Siga-nos

Perfil

Expresso

Sociedade

Pedro Duarte é o pensador convidado dos 12 anos do clube de JJ

Rui duarte Silva

Clube dos Pensadores comemora esta segunda-feira 12 anos de vida, tendo por convidado especial o antigo-líder da JSD e ex-secretário de Estado da Juventude. Joaquim Jorge justifica a escolha por ser um nome de quem se fala para o futuro do PSD e do país

Isabel Paulo

Isabel Paulo

Jornalista

Joaquim Jorge, fundador do Clube dos Pensadores, convidou Pedro Duarte para abrilhantar o 121º debate do forúm cívico por onde já passaram ao longo dos últimos 12 anos políticos de todos os quadrantes políticos, como Marcelo Rebelo de Sousa ou Jerónimo de Sousa, empresários como Belmiro de Azevedo ou Alexandre Soares dos Santos e líderes sindicais, como Mário Nogueira ou Arménio Carlos.

O criador do Clube dos Pensadores, conhecido entre os mais próximos por JJ, justifica a escolha de Pedro Duarte por, na sua opinião, ser uma jovem promessa da política nacional de quem se fala para “o futuro PSD e do país”. Joaquim Jorge conta que os amigos costumam referir-se ao Clube de Pensadores como rampa de lançamento de futuros líderes partidários e “quem sabe primeiros-ministros”: “António José Seguro esteve no Clube e foi eleito líder do PS. E aconteceu o mesmo a Rui Rio também”.

Apesar de se manter fora da política partidária ativa e ter revelado indisponibilidade para integrar a nova direção do PSD, Pedro Duarte afirmou ao Expresso que aceitou o convite pelo seu empenho em manter uma atividade cívica e de ideias que aponte novos caminhos para o debate político. “Sou crítico do debate político e público que se faz em Portugal. A generalidade dos partidos e dos agentes políticos fogem dos problemas e das respostas pelas quais anseia a sociedade”, afirma o ex-secretário da Juventude de Passos Coelho, acrescentando, no entanto, que este ”é um mal comum à generalidade das democracias mais liberais”.

Apesar de Portugal “ter sabido resistir até agora aos movimentos populistas” que têm vindo a crescer em vários países europeus, Pedro Duarte adverte que, “sem grandes reformas nos partidos e de agentes políticos”, os portugueses não devem ficar descansados.

Num balanço de 12 anos de debates mensais regulares, Joaquim Jorge evoca como um dos momentos mais marcantes o do protesto da plateia a Miguel Relvas, em 2013, que entoou 'Grândola Vila Morena'. Outro momento que jamais esquecerá é o do debate com Vicente Jorge Silva, fundador e ex-diretor do 'Público', de quem sempre foi um admirador e por ter sido o primeiro convidado do Clube dos Pensadores, em março de 2006.

Um clube sem doutores

Hoje como sempre, as tertúlias acontecem à segunda-feira, dia que não surgiu por acaso: “Era uma noite morta por não haver futebol, o que já não acontece há uns anos, mas num país de futebol mesmo assim há menos”. Outra das marcas recordadas por Joaquim Jorge foi a novidade de tratar todos os convidados pelo nome, independentemente do grau académico ou do cargo do convidado. “Num país de doutores no início, alguns estranharam”, confidencia.

O fundador e animador do clube explica a longevidade do clube pelo facto de ser um espaço de debate livre e imune a tabus. “Eu gosto muito de política, mas tenho uma maneira diferente de ver a política, ou seja, não gosto de fazer política para as pessoas mas com as pessoas”, frisa. Desgostoso com partidos depois de ter sido impedido pelo PSD de se candidatar à Câmara de Matosinhos, em outubro último, Joaquim Jorge avança ao Expresso que em breve irá lançar uma plataforma digital de debate para centralizar os anseios da população de Matosinhos, embrião de uma futura candidatura autárquica no seu concelho natal.

“Nas próximas autárquicas, são os matosinhenses que dirão se me querem como candidato ou não”, refere, confessando que de candidaturas partidárias ficou “vacinado”.