Siga-nos

Perfil

Expresso

Sociedade

Uma aerovane nos Açores foi atingida por um raio. O que devem fazer os pilotos, quais são os riscos, o que é que os passageiros devem saber?

Barcroft Media / getty

Aeronave da Azores Airlines foi afetada por um raio durante uma viagem Lisboa-Pico-Lisboa esta terça-feira. Miguel Silveira, comandante da Associação dos Pilotos Portugueses de Linha Aérea, explica ao Expresso quais os riscos e os procedimentos caso o raio atinja uma aeronave onde viaja

Que riscos podem surgir?

Miguel Silveira diz que não existem riscos, considerando o fenómeno como "física pura". Os aviões funcionam como uma gaiola de para-raio ou, no termo técnico, Faraday. A gaiola de Faraday consiste numa camada de energia que cerca a aeronave por fora - quando o avião é atingido por uma corrente elétrica (composta por eletrões), esta segue na mesma direção que a camada de energia. Deste modo, os eletrões encontram-se na superfície e não entram dentro da aeronave. Segundo o comandante, o raio passa pelo aeronave, não causando problemas nem prejudicando a viagem.

O que sentem os passageiros?

O acontecimento nem sempre é percetível, depende da intensidade do raio. Nos casos em que é percetível, pode sentir-se um "cheiro a enxofre", diz Miguel Silveira. "Ouve-se um barulho abafado, é um som parecido ao de uma melancia que caiu ao chão e se abriu", descreve o comandante.

Como deve agir o piloto?

Como foi dito anteriormente, o acontecimento não impede que a viagem continue. Cabe ao piloto decidir se pretende parar e certificar-se que a aeronave está capaz de voltar a voar. O comandante defende que o "voo deve prosseguir como se nada tivesse acontecido", mas "basta o piloto não se sentir confortável" para que este termine. Mais uma vez, é responsabilidade do piloto avisar os passageiros do ocorrido. >Deve fazê-lo num "discurso normal", com fim a tranquilizar os passageiros.

Esta terça-feira, uma aeronave da Azores Airline foi atingida por um raio ao sair de Lisboa. O piloto abortou missão e a viagem não se realizou. No entanto, não é a primeira vez que acontecimentos deste género ocorrem. O vídeo acima mostra um caso ocorrido no ano passado em Amesterdão