Siga-nos

Perfil

Expresso

Sociedade

Hell’s Angels procurados em Portugal são de cinco países do norte da Europa

d.r.

Rixa entre fações de motards de extrema-direita preocupa autoridades, que continuam à procura dos autores das agressões no Prior Velho, em Loures. Fugitivos são de Portugal e do norte da Europa. Existe o receio de represálias

Hugo Franco

Hugo Franco

Jornalista

“Mantenha a calma, estamos aqui para ficar!!” O grupo Bandidos publicou esta frase na sua página portuguesa do Facebook, aparentemente a oficial, vinte e quatro horas depois de os motards terem sido alvo de um ataque violento no Prior Velho.

Os agressores serão cerca de 20 elementos dos Hell’s Angels que invadiram este sábado à tarde o restaurante “Brasa do Prior” de cara tapada e munidos de facas, paus e barras de ferro. Todos eles são procurados pela Unidade Nacional de Contra-Terrorismo da PJ, que investiga o caso. Mas até ao fecho da edição ninguém havia sido capturado.

O Expresso apurou junto de várias fontes judiciais que nem todos os atacantes são portugueses. Há também suspeitos oriundos de cinco países do norte da Europa: Inglaterra, Alemanha, Bélgica, Finlândia e Suécia.

Apesar de se encontrarem em parte incerta, não terá sido emitido qualquer mandado de detenção europeu. Existe a convicção entre os investigadores que os suspeitos se encontram ainda em território nacional.

Uma das seis vítimas que se encontravam no restaurante do Prior Velho é também de origem alemã e está hospitalizada com ferimentos graves. O “Correio da Manhã” garante que será o cabecilha dos Bandidos naquele país e que terá estado de propósito em Loures para apadrinhar o recém-formado núcleo português, dinamizado pelo dirigente nacionalista Mário Machado.

“Foi claramente uma guerra de território”, confidencia uma fonte próxima da investigação. Um outro responsável que acompanha de perto o universo motard recorda que esta rixa surge numa altura em que os Hell’s Angels se vangloriavam de ser “o único grupo biker em Portugal”, tendo o monopólio dos negócios, como a segurança da noite ou o tráfico de droga. E não querem abrir mão para os rivais dos Bandidos, também de ideologia de extrema-direita.

Nos últimos tempos, os Hell′s Angels estariam a ser alvo de “provocações diretas” dos Bandidos, que em Portugal estão agrupados no clube “Red & Gold”.

As autoridades temem agora represálias por parte do grupo liderado por Mário Machado e estarão a monitorizar os núcleos regionais dos Hell’s Angels com o objetivo de evitar mais episódios de violência. Têm razões para isso. Na noite após agressões, Mário Machado deixou uma frase enigmáticas aos jornalistas: “Agora vamos para intervalo. Nesta festa, vocês com certeza vão ter muito para falar no futuro”. Perante as câmaras, o líder nacionalista — que se encontra em liberdade condicional desde 2017 após cumprir uma pena de dez anos de prisão por crimes de discriminação racial, roubo, extorsão ou posse ilegal de arma — fez um movimento de degolação, passando uma mão, em riste, pelo pescoço. Depois, saiu do local onde se deram os confrontos.

Ao Expresso, o fundador do movimento de extrema-direita Nova Ordem Social disse não querer prestar mais declarações sobre o assunto. Também os Hell’s Angels preferem não comentar o caso.