Siga-nos

Perfil

Expresso

Sociedade

Tancos. Relatório descreve portas e fechaduras sem segurança e vedação degradada

Nuno Botelho

Entre as lacunas e deficiências apontadas pelo relatório do Ministério da Defesa aos paióis de Tancos na data em que foi assaltado, em junho do ano passado, estão as portas e as fechaduras que “não têm os requisitos de segurança exigidos”; a rede de segurança periférica que se encontra “degradada em alguns pontos”. Também existem para-raios que não estão operacionais, “sendo necessária a sua substituição”

Portas e fechaduras sem os requisitos de segurança exigidos e a rede de segurança periférica degradada foram algumas das "deficiências e lacunas" identificadas nos Paióis Nacionais de Tancos, indica um relatório esta quarta-feira divulgado pelo Governo.

"Existem diversas deficiências/lacunas ao nível das estruturas, entre as quais se destacam as seguintes: as portas não têm os requisitos de segurança exigidos; as fechaduras não têm os requisitos de segurança exigidos", refere o documento hoje enviado pelo Ministério da Defesa ao Parlamento.

Intitulado Tancos 2017: Factos e Documentos", o dossier, de cerca de 100 páginas, apresenta um resumo histórico dos paióis nacionais de Tancos desde a origem, nos anos oitenta do século passado, e as suas "constantes dificuldades e insuficiências".

O documento descreve os sistemas de proteção e vigilância, faz uma cronologia dos acontecimentos desde a deteção do furto, a 28 de junho de 2017, estabelece o enquadramento jurídico e as competências legais do governo, forças armadas, ministério público e parlamento, as ações desenvolvidas pelo ministério e pelos ramos militares, em especial o Exército.

Com base num documento do Exército enviado à tutela a 16 de fevereiro, o dossier esta quarta-feira remetido ao Parlamento e entregue ao Presidente da República descreve o "contexto real" em que ocorreu o furto, identificando as "lacunas/deficiências" da estrutura de Tancos.

A rede de segurança periférica encontrava-se, à data dos acontecimentos, "degradada em alguns pontos" e havia "para-raios que não estavam operacionais".

Por outro lado, a "Casa da Guarda não tem comunicação de rede fixa nem existem meios de comunicação com os postos de sentinela e as rondas móveis, sendo a comunicação assegurada por telemóveis de serviço".

Quanto ao pavimento no exterior, estava "em mau estado de conservação" e não havia "quaisquer sistemas de sensores e de videovigilância em funcionamento" naquela infraestrutura de armazenamento de munições.

Com uma área de 40 hectares e um perímetro de 2.700 metros, tinha uma dupla vedação, espaçada cinco metros entre cada uma, e integra 18 paióis, um para o Regimento de Paraquedistas, quatro para o Regimento de Engenharia 1 e os restantes para a Unidade de Apoio Geral de Materiais do Exército.

O furto de material militar de Tancos – instalação entretanto desativada – foi detetado a 28 de junho durante uma ronda móvel, pelas 16h30, por um sargento e uma praça ao serviço do Regimento de Engenharia 1.

"Verificou-se que faltava material militar, aparentemente retirado de forma ilícita da unidade, com arrombamento de fechaduras das portas dos paióis 14 e 15 e a pela perfuração da rede exterior de segurança", resume o documento.

À luz do que foi possível apurar, indica o relatório, "foram praticados sem recurso a violência, mesmo porque os locais de onde foram retirados os materiais não estavam vigiados em permanência".

O relatório descreve a lista do material roubado e reitera que as 44 LAW (arma anti-carro) estavam "obsoletas" como afirmou o anterior chefe do Estado-Maior General das Forças Armadas, Pina Monteiro, juntando "prova documental".

O documento refere ainda que é o "procedimento adotado para a inativação de engenhos explosivos que permite compreender a discrepância detetada" entre o material roubado e aquele que apareceu a 20 quilómetros, recuperado pela Polícia Judiciária Militar.

"Foi dado como provado que, após um exercício militar em que houve devolução de material explosivo, o arguido (Sargento), por lapso, não atualizou a folha de registo de quantidades de material", refere o documento, acrescentando que o militar em causa foi punido com uma "repreensão".