Siga-nos

Perfil

Expresso

Sociedade

Uma "doença muda" à espera de ser ouvida

Na data em que se celebra o Dia Mundial do Rim, conheça o projeto que analisa o impacto da doença renal em Portugal que junta Expresso e ANADIAL nas próximas duas semanas a caminho de um debate final a 22 de março em Vilamoura

É crónica e obriga a grandes cuidados de saúde. Falamos da doença renal, algo que no final de 2016 (de acordo com dados de um estudo da Associação Nacional de Centros de Diálise - ANADIAL) colocava mais de 20 000 doentes em tratamento substitutivo. E algo que vai merecer análise cuidada ao longo das próximas duas semanas no Expresso.

Trata-se dum projeto em conjunto com a ANADIAL que tem como objetivo desmistificar e dar a conhecer esta doença e as suas particularidades e os sinais de alerta e influência no quotidiano do doente. Procuraremos também perceber os custos e benefícios do tratamento da doença renal em Portugal, quando, entre 2003 e 2016, iniciaram hemodiálise 2000 a 2500 doentes por ano. Observou-se mesmo um crescimento do número de doentes em tratamento nos últimos 10 anos com taxas que variaram entre 1,2 e 5% anualmente.

Temas que vão ser discutidos no nosso site e nas plataformas sociais do grupo Impresa como rampa de lançamento para um debate a realizar-se a 22 de março no Centro de Congressos de Vilamoura. Por hoje, Dia Mundial do Rim, veja a entrevista de Aníbal Ferreira, presidente da Sociedade Portuguesa de Nefrologia, incluída neste artigo.