brasileiro, apontando o dedo ao ideário que, no seu entender, motivou e sustenta a prisão de Lula. “Eles não estão preocupados com a corrupção. Ela paira em qualquer parte do planeta e deve ser punida. Eu concordo com isso plenamente. Mas tem sido usado o jargão da luta contra a corrupção e isso não é verdade. A corriola de bandidos que acompanha o presidente Michel Temer tem 'ene' processos acumulados e não há uma só repreensão do poder jurídico para colocá-los definitivamente na cadeia. Já Lula foi preso por causa de um apartamento que nem sequer era dele.”

Manuel Albuquerque usa a expressão “pandemónio armado” para descrever a situação que se vive hoje no país. “Sei bem o que sofri na pele por causa de regimes ditatoriais. Acompanhei o fim da ditadura e o princípio da democracia. O que temos hoje é um pandemónio armado e um governo sem voto e ilegítimo, e forças externas a quererem entregar o Brasil e as suas riquezas ao capital internacional.” O professor não vê a hora de voltar ao seu país, não por apego ou dever profissional, mas para se juntar aos apoiantes de Lula que continuam sem arredar pé das imediações da sede da Polícia Federal de Curitiba, no estado do Paraná, onde Lula da Silva se encontra detido e onde permanecerá até a providência interposta pelo Partido Ecológico Nacional, que questiona a legalidade da prisão em segunda instância sem o condenado esgotar todas as instâncias de recurso, ser discutida no Supremo Tribunal Federal. “Assim que chegar, vou de imediato para lá. São três horas de avião mas tenho de ir. Para quem tanto acompanhou os sindicatos, não posso fingir que isto não está a acontecer. É preciso mostrar solidariedade, não tem outra saída.”

Manuel Albuquerque, 62 anos, professor em Pernambuco.

Manuel Albuquerque, 62 anos, professor em Pernambuco.

Lula “não é um santo como ninguém é um santo”

Com Manuel Albuquerque está a sua filha, Daniela, de 34 anos, que diz procurar neste encontro de apoiantes de Lula da Silva “uma luz ao fundo do túnel”. “Temos de tentar fazer alguma coisa mesmo estando longe.” Natural de Recife, Daniela chegou a Portugal em março deste ano e, ao contrário do pai, não tenciona voltar para o Brasil nos próximos tempos. “Vim para aqui para tentar dar uma vida melhor e mais segura às minhas filhas. A gente foge de lá por isso, porque não tem segurança nem saúde nem educação. Pagava mil reais para ter a minha filha no infantário e quatro reais, quase um euro, por um litro de leite. Aqui ao menos sei que vou ter um salário”, diz, apontando para a criança pequena de olhos rasgados ao seu lado que observa tudo com ar de novidade enquanto vai metendo pipocas à boca. “Tenho a certeza que se eu fosse pequena e os meus pais tivessem a idade que eu tenho eles fariam o mesmo por mim e viriam para aqui ou para outro lugar qualquer.”

As críticas explícitas de Daniela têm um alvo muito específico e esse alvo é o governo de Michel Temer, “que veio acabar com as leis de proteção dos trabalhadores”. “Tudo era melhor quando Lula era presidente porque a inflação estava controlada. Agora maquilham as informações que passam para fora. De uma hora para a outra, tudo complicou.” Sobre a detenção conturbada do antigo presidente brasileiro, começa por dizer que ele “não é um santo como ninguém é um santo”, mas que isso não é razão para ser condenado sem provas. “Eu sou a favor do Lula e votei Lula e votarei Lula, mas acho que isto é uma questão apartidária. A justiça não pode ser feita apenas para um lado. Se ele tem de responder, os demais também têm.”

Francisco Cabrita, reformado português de 63 anos, concorda sobre a não santidade de Lula e diz mesmo que “não há nenhum dirigente de nenhum país que esteja completamente limpo”. No entanto, não concorda com a forma como o processo tem sido conduzido e é por isso que está aqui hoje. “Não se decide de boca que alguém é corrupto e por isso que, enquanto não for provado, vou continuar a acreditar em Lula. Estou aqui para manifestar a minha solidariedade para com o povo brasileiro”, diz Francisco, para quem o antigo presidente brasileiro é um “anti-herói” e não o seu contrário. “Uma pessoa que fala em nome do povo e dos trabalhadores e faz tudo em nome deles é um anti-herói. Ele nunca se gabou pelo que fez.”

