Siga-nos

Perfil

Expresso

Sociedade

Em nove dias choveu quase o dobro do normal em todo o mês de março

O aviso amarelo é devido à previsão de períodos de chuva persistente e por vezes forte

Tiago Miranda

As barragens já viram as suas reservas aumentar em média 20%, apenas em duas semanas, e algumas já estão a fazer descargas. A chuva vai manter-se até à chegada da primavera e, para domingo, o vento forte vai originar ondas de 15 metros

A chuva intensa que caiu nos últimos nove dias em Lisboa foi o dobro da média dos meses de março dos últimos 30 anos (120 litros/m2 desde 1 de março, contra 69 litros/m2 de média histórica para todo o mês). Situações semelhantes ocorreram em Portalegre, Sagres e Bragança, segundo o Instituto Português do Mar e da Atmosfera.

A título de exemplo, o IPMA refere ainda que entre as 10h00 e as 16h00 de ontem a chuva originou uma concentração anormalmente elevada de 45 litros de água por metro quadrado, na Covilhã, sendo que se registaram 30 litros/m2 em várias zonas do país.

A chuva das últimas duas semanas teve também como consequência um aumento da percentagem de armazenamento em 49 albufeiras, das 58 monitorizadas até ontem, pelos serviços do Ministério do Ambiente.

Nas bacias do Mondego, Tejo e Arade, oito albufeiras registaram um aumento superior a 20%, face às quantidades que ainda restavam do longo período de seca que se estendeu até meados de fevereiro.

Já há barragens a fazer descargas

O caudal dos rios engrossou, em especial na bacia do Tejo, e já há barragens a fazerem descargas controladas desde a passada terça-feira. O Ministério do Ambiente garante, porém, que esta medida não resulta de “incapacidade de armazenamento” das albufeiras mas que é, antes, “uma medida de prevenção que faz parte das regras de exploração de barragens sempre que se prevê um aumento significativo das afluências”.

A água acumulada nas principais barragens também resultou, segundo a REN – Redes Energéticas Nacionais, em picos de produção de energia elétrica, em especial na manhã de quarta-feira. A produção alcançou um novo máximo com 5.689 megawatt - 142 MW acima do anterior máximo de 15 de fevereiro de 2016.

À espera das ondas de 15 metros

Se mora perto da costa e já tinha pensado tirar a manhã de domingo para ir ver as anunciadas ondas de 15 metros, esqueça. Elas podem formar-se mas será no alto mar e, provavelmente, nem serão percetíveis a partir da costa.

A informação do IPMA confirma, porém, ondulação de sete metros, na madrugada de domingo, em toda a costa ocidental, com ventos fortes de sudoeste. Estas sim, chegam à praia.

Para hoje, sábado, prevê-se uma pequena melhoria das condições atmosféricas mas, ainda assim, deverão ocorrer trovoadas, vento forte e queda de granizo.

No final dia o vento irá rodar para oeste e voltam as chuvas intensas durante toda a noite de sábado para domingo. Para o início da semana o IPMA prevê um abrandamento da intensidade do vento e da chuva, mas será garantida pluviosidade pelo menos por mais dez dias, que é como quem diz, até ao início da primavera.