Siga-nos

Perfil

Expresso

Sociedade

Bombeiros vão estar presentes no Comando Nacional da Proteção Civil

RUI MIGUEL PEDROSA / Lusa

O ministro da Administração Interna anunciou este domingo a participação inédita da Liga dos Bombeiros no Comando Nacional de Operações

O ministro da Administração Interna afirmou, este domingo, que, pela “primeira vez desde sempre”, a Liga dos Bombeiros estará presente no Comando Nacional de Operações e vai haver um aumento superior a 10% na remuneração dos operacionais.

“Teremos uma participação reforçada dos bombeiros no dispositivo, numa interligação que lhes permitirá estar pela primeira vez, desde sempre, presentes ao lado da Autoridade Nacional de Proteção Civil”, afirmou o ministro da Administração Interna, Eduardo Cabrita, que falava aos jornalistas após presidir à comemoração do Dia da Unidade do Comando Territorial de Leiria da GNR, que decorreu este domingo em Pedrógão Grande.

Questionado pela agência Lusa sobre as negociações com a Liga dos Bombeiros para o Dispositivo Especial de Combate a Incêndios Florestais (DECIF) de 2018, o membro do Governo sublinhou que a Liga dos Bombeiros vai estar presente no Comando Nacional e vai assumir funções de ligação “em todos os comandos distritais”.

Eduardo Cabrita informou ainda que a diretiva financeira que está a ser preparada determina “um significativo crescimento — superior a 10% — da remuneração dos bombeiros, quando integrados” no DECIF.

Segundo o ministro, Portugal passará também a ter “o maior número de bombeiros profissionais de sempre”, estando já acordado com a Liga dos Bombeiros Portugueses (LBP) a criação de 120 equipas profissionais (cada uma com cinco elementos), que vão ser integradas nas corporações de bombeiros voluntários.

Dessas 120, 79 vão ser incorporadas em corporações em áreas de risco, estando por concluir os locais onde vão ficar as restantes equipas de bombeiros profissionais, explicou.

O trabalho com a Liga dos Bombeiros “tem corrido de forma exemplar” e já há “fumo branco”, disse Eduardo Cabrita, utilizando a expressão usada pelo presidente da LBP, Jaime Marta Soares, na sexta-feira sobre as negociações com o Governo.