Daniela Albuquerque chegou a Portugal em março deste ano

Daniela Albuquerque chegou a Portugal em março deste ano

“Um processo antidemocrático que vai contra as conquistas do povo brasileiro”

Eco de todas estas palavras faz Filipe Ferreira, vice-presidente da direção-nacional do Conselho Português para a Paz e Cooperação (CPPC), que organizou a iniciativa. “Reconhecemos que há um processo antidemocrático que vai contra as conquistas do povo brasileiro. Primeiro assistimos à tentativa de afastar Dilma Rousseff do poder e agora à tentativa de impedir a candidatura de Lula da Silva por processos que vão contra as próprias leis brasileiras e a Constituição nacional” diz ao Expresso o vice-presidente.

O encontro desta quarta-feira tarde foi organizado no seguimento de uma outra iniciativa do CPPC na sexta-feira passada, também em frente à embaixada brasileira e quando foi confirmada a ordem de prisão de Lula da Silva. Nesse protesto foi entregue um manifesto na embaixada que “repudia o golpe institucional”, manifestada “viva solidariedade ao povo irmão brasileiro e à sua luta para salvaguardar os direitos e garantias democráticas” e feito um apelo à resistência “a um poder crescentemente repressivo e autoritário”.

O manifesto foi lido esta quarta-feira perante dezenas de pessoas enquanto subiam ao palco, para breves intervenções, representantes de alguns dos 44 atuais subscritores, entre eles Solange Pereira da Juventude Operária Católica (JOC), Rita Rato, deputada do PCP, Pedro Noronha, da Associação de amizade Portugal-Cuba, Kaoê Rodrigues, de uma associação de estudantes da Universidade Nova, Joaquim Correia, do partido Os Verdes, Evones Santos, coordenadora do PT brasileiro em Lisboa, e Arménio Carlos, secretário-geral da CGTP.

Filipe Ferreira diz acreditar que manifestações como a desta quarta-feira podem resultar em mudanças concretas e é também essa a opinião de Samara Azevedo, do Coletivo Andorinha, também promotor da iniciativa. “A pressão internacional reverba bastante no Brasil. O que acontece lá tem um grande impacto no mundo inteiro e vice-versa. Há essa síndrome, a chamada síndrome de vira-lata, que é achar que tudo o que vem de fora é melhor do que o que vem de dentro. O nosso papel enquanto coletivo acaba por ser muito imagético. Às vezes, uma foto que a gente publique aqui em Lisboa com 10 manifestantes circula no Brasil e tem um milhão de visualizações.”

Iniciativa foi organizada pelo Conselho Português para a Paz e Cooperação (CPPC)

Iniciativa foi organizada pelo Conselho Português para a Paz e Cooperação (CPPC)

“Só um psicopata pode dizer que ele é culpado de alguma coisa”

Maria Oliveira, brasileira reformada de 60 anos, parece ter saído diretamente de uma das várias manifestações de 2016 contra o impeachment de Dilma Rousseff, no Brasil. É ela que faz questão de assinalá-lo ao exibir a t-shirt que usou num desses eventos e que tem gravada a frase “em defesa da democracia, resistir é preciso!”, escrita em letras brancas sobre o tecido de uma cor, vermelha, que combina com a bandolete que usa para segurar o cabelo e que tem a forma de um laço - numa aba lê-se “Lula” e na outra “Livre”. “Estou aqui para defender a democracia e principalmente Lula da Silva, que foi condenado injustamente. Prender com base em suposições e convicções é errado. Só um psicopata pode dizer que ele é culpado de alguma coisa. Há quatro anos que vasculham a vida dele e não descobriram nada. Boto a minha mão no fogo por ele.”

Lula da Silva tem o amor de parte povo devido às suas políticas de apoio social mas Maria Oliveira acha que o que incomoda mesmo à direita brasileira - e que “justifica” o que está a acontecer agora - é a sua “astúcia, carisma e inteligência”. “Para mim, tudo isto tem que ver com o ódio invejoso em relação a um cara que veio de nordeste na boleia de um pau de arara [meio de transporte ainda utilizado naquela região brasileira, vulgo carrinha de caixa aberta] e que ganhou duas eleições. Saiu do governo com mais de 80% de aprovação. Eu não conheço todos os presidentes do mundo, mas duvido que haja algum que tenha deixado o cargo com uma percentagem de popularidade superior.” Sublinhando não ser “necessário” enumerar todas as “medidas positivas” de Lula, visto estar “tudo no Google”, Maria Oliveira realça apenas como a “estabilidade económica do Governo Lula” lhe permitiu e à sua família “ter casa e carro”. “A minha vida transformou-se nessa altura.”

Maria Oliveira e Silvana Almeida

Maria Oliveira e Silvana Almeida

Tal como Manuel Albuquerque, Maria Oliveira vê na condenação e detenção de Lula da Silva uma tentativa da direita de impedir a candidatura do antigo presidente brasileiro às próximas eleições. “Se tirarem Lula da corrida eleitoral conseguem tirar o PT”, diz a reformada, aludindo à ausência de um sucessor à altura de Lula ou da sua popularidade dentro do Partido Trabalhista, o que complicará a vida do partido caso o antigo presidente brasileiro acaba mesmo impedido de se candidatar por força da lei da ficha limpa, aprovada durante o seu mandato e que diz que nenhum político condenado por crimes contra o Estado em segunda instância pode candidatar-se a cargos públicos.

“Sei o que os meus pais passaram e não quero isso para os outros nem para mim”

“Quanto mais tempo passa mais eu acredito que foi tudo forjado”, diz a mulher brasileira sentada ao lado, Silvana Almeida, que chegou a Portugal em 2001 e é cozinheira num restaurante. Ao Expresso, explica por que razão decidiu participar no protesto desta tarde. “Temos de fazer alguma coisa. Ninguém faz mudanças sentado no sofá. É preciso vir para a rua. Saí do Brasil antes de Lula ser presidente porque não havia trabalho. Via anúncios de emprego no jornal e quando chegava ao local havia gente na fila há mais de quatro horas. Com Lula, a situação melhorou e agora voltou a piorar novamente.”

Lis Araújo, a sua filha, tinha apenas quatro anos na altura mas lembra-se, por exemplo, de “querer um boneco” e os pais não terem dinheiro para o comprar. Diz ao Expresso que a vida dos primos que ficaram no Brasil “melhorou” com Lula da Silva, mas também a sua, já em Portugal. “Antigamente, o Brasil era país posto um bocado de parte. Quando chegámos, o processo de legalização foi difícil. Lembro-me perfeitamente de andar a saltar de consulado em consulado com os meus pais, mas com Lula isso tornou-se muito mais fácil. Ele conseguiu abrir as fronteiras do Brasil e mostrar que o país estava aberto a relações diplomáticas.” Com 20 anos, Lis Araújo diz saber ser demasiado “nova” para argumentar a favor de Lula como o fazem os seus pais e outros familiares, mas esforça-se por ouvir, perceber “o que está para trás” e lutar, como hoje. “Sei o que os meus pais passaram e não quero isso para os outros nem para mim.”

  • Lula preso pelo menos mais uma semana

    O Supremo Tribunal Federal deveria pronunciar-se esta quarta-feira sobre a prisão após condenação em segunda instância, mas juiz adiou a sessão por cinco dias a pedido do partido que interpôs a ação. Mesmo assim, a sessão de hoje pode dar força à defesa de Lula da Silva

  • Estão abertas as audições para Lula da Silva II

    Quem será o próximo “construtor de sonhos” do Brasil? Partindo de uma frase do ex-presidente Lula da Silva - e do princípio que qualquer presidente de qualquer país quer ajudar os seus cidadãos a construir sonhos -, perguntamos: haverá alguém capaz de absorver todo o capital emocional - e eleitoral - de Lula?

  • Em dia de visita, Lula fica sozinho

    Para evitar constrangimentos e eventuais confrontos, as visitas de Lula da Silva não acontecem no mesmo dia das dos demais detidos no edifício da Polícia Federal em Curitiba. Enquanto familiares dos outros presos, alguns deles delatores do ex-Presidente, entravam com sacolas, Lula permaneceu isolado

  • Porque é Lula tão popular, tão perseguido, tão odiado, tão fraturante? Uma explicação possível via WhatsApp

    Marina Chiari gostava tanto de política que acabou por deixar de gostar. Porque se desencantou. Apanhámo-la no meio da Amazónia, em Belém do Pará, via WhatsApp. E no Brasil fala-se português cantado e brasileiro que ama esta sua canção não tem medo de se ouvir - e por isso grava áudio no WhatsApp em vez de escrever. E o áudio de Marina, que desistiu do jornalismo para se tornar professora, explica um Brasil que apanhou um vírus, o da corrupção, em que os anticorpos não expulsam o atacante mas acomodam-no