Siga-nos

Perfil

Expresso

Sociedade

Portugal é o quarto país menos feliz da União Europeia

Portugal foi o 77º país mais feliz do mundo e a Finlândia foi o primeiro.

Marco Govel

Em 2017 Portugal subiu pouco mais de metade da escala que mede o índice de felicidade no bloco dos 28. Ficou também no meio do ranking mundial que reúne 156 países, ocupando a 77ª posição. Esta terça-feira assinala-se o Dia Internacional da Felicidade

Se percorresse uma escada da felicidade com dez degraus – em que o décimo corresponde ao topo –, quantos subia? Em 2017, Portugal voltou a percorrer apenas cinco, mas ficou mais perto de pisar o sexto lanço. Isto quer dizer que, no ano passado, Portugal recebeu 5,41 pontos no índice de felicidade e que melhorou 4,1% face a 2016. Mas também significa que ainda é o quarto país da União Europeia (UE) onde a população é menos feliz, apesar da subida de duas posições ao ano anterior, segundo dados do "World Happiness Report 2018" integrado no programa sustentável das Nações Unidas e divulgado na semana passada.

Quando se olha para o ranking mundial da felicidade – que reúne 156 países, de acordo com o relatório – a posição de Portugal também não é animadora. Ocupa o meio da tabela, situando-se na 77ª posição em 2017. Mas comparando com a lista de 2016, nota-se uma subida de 12 posições. Dá para sorrir neste 20 de março, em que se assinala mais um Dia Internacional dqa Felicidade?

A esperança média de vida dos portugueses aumentou, bem como o apoio social e a perceção de corrupção e de liberdade para fazer escolhas. Estes foram os quatro indicadores – dos seis que constituem este índice – que melhoraram e fizeram de Portugal um país mais feliz em 2017. Pelo contrário, a perceção da generosidade e o produto interno bruto (PIB) per capita pioraram.

Os 7,63 pontos conquistados pela Finlândia em 2017 valeram-lhe não só o título do país mais feliz do bloco europeu, mas também a nível mundial. Em relação a 2016, a Finlândia subiu quatro posições e ocupou o lugar da Noruega, agora relagada para a segunda posição.

Este índice de felicidade – que é medido a partir de vários inquéritos, como o “World Survey” e o “European Social Survey”, reunidos pelo Gallup World Poll, de acordo com o relatório – foi igualmente elevado para a Dinamarca (7,56 pontos), Holanda (7,44) e Suécia (7,31), que juntamente com a Finlândia e a Noruega constituem o top-5 dos países mais felizes da União Europeia em 2017. No fundo da tabela surgem a Bulgária (4,93), a Croácia (5,31) e a Grécia (5,35).

No contexto mundial, o relatório destaca o Togo, país africano que registou a maior mudança entre 2015 e 2017. Desocupou o último lugar da tabela – agora ocupado pelo Burundi – e subiu 17 posições. No ano passado, foi o 138.º país mais feliz do mundo, com um índice de 3,99 pontos. Na categoria de mudanças, Portugal também não se destacou: foi o 61.º país que se tornou mais feliz entre estes dois momentos.

E os estrangeiros, serão felizes?

Pela primeira vez em seis edições, este relatório “mede e compara a felicidade dos estrangeiros” com a da população nativa dos países de acolhimento. Dos 117 países analisados, a Finlândia volta a ocupar o topo da tabela, seguida por Dinamarca, Noruega e Islândia.

A felicidade parece ser contagiante: nos países mais felizes vivem também estrangeiros mais satisfeitos. “Quando as pessoas se mudam para um país mais feliz têm um ganho imediato de felicidade”, explica o relatório, que também destaca “que os emigrantes de segunda geração não são mais felizes do que os de primeira”.

Neste campeonato à escala global, Portugal é o 48.º país onde os estrangeiros vivem mais felizes. Já na Síria, no Togo e no Ruanda vivem os menos satisfeitos